Conecte-se conosco





Flash

Hospital de Xapuri volta a ter segurança armada com contratação de nova empresa

Publicado

em

Por Raimari Cardoso

A segurança armada nas unidades hospitalares do Acre está voltando gradativamente após o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde (Sesacre), contratar uma nova empresa de vigilância. O hospital Epaminondas Jácome, de Xapuri, já está contando com quatro novos profissionais da área desde o último domingo (26).

No mês de julho passado, as unidades de saúde do Estado ficaram desguarnecidas dos serviços de segurança após a empresa Protege rescindir o contrato que mantinha com o governo alegando falta de pagamento por parte da Sesacre e demitir 180 vigilantes. A empresa reivindicava uma dívida que girava em torno de R$ 5 milhões.

Em agosto, após vários registros de ocorrências de invasões de unidades de saúde e de ameaças contra a vida de profissionais, o Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) ingressou com uma ação civil pública, em caráter liminar, no Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, pedindo mais segurança nas unidades de saúde do estado.

Em Xapuri, também no mês de agosto, o hospital Epaminondas Jácome chegou a ser invadido e socorristas do Samu foram agredidos por um grupo de pessoas armadas de pedaços de madeira durante um atendimento a um paciente que havia se envolvido em uma briga com supostos integrantes de uma facção criminosa.

De acordo com o diretor administrativo do hospital de Xapuri, o enfermeiro Josimar dos Santos, após o encerramento do contrato com a empresa Protege, a unidade passou 90 dias sem os serviços de vigilância armada, o que gerou uma grande sensação de insegurança tanto para os pacientes quanto para os profissionais de saúde lotados .

“A gente recebe com satisfação essa notícia que vai trazer benefícios tanto para a comunidade quanto para os funcionários, após ficarmos esse período sem os serviços. Agradecemos à Sesacre por ter se sensibilizado com a situação e resolvido esse problema que não atingia apenas Xapuri, mas outros municípios também”, disse o gestor da unidade hospitalar.

Comentários

Em alta