Resex também fica na 2ª posição na lista das mais pressionadas de desmatamento. Dados foram divulgados pelo Imazon.

Reserva Chico Mendes, no Acre, é a área protegida que mais sofre ameaça e pressão — Foto: Divulgação/Imazon
Por G1 AC — Rio Branco

Dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon, divulgados nesta sexta-feira (8), mostram que a Reserva Extrativista Chico Mendes lidera o ranking das áreas protegidas mais ameaçadas e ainda aparece na segunda posição na lista das mais pressionadas de desmatamento.

De agosto de 2018 a julho deste ano, o SAD detectou um total de 5.054 km² de desmatamento na Amazônia Legal.

O estudo revela que, no comparativo com o ano passado, as mesmas APs continuam no ranking das que mais sofrem ameaça e pressão.

Ainda segundo o Imazon, este é o segundo ano consecutivo que a área protegida do Acre lidera o ranking de área mais ameaçada. O estudo considera ameaça, uma medida do risco iminente de ocorrer desmatamento no interior de uma AP, mas que ações podem evitar.

Já a lista das áreas de proteção mais pressionadas é encabeçada pela Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará e, em segundo lugar, está a Resex Chico Mendes. A pressão é quando o desmatamento ocorre no interior da AP, interferindo os serviços ambientais e até mesmo à redução ou redefinição de limites da área.

Queimadas

Em agosto deste ano, um relatório divulgado pela Secretaria de Meio Ambiente do Acre mostrou que a Reserva Chico Mendes liderava número de queimadas dentro de áreas protegidas no Acre. As queimadas foram registradas nas áreas naturais protegidas do Acre – que totalizam 256 incêndios em 20 unidades monitoradas pela sala de situação montado pelo estado.

As queimadas no mês de agosto concentravam 85% do total registrado durante este ano – 2.533 focos. A análise indica maior ocorrência de queimadas nas áreas particulares, discriminadas e projetos de assentamento, sendo que as propriedades particulares lideram o ranking.

Comentários