Conecte-se conosco





Cotidiano

Acusados de assassinar jovem que não teve corpo achado no Acre vão a júri popular

Dos nove réus no processo, seis que estão presos no Acre foram pronunciados pela juíza Luana Campos, da 1ª Vara do Tribunal do Juri.

Publicado

em

Jovem sumiu há mais de um ano e polícia concluiu que ela foi esquartejada e jogada no Rio Acre. – Foto: Arquivo da família

Por Iryá Rodrigues

Dos nove acusados de participação na morte da jovem Kesia Nascimento da Silva, de 20 anos, seis foram pronunciados e vão a júri popular. A decisão foi da juíza Luana Campos, da 1ª Vara do Tribunal do Juri.

O grupo vai responder pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, corrupção de menores, ocultação de cadáver e por integrar organização criminosa. A data do julgamento ainda não foi marcada.

Entre os réus que vão a júri estão Thalysson Jesus da Silva, João Vitor da Cunha Pereira, Moisés Inácio da Silva, Camila Cristine de Souza Freitas, José Natanael Aquino Duarte, Ana Lúcia Barros de Oliveira, todos presos no Acre.

Além deles, Amanda de Lima Moura, que está foragida, e Rita Rocha Nascimento e Veralucia Marques, que estão presas em São Paulo, também são acusadas do crime mas tiveram os processos desmembrados.

A primeira audiência do caso ocorreu no último dia 10 de maio, por videoconferência, onde foram ouvidas sete testemunhas. Como não foi possível concluir o interrogatório das testemunhas e dos réus uma segunda audiência ocorreu em junho.

A informação sobre a audiência do grupo foi confirmada pela 1ª Vara do Tribunal do Júri. O processo tramita em segredo de Justiça e, por isso, a promotoria que atua no caso não pode comentar sobre o teor da denúncia. O G1 não conseguiu contato com as defesas dos réus.

Desaparecimento

Kesia sumiu no dia 28 de janeiro do ano passado após deixar o filho pequeno em uma lanchonete da família, na Estrada da Floresta, em Rio Branco.

Ela tinha esquizofrenia, fazia tratamento contra a doença e tomava remédios. Apesar de o corpo da jovem não ter sido encontrado, a polícia concluiu que ela foi morta.

Em novembro do ano passado, a Justiça do Acre aceitou denúncia contra nove pessoas acusadas de participação na morte da jovem. Dos nove réus no processo, seis estão presos no Acre, um foragido e dois presos em São Paulo.

Crime assistido por videoconferência

As investigações da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) apontaram que a ordem para matar a jovem partiu de duas mulheres que estavam em São Paulo. As suspeitas foram presas no último dia 15 de outubro, durante a terceira fase da Operação Sinapse, da Polícia Civil. Elas teriam assistido a execução de Kesia por videoconferência.

A polícia concluiu ainda que a jovem foi morta, esquartejada e depois teve o corpo jogado no Rio Acre. A motivação do crime seria porque a jovem teria mudado de facção criminosa e então foi vítima de uma retaliação.

Além dos nove acusados que viraram réus no processo, dois adolescentes também foram apontados pela polícia como participantes do crime.

Comentários

Em alta