Conecte-se conosco

Geral

Jornal prevê o fim da hegemonia do PT no Acre depois de duas décadas

Publicado

em

O conceituado jornal da capital do Brasil, Correio Brasiliense, dedicou uma pauta exclusivamente ao estado do Acre, falando sobre as eleições que está prestes a acontecer em todo o território nacional, destacando a possível derrocada do Partido dos Trabalhadores (PT).

Destaca que, após duas décadas no poder, o senador da república pelo partido, Jorge Viana, corre risco de não voltar à Brasília além de perderem a cadeira do executivo estadual. A hegemonia estaria seriamente abalada após divulgação de pesquisas eleitorais que o coloca em terceiro lugar.

Destacam ainda que, o candidato à presidência Jair Bolsonaro ganha com vantagem e o desgaste político, teria gerado o desencanto real entre os acreanos pela sigla petista.

Veja matéria na íntegra abaixo.


PT caminha para fiasco no Acre, onde Bolsonaro lidera com vantagem

No estado comandado há 20 anos pelo partido, Bolsonaro tem sete vezes as intenções de voto de Haddad. Petistas devem ficar fora do Executivo e do Senado

Por Paulo Silva Pinto - Correio Brasiliense

O petista Jorge Viana dificilmente conseguirá a reeleição ao Senado pelo estado: terceiro colocado
(foto: Geraldo Magela/Agência Senado )

O PT corre o risco de sofrer no Acre a derrota mais acachapante nestas eleições em todos os níveis: presidente, governo local e Senado. Há exatos 20 anos, iniciou-se a hegemonia do partido no estado, que deve acabar neste pleito.

O senador petista Jorge Viana dificilmente será reeleito. Conhecido pela capacidade de diálogo com políticos de outras legendas e pela moderação no discurso, ele parece ter perdido ambos os atributos: no primeiro caso, pelo isolamento petista depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff, e, no segundo, exatamente pela dificuldade que a postura de enfrentamento do PT tem implicado na construção de alianças.

Alguns meses atrás, Viana protagonizou dois episódios que demonstram isso. A portas fechadas, em uma reunião partidária, exaltou-se com a presidente nacional da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PR). Ela se mostrava irredutível na determinação de impedir alianças com partidos que votaram a favor do impeachment de Dilma. Percebendo o tamanho da dificuldade que isso iria lhe impor no Acre, ele esmurrou a mesa, se levantou e gritou: “Gleisi, você precisa parar com esse negócio de golpismo. Isso não vai nos levar a lugar nenhum!” Saiu sem ouvir a resposta dela.

O outro episódio em que Viana perdeu a calma foi público. Ele ia do plenário ao seu gabinete quando, em um corredor, bateu o olho num aparelho de tevê e viu a continuação da sessão que acabara de deixar. O senador Petecão (PSD-AC) fazia críticas ácidas ao governo do petista Tião Viana, irmão de Jorge, que voltou imediatamente ao plenário. Mal chegou, abriu o microfone e começou a bater boca com Petecão. O senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que presidia a sessão, teve de pedir que Viana parasse de interromper o colega que estava na tribuna.

Há duas décadas, a história do PT no Acre era o oposto do que se vê hoje. Jorge era eleito governador em primeiro turno, com 57% dos votos válidos. Tião ganhava a única vaga de senador em disputa. Naquele ano, o PT conquistou apenas um outro governo estadual, o do Rio Grande do Sul, mas, nesse caso, depois de uma contenda acirrada no segundo turno.

Marina Silva é outro capítulo da transformação da política local: chances remotas de repetir 2014
(foto: Mauro Pimentel/AFP )

É verdade que o presidente Fernando Henrique Cardoso, reeleito, venceu no estado em 1998, derrotando Luiz Inácio Lula da Silva. Mas não se pode esquecer de que o PSDB, incrivelmente, estava na ampla coligação dos irmãos Viana, com 10 partidos no total. Incluía até mesmo o PSL, que hoje abriga o candidato à Presidência Jair Bolsonaro.

Neste ano, o capitão reformado do Exército vai muito bem no estado. Aliás, em nenhuma outra unidade da Federação tem números tão favoráveis para apresentar, de acordo com os dados mais recentes do Ibope. Dispõe de 53% das intenções de voto. Marina Silva (Rede) vem depois, com 11%. Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), têm 8%. Fernando Haddad (PT), 7%. Se, na média nacional, Bolsonaro e o ex-prefeito de São Paulo estão empatados, no Acre, o primeiro tem sete vezes o percentual do segundo.

Desencanto

Marina Silva é outro capítulo da transformação da política local. As pesquisas não sugerem que ela tenha qualquer chance de repetir o desempenho de 2014, quando venceu no estado a eleição para presidente. A maior parte dos votos dados a ela foram, no segundo turno, para Aécio Neves (PSDB), que venceu Dilma Rousseff no estado com quase o dobro dos votos. O desencanto dos acrianos com o PT já estava claro ali.

Marina foi eleita senadora pelo PT do Acre em 1994, com apenas 36 anos. Abriu caminho para a chegada do partido ao governo no pleito seguinte. Não foi só uma vitória esplendorosa a de 1998. Ela pavimentou o caminho para a construção de uma hegemonia no estado. Desde 1998, foi governado por petistas: Jorge Viana, Binho Marques e, desde 2011, Tião Viana.

Neste ano, quem busca a vaga pelo PT é Marcus Alexandre, prefeito de Rio Branco entre 2013 e junho deste ano. Ele está em segundo lugar na pesquisa do Ibope, com 38% das intenções de voto. Quem aparece em primeiro é o senador Gladson Cameli (PP), com 47%, sobrinho do ex-governador Orleir Cameli, o último a ocupar o cargo antes da hegemonia petista. Em terceiro, está Coronel Ulysses (PSL), com apenas 6%.

A presidente da sessão acriana da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Rosana Souza do Nascimento, apoia Cameli. Licenciada do cargo, a professora universitária é candidata a deputada federal pelo PPS. No âmbito nacional, a CUT é alinhada com o PT.

Jorge Viana dificilmente será reeleito para o Senado. Está com 35% das intenções de voto. Petecão (PSD) lidera, com 52%. Márcio Bittar (MDB) tem 39%. Há duas vagas neste pleito.

53%
Intenções de voto em Bolsonaro no estado, segundo o Ibope. Marina aparece em seguida, com 11%. Haddad tem 7%

Comentários


Geral

ROTAM prende dois e apreende arma de fogo em bairro da Capital

Publicado

em

Segundo a PM, os militares faziam uma abordagem em um veículo, quando ouviram um disparo bem próximo do local onde acontecia a ação dos militares.

Por Angélica Florêncio/Com informações James Silva

Uma guarnição da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) logrou êxito e prendeu dois homens e aprendeu uma arma de fogo durante um patrulhamento de rotina, no bairro Vitória, na região do São Francisco, em Rio Branco.

Segundo a PM, os militares faziam uma abordagem em um veículo, quando ouviram um disparo bem próximo do local onde acontecia a ação dos militares. Diante do perigo eminente, a guarnição se deslocou em direção de onde veio o barulho dos tiros e encontrou dois homens, com eles, a polícia encontrou uma arma de fogo, uma munição intacta e duas deflagradas.

Após o flagrante, a dupla foi presa e encaminhada a Delegacia Central de Flagrantes – Defla, onde foram ouvidos pelo delegado de plantão.

Comentários


Continue lendo

Geral

Amazônia é o bioma com mais pastagens no Brasil, segundo estudo do MapBiomas

Publicado

em

Nas últimas duas décadas, a área de pastagem cresceu 40% na Amazônia. No mesmo período, esse tipo de cobertura de solo diminuiu substancialmente na Mata Atlântica (28%) e no Cerrado (10%), onde 10,2 milhões de hectares foram transformados em lavouras temporárias.

O avanço das pastagens sobre a Amazônia a colocou no topo da lista dos biomas com maior área, em termos percentuais, com 36%. Cerrado (31%), Mata Atlântica (18%), Caatinga (12%) e Pantanal (2%) vêm na sequência.

Com exceção de Minas Gerais, com 19,3 milhões de hectares, os outros dois estados líderes em área de pastagens no Brasil ficam na Amazônia Legal: Pará (21,1 milhões de hectares) e Mato Grosso (20,2 milhões de hectares).

Os dados fazem parte de um mapeamento inédito do MapBiomas que foi apresentado na última quarta-feira, 30 de novembro, pelo YouTube. O estudo revela que de toda a área desmatada no Brasil, que já se aproxima dos 35% do território nacional, aproximadamente 90% foram ou continuam sendo pastagem.

Com presença nos seis biomas, a pastagem ocupa atualmente algo em torno de 151 milhões de hectares de norte a sul do país. Mas a área total pode ser ainda maior porque esse número não integra parte dos campos naturais, principalmente no Pampa e Pantanal.

Esses dois biomas cobrem 12 milhões de hectares no país, e áreas de mosaico de usos, onde não é possível separar agricultura e pastagem (ou elas ocorrem de forma consorciada), e que cobrem 42 milhões de hectares.

Comentários


Continue lendo

Geral

Twitter pode ter dado preferência a candidatos da esquerda no Brasil, diz Musk

Publicado

em

REUTERS/MIKE BLAKE/FILE PHOTO

Novo dono da rede social falou sobre possíveis manipulações que teriam beneficiado candidatos também nos Estados Unidos

O dono do Twitter, Elon Musk, disse, neste sábado (3), achar “possível” que a equipe da empresa de mídia social, na gestão passada, tenha dado preferência a candidatos de esquerda durante as eleições brasileiras deste ano.

“Vi muitos tuítes preocupantes sobre as recentes eleições no Brasil. Se esses tuítes forem precisos, é possível que o pessoal do Twitter tenha dado preferência a candidatos de esquerda”, escreveu Musk.

O bilionário deu as declarações quando falava sobre possíveis manipulações das eleições americanas e não apresentou provas sobre a atuação da gestão anterior da empresa.

Musk completou a compra do Twitter em 27 de outubro, poucos dias antes do segundo turno da eleição presidencial do Brasil, com a disputa entre Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No início deste ano, Bolsonaro recebeu Musk em uma reunião em São Paulo, quando chamou a aquisição do Twitter pelo bilionário americano de “um sopro de esperança” e o apelidou de “lenda da liberdade”.

Tanto Lula quanto Bolsonaro usaram amplamente o Twitter durante o processo eleitoral. Na campanha, diversos políticos e influenciadores tiveram a conta suspensa por ordem judicial por divulgação de notícias apontadas como falsas e após questionarem o resultado da eleição.

Com informações da Agência Reuters

Comentários


Continue lendo

Em alta