Conecte-se conosco





Cotidiano

Gaeco e PM cumprem 51 mandados num duro golpe ao Crime organizado

Para o promotor de Justiça a intenção é trabalhar em dois pontos principais para regionalizar a atuação do GAECO em todo o Estado do Acre e principalmente no cumprimento destes mandatos para angariar novos elementos de provas e está mantendo as operações mais constantes

Publicado

em

A Tribuna

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com a Polícia Militar do Estado do Acre e apoio da Polícia Militar do Estado do Amazonas, cumpriu a execução de 51 mandados judiciais sendo desses, 36 de prisão preventiva e 15 de busca e apreensão. A Operação Repiquete ocorreu simultaneamente nos municípios de Cruzeiro do Sul, Porto Walter, Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Feijó e Tarauacá, além de Guajará, no Amazonas e todos os mandados foram cumpridos e apreendidos dinheiro em espécie, entorpecentes prontos para comercialização, além de celulares e uma balança de precisão.

O Promotor de Justiça Júlio César Medeiros destacou que a operação foi bastante positiva, apesar do grande trabalho investigativo para identificar os alvos em pelo menos cinco cidades do Acre e outras cidades do Amazonas e contou com uma logística de 60 policiais militares envolvidos, além da colaboração extremamente proveitosa do Ministério Público do Amazonas.

Promotor de Justiça Júlio Cesar Medeiros do Ministério Público do Estado do Acre

Outra parceria destacada pelo promotor de Justiça foi do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) ao ressaltar que ainda existem alguns Mandados de Prisão a serem cumpridos não só na penitenciária de Cruzeiro do Sul, mas também nas de Tarauacá e Rio Branco o que mostra uma atuação extremamente qualitativa.

“Ao considerar o grau de influência das pessoas que foram presas na ala da organização criminosa a operação foi muito proveitosa. Todos os presos eram conselheiros rotativos de organização criminosa, com função de liderança e eram frentes de bairros e referências para outros integrantes, ou seja, eles já estavam apadrinhando e trabalhando a expansão”, afirma.

Medeiros enfatiza que quando a organização criminosa consegue expansão

A consequência óbvia será de mais roubos, crimes, tráficos e homicídios. “Reforço realmente a necessidade e a importância das prisões, da parceria do Ministério Público representado pelo GAECO e também da Polícia Militar do Acre e do Amazonas. Ainda quero ressaltar a grande quantia de entorpecentes encontrada e de dinheiro também”, destaca o promotor.

O Promotor de Justiça aproveita para destacar os resultados da Operação Black List, desencadeada também em todo o Estado do Acre, que também foi extremamente proveitosa.

“Como fizemos uma nova operação num espaço relativamente curto, isso foi uma justificativa para escolhermos este nome regional, Repiquete, que significa a cheia repentina do rio com o movimento de vazante, justamente em analogia ao movimento de fazer duas operações em um curto espaço de tempo com resultados muito animadores de combate ao crime”, disse.

Para o promotor de Justiça a intenção é trabalhar em dois pontos principais para regionalizar a atuação do GAECO em todo o Estado do Acre e principalmente no cumprimento destes mandatos para angariar novos elementos de provas e está mantendo as operações mais constantes, sempre visando diminuir os índices de criminalidade”, finaliza.

Comentários

Em alta