TCE instaurou processo de inspeção na quinta-feira (27). Polícia investiga esquema de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha em contrato de ONG com prefeitura de Cruzeiro do Sul.

Após operação da PF, TCE apura supostas irregularidades em contrato de ONG com prefeitura do AC — Foto: Divulgação/PF-AC
Por Iryá Rodrigues, G1 AC — Rio Branco

Após ser alvo da Polícia Federal com a Operação Presságio, no dia 14 de fevereiro, a prefeitura de Cruzeiro do Sul vai ser investigada também pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AC).

Um processo de inspeção foi instaurado e publicado na edição de quinta-feira (27) do Diário Eletrônico do órgão.

O TCE quer apurar possíveis irregularidades no termo de cooperação firmado entre a prefeitura de Cruzeiro do Sul e a ONG CBCN, responsável pela coleta e tratamento dos resíduos sólidos de lixo da cidade.

________________

A reportagem entrou em contato com o prefeito Ilderlei Cordeiro e com a assessoria de imprensa da prefeitura, mas até última atualização desta reportagem não obteve resposta.

________________

A operação da PF investiga os crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, quadrilha ou bando, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Foram cumpridos mandados judiciais nos estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Minas Gerais, Sergipe e no Distrito Federal.

Na ação, foram presos a irmã do prefeito, a advogada Idelcleide Cordeiro, o secretário de comunicação da prefeitura, Paulo de Sá, e outras três pessoas, entre funcionários da prefeitura e da ONG CBCN.

O grupo foi solto no último dia 21 de fevereiro, após decisão da juíza Adamarcia Machado, que determinou o cumprimento de medidas cautelares.

Operação investigou ONG contratada para tornar cidade do AC autossuficiente em energia por meio do aproveitamento do lixo — Foto: Divulgação/PF-AC

Desvio

A ONG CBCN foi contratada com dispensa de licitação pela prefeitura, porém, segundo a PF, nunca prestou os serviços que foram acordados nos termos de colaboração com a gestão.

O casal Rosa Sampaio e Jocélio Araújo de Melo, que administram a ONG, também foram presos. Melo foi preso pela PF em Brasília, já a mulher dele estava em Cruzeiro do Sul quando foi levada pela polícia.

A investigação apontou que foram firmados cinco termos com diversas secretarias da prefeitura no valor de mais de R$ 52 milhões. Até o fim do exercício de 2019, a ONG já tinha recebido cerca de R$ 27 milhões.

Apesar de ter recebido já mais da metade do contrato, a polícia apurou que os serviços licitados pela prefeitura não foram efetivamente cumpridos, e sequer existe a possibilidade de que venham a ser até o fim da vigência dos contratos.

Em nota, o advogado que faz a defesa da CBCN, Daniel Gerber, alega que não houve desvio de verbas e nem recebimento de valores sem contraprestação.

“Os valores repassados pela Prefeitura de Cruzeiro do Sul foram todos aplicados na execução dos objetos dos termos de colaboração firmados com o ente municipal. Não existiu qualquer repasse de valores para o centro de tratamento de resíduos que transformará o lixo em energia. Não haverá verba pública nessa etapa. O investimento será exclusivo da iniciativa privada”, destaca na nota.

Como funcionava

A polícia levantou que o modus operandi da suposta organização criminosa era complexo e envolvia diversas pessoas, tanto físicas quanto jurídicas. A investigação apontou que os pagamentos que ela recebia da prefeitura eram utilizados para o pagamento de uma empresa contratada pela própria ONG.

Essa empresa, que foi criada especificamente para prestar serviços à ONG em Cruzeiro do Sul, repassava os valores para diversas empresas de fachada. Essas empresas, por sua vez, distribuíam o dinheiro entre os membros da organização criminosa.

A ação foi batizada como “Operação Presságio” porque a equipe de investigação detectou que os integrantes da suposta organização criminosa pressentiam e temiam que logo o esquema seria descoberto e eles presos.

Comentários