O reconhecimento ocorreu por meio da assinatura de uma instrução normativa pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em agosto deste ano.

Com 3,5 milhões de cabeças de gado, rebanho de bovinos no AC tem crescimento de 21% em dois anos, diz IBGE — Foto: Reprodução
Por Alcinete Gadelha

O rebanho bovino do Acre cresceu 21% nos últimos dois anos.

Com esse crescimento o estado chegou a 3,5 milhões de cabeças de gado. Os dados foram divulgadas na Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última semana.

O alta é 6,2% em relação a 2019. Já no acumulado dos últimos dois anos, em comparação a 2017, essa elevação chegou a 21%.

As cidades do estado que registraram o maior número do rebanho bovino; foram Rio Branco 474 mil animais; Sena Madureira fechou 2019 com 388 cabeças e Senador Guiomard, com 366 mil bovinos.

Após mais de 15 anos de se tornar livre da aftosa, o Acre alcançou o status sanitário de livre da doença sem vacinação. O reconhecimento ocorreu por meio da assinatura de uma instrução normativa pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em agosto deste ano.

Com o rebanho de bovinos, ao longo do ano, o estado chega a movimentar R$ 1,5 bilhão e com o novo status, o agronegócio abre novas portas e pode alcançar mercados mais exigentes e que pagam mais.

Suínos

Seguindo esta onda do crescimento, a criação de suínos também teve alta, de acordo com os dados do IBGE o aumento foi de 5% em 2019 em relação ao ano anterior e contabilizou 149 mil cabeças.

O Município de Feijó contabilizou 28,6 mil de suínos e ficou em primeiro lugar no ranking estadual da suinocultura, seguido por Tarauacá, com 18 mil cabeças, e Epitaciolândia, com 16,6 mil animais.

Comentários