Homem de 46 anos foi preso no dia 14 de fevereiro na zona rural de Feijó. Segundo delegado, laudo descartou que chilena tenha sido vítima de violência sexual.

Karina Constanza Bobadilha Chat foi morta com mais de 20 facadas no Acre — Foto: Arquivo pessoal
Por Iryá Rodrigues, G1 AC

O homem de 46 anos que foi preso suspeito de matar a chilena Karina Constanza Bobadilha Chat, de 22 anos, no dia 1º de fevereiro foi indiciado por feminicídio. Ele está detido no Complexo Penitenciário de Rio Branco desde a última sexta-feira (14).

A chilena foi encontrada ferida com mais de 20 facadas na Avenida Amadeo Barbosa, em Rio Branco, e morreu no pronto-socorro no dia seguinte.

O delegado responsável pelo caso, Cristiano Bastos, disse que o suspeito deve responder por homicídio qualificado com agravante de feminicídio, além das qualificadoras por motivo fútil e meio cruel no emprego do assassinato.

“As informações caracterizam que de fato foi um feminicídio, tendo em vista esse relacionamento pequeno, mas próximo de afetividade que ele manteve por ela. Vai responder sim por homicídio qualificado e pode chegar a pena máxima de 30 anos”, afirmou o delegado.

Dois dias após o crime, a polícia chegou a levar o suspeito para Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde ele confessou o crime. Mas, acabou sendo liberado porque já havia saído do período de flagrante.

Após a Justiça expedir o mandando de prisão, o homem foi preso no último dia 14. Ele estava escondido na zona rural da cidade de Feijó, interior do Acre.

Após a liberação da Justiça, o corpo da chilena foi levado, na terça-feira (11), para a cidade de São Paulo, onde foi cremado e as cinzas foram levadas para Santiago, capital chilena. A família informou a reportagem que ainda não recebeu os restos mortais da jovem.

Laudo descarta violência sexual

Como o suspeito afirmou que tentava um relacionamento com a vítima e, como ela se negou, acabou desferindo os golpes de faca, a polícia chegou a investigar se a chilena tinha sido vítima de violência sexual.

O delegado informou que o resultado do laudo já saiu e descartou que Karina tenha sido vítima desse tipo de violência.

“Foi colhido material genético dela, foi feito o exame no Instituto Médico Legal de Rio Branco e está descartada essa hipótese”, afirmou Bastos.

No dia do crime, a chilena tinha almoçado com o suspeito na casa dele e, segundo a versão do homem dada à polícia, à noite ocorreu uma discussão, que resultou na morte da vítima.

“Ela conheceu o rapaz na região da Gameleira, onde ele trabalhava e, a partir daí, ele começou uma aproximação, prestando pequenos apoios, inclusive fornecendo alimentação. Tendo em vista a vontade dela de ir embora para o estado vizinho Rondônia, ele tentou evitar, houve esse desentendimento, ele a perseguiu e veio a matá-la”, relatou o delegado.

Avó fez homenagem para chilena morta em Rio Branco — Foto: Reprodução/Facebook

‘Família impactada’

A tia de Karina, Kary Chatt, contou que a menina era malabarista e havia saído do Chile em abril do ano passado. Ela disse que a família está aguardando a ordem do juiz para que o corpo da vítima seja cremado e levado ao país em que morou.

Revoltada, ela pede por justiça. “Minha Karinita foi assassinada por um animal maldito do Brasil. Exijo justiça. A família está muito mal, estamos impactados e tristes. Chega de abusos e assassinatos. Ela era alegre, bela, terna e solidária. Um amor. Não entendo”, lamenta.

No Facebook, a avó da chilena, Silvia Irturra usou o perfil no Facebook para lamentar a morte da neta e fez um texto se despedindo.

“Em direção à luz, você está viajando para o paraíso, já não estás neste plano, estás no plano celestial. Pedimos a Deus que a encha de mais luz dando a felicidade celestial e a paz eterna hoje a nossa imensa dor. Abriremos as nossas mãos e os nossos corações e te deixaremos ir. Você merece viver longe da dor viver sem mágoas nem lágrimas. Te deixamos ir, mas nunca te esqueceremos”, escreveu.

Comentários