Elenilson Souza foi fotografado no presídio de Sena Madureira dias antes de ser internado com Covid-19 — Foto: Arquivo/Unidade Penitenciária Evaristo de Moraes
Por Aline Nascimento

O detento Elenilson Rodrigues de Souza, de 44 anos, morreu na UTI do Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into), em Rio Branco, na sexta-feira (17) com Covid-19.

Souza cumpria pena há quase um ano por aliciamento de menores na Unidade Penitenciária Evaristo de Moraes, em Sena Madureira, interior do Acre.

A morte de Souza pela doença foi confirmada no boletim da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) deste sábado (18). O detento deu entrada no hospital de Sena Madureira na manhã de segunda (13) e foi transferido para Rio Branco na terça (14).

Com o caso dele, o número de detentos que morreram vítimas da Covid-19 sobe para três. Até a quinta (16), dados do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) apontavam duas mortes entre presos. O número de infectados era de 171, segundo o último boletim.

O diretor da unidade de Sena Madureira, Denis Araújo, explicou que o preso não apresentou nenhum sintoma e trabalhou normalmente no posto de lavagem da unidade no dia anterior a internação.

__________________

“Foi um caso surpreendente, um fato que deixou todos da gestão impactados porque ele não apresentou sintomas. Trabalhava em nosso posto de lavagem de carros e motos. Trabalhou durante o dia todo, foi para cela sem sentir nenhum sintoma, mas quando foi pela madrugada se sentiu mal e levamos para o PS achando que a comida tinha feito mal ou algo assim”, relatou.

__________________

Ainda segundo o diretor, ele dividia a cela com outros quatro presos, mas também não comentou com nenhum colega se estava ruim. Por isso, o diretor falou a equipe ficou despreocupada achando que seria algo simples, mas um teste feito no hospital revelou que Souza estava com o novo coronavírus.

“No outro o dia me ligaram e me chamaram lá. Falou que a situação dele era delicada e tomei um susto, porque um dia antes o cara estava trabalhando e ele não aguentava nem ser transferido. Eu conhecia ele, trabalhava na lavagem de carro, tinha um posto fora e era um profissional dessa área. Tomei um susto quando o médico disse que ele estava mal”, lamentou.

Transferência

Araújo acrescentou que o preso não tinha nenhuma doença preexistente que podia agravar o quadro. Porém, os exames feitos no hospital de Sena Madureira revelaram que a vítima tinha sofrido um infarto.

“O médico disse que se ele melhorasse, que estava saturando 60%, iam mandar para Rio Branco. Falei com ele, entrei no hospital porque já peguei e não tive medo. Conversei com ele, orei por ele, estava consciente, pediu para ser mandado para Rio Branco e falei que a gente estava fazendo o possível para mandar”, relembrou.

Uma hora depois disso, Souza apresentou melhoras e foi encaminhado para Rio Branco. O diretor falou que ligava todos os dias para o Into para ter notícias do detento.

“A gente achava que ia se recuperar, era um cara cheio de saúde. Fui olhar no prontuário dele do presídio e não tinha nenhuma doença que se encaixava no grupo de risco. Mas, no prontuário dele que me mandara já tem que ele tinha diabetes. Não sei, é um mistério, todo mundo está em choque”, disse.

Monitoramento

O diretor da unidade prisional informou que os presos que dividiam a cela com Elenilson Souza não vão ser colocados em isolamento, mas devem ser monitorados, caso apresentem algum sintoma. Porém, nenhum deles reclamou de algum sintoma.

“Na cela que ele estava está todo mundo bem. Aqui fazemos exames quando o preso está com sintomas, mas ele não não reclamou. Não tem ninguém se sentido mal”, destacou.

A direção afirmou também que 21 presos do presídio já testaram positivo para o novo coronavírus até agora. Sobre os policiais penais, 46, entre eles do administrativo, também já se contaminaram com a doença.

Comentários