fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

FHC e Simone Tebet anunciaram que vão apoiar Lula ; governadores do DF e do PR apoiam Bolsonaro

Publicado

em

Segundo turno das eleições: saiba quem anunciou apoio a Lula e a Bolsonaro nesta quarta-feira

FHC e Simone Tebet anunciaram que vão apoiar o petista, que deve ter ainda Helder Barbalho a seu lado na disputa. Já Ibaneis Rocha, reeleito governador no DF, Ratinho Junior, reeleito no Paraná, e Ronaldo Caiado, reeleito em Goiás, manifestaram apoio ao candidato ao atual presidente.

Produtos com a imagem do presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Lula são vendidos por ambulantes no Largo do Machado, Zona Sul do RJ — Foto: Marcos Serra Lima/g1

Produtos com a imagem do presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Lula são vendidos por ambulantes no Largo do Machado, Zona Sul do RJ — Foto: Marcos Serra Lima/g1

A exemplo da véspera, esta quarta-feira (5) teve novas manifestações de partidos e políticos sobre alinhamento a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ou a Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno das eleições. Veja, mais abaixo, como essas alianças se formaram.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB); a terceira colocada na corrida presidencial de 2022, Simone Tebet (MDB); e o governador reeleito do Pará, Helder Barbalho (MDB), endossaram a candidatura do petista. Já Ibaneis Rocha (MDB), reeleito governador no DF; Ratinho Junior (PSD), reeleito governador do Paraná; e Ronaldo Caiado (União Brasil), governador reeleito de Goiás, manifestaram apoio a Bolsonaro.

Nesta terça-feira (4), Lula já havia recebido apoio formal de: PDT e de seu presidenciável derrotado no primeiro turno, Ciro Gomes; do Cidadania; do senador José Serra (PSDB); e do economista Armínio Fraga, presidente do Banco Central no governo FHC.

Já Bolsonaro tinha recebido apoio de: Sergio Moro (União Brasil), ex-ministro de Bolsonaro, ex-juiz e senador eleito pelo Paraná; Romeu Zema (Novo), governador reeleito de Minas Gerais; Claudio Castro, governador reeleito do Rio de Janeiro (PL); e Rodrigo Garcia (PSDB), governador de São Paulo derrotado no primeiro turno na disputa por reeleição.

O PSDB, que estava na campanha de Simone Tebet (MDB) no primeiro turno, havia liberado os diretórios estaduais para apoiarem quem quiserem no segundo turno. A mesma decisão foi tomada pelo MDB, segundo informou o colunista do g1 e comentarista da GloboNews Valdo Cruz. O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, por sua vez, afirmou que a sigla também deveria liberar seus filiados.

No primeiro turno da eleição 2022, no domingo (2), Lula recebeu 57,2 milhões de votos (48,4%), e Bolsonaro, 51,07 milhões (43,2%). O segundo turno está marcado para 30 de outubro.

Veja abaixo a manifestação de políticos desta quarta-feira:

Fernando Henrique Cardoso

FHC declara apoio a Lula no segundo turno em publicação no Twitter — Foto: Reprodução/Redes sociais

FHC declara apoio a Lula no segundo turno em publicação no Twitter — Foto: Reprodução/Redes sociais

FHC declara apoio a Lula no segundo turno em publicação no Twitter — Foto: Reprodução/Redes sociais

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso postou no Twitter uma mensagem na qual afirma que irá votar em Lula. No post, ele incluiu duas fotos antigas em que aparece conversando de frente com o petista em clima amistoso. “Neste segundo turno voto por uma história de luta pela democracia e inclusão social. Voto em Luiz Inácio Lula da Silva”, tuitou. Também pelo Twitter, Lula agradeceu o que chamou de “voto de confiança” de FHC. No primeiro turno, FHC havia defendido o voto em favor da democracia, mas não citou nenhum candidato. Lula e FHC foram adversários nas eleições de 1994 e 1998, ambas vencidas pelo tucano.

Simone Tebet anunciou nesta quarta-feira (5) apoio a Lula no 2º turno da eleição presidencial — Foto: Miguel Schincariol/AFP

Simone Tebet anunciou nesta quarta-feira (5) apoio a Lula no 2º turno da eleição presidencial — Foto: Miguel Schincariol/AFP

Candidata derrotada do MDB à Presidência, a senadora Simone Tebet anunciou nesta quarta apoio ao ex-presidente Lula no segundo turno. Terceira colocada na votação de domingo, ela recebeu 4,9 milhões de votos (4,16%). A emedebista e o petista selaram a aliança contra Bolsonaro em um almoço nesta quarta em São Paulo, na casa da ex-senadora Marta Suplicy, que já teve passagens por PT e MDB. Antes, Simone havia se encontrado com Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice na chapa encabeçada por Lula. Os dois tiraram uma foto segurando o plano de governo de Tebet.

Lula postou em sua conta no Twitter mensagem na qual diz ter recebido apoio do governador reeleito do Pará, Helder Barbalho (MDB). “Encontrei hoje @helderbarbalho, governador do Pará reeleito no primeiro turno com a maior votação do Brasil. Agradeço seu apoio neste segundo turno”, postou. Barbalho afirmou que o projeto apresentado por Lula é o que mais se assemelha com o do MDB .

“Certamente a identidade do presidente Lula com o estado do Pará pelas obras, pelo legado deixado aos momento que esteve presidente da República faz com que a população do nosso estado reconheça essas importantes ações. E acima de tudo projeta que nos podemos fazer uma ampla parceria”, afirma.

O governador reeleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), esteve nesta quarta com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, onde anunciou à imprensa que dará apoio ao candidato à reeleição. Ibaneis já havia declarado apoio a Bolsonaro no primeiro turno. “A gente tem conseguido trabalhar aqui em nossa cidade em plena harmonia. Então, nada mais natural do que esse apoio agora no segundo turno ao presidente Bolsonaro”, disse. Em resposta, Bolsonaro disse que não considera Ibaneis “aliado”, mas, sim, um “amigo”.

O governador reeleito do Paraná, Ratinho Junior (PSD), também se reuniu com Bolsonaro no Palácio da Alvorada para declarar apoio ao candidato à reeleição, conforme já havia feito no primeiro turno. Ratinho afirmou que vai buscar articular o apoio de prefeitos do estado. “Reafirmar o nosso compromisso com o presidente Bolsonaro”, disse Ratinho Junior.

Ronaldo Caiado (União Brasil)

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB), declarou, nesta quarta apoio a Bolsonaro para o segundo turno das eleições. A previsão, segundo a assessoria do Governo de Goiás, é que Caiado vá a Brasília nesta quinta-feira (6) para se encontrar com o presidente no Planalto. O apoio foi declarado durante uma reunião virtual realizada com cerca de 230 prefeitos goianos e alguns deputados da base do governo.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Morre, aos 49 anos, Eliseu Neto, ativista do movimento LGBTQIA+

Publicado

em

Por

Morre, aos 49 anos, Eliseu Neto, ativista do movimento LGBTQIA
Caio Barbieri

Morre, aos 49 anos, Eliseu Neto, ativista do movimento LGBTQIA

Ativista pelos direitos da comunidade LGBTQIA+, Eliseu Neto morreu, nesta terça-feira (21), aos 49 anos. Conhecido por liderar a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) no Supremo Tribunal Federal ( STF ), a qual resultou na equiparação da homofobia ao crime de racismo no Brasil, Eliseu também era reconhecido por sua atuação na luta pela derrubada da proibição de homossexuais na doação de sangue.

Diagnosticado com uma doença autoimune, o militante chegou a pedir ajuda financeira em suas redes sociais para custear o tratamento, porém, não resistiu. A informação foi confirmada pelo partido Cidadania, ao qual ele era filiado. A informação foi do portal Metrópoles . Não houve divulgação sobre a causa da morte.

Em nota nas redes sociais, o partido lamentou a perda precoce de Eliseu Neto e ressaltou a atuação dele como psicanalista, psicólogo, ativista e defensor dos direitos das pessoas LGBTQIA+.

“O Cidadania lamenta comunicar com profundo pesar a perda de forma precoce e irreparável do companheiro @eliseuneto, psicanalista, psicólogo, ativista e psicopedagogo, especialista em Orientação Profissional e defensor dos direitos das pessoas LGBTQIA+ e presidente do @diversidade23”, registrou a sigla.

A deputada federal Erika Hilton (Psol-SP) também prestou homenagens ao ativista, quando destacou a importância dele na luta pela igualdade de direitos e a não discriminação.

Nas redes sociais, diversas personalidades e internautas se manifestaram lamentando a morte de Eliseu Neto, onde destacaram a contribuição dele para a causa da diversidade e dos direitos humanos.

A vereadora e viúva de Marielle Franco, Monica Benicio (PSol-RJ), ressaltou a importância do ativista na formulação de leis de combate à homofobia no estado do Rio de Janeiro.

A coluna e o GPS se solidarizam com familiares, amigos e todos os ativistas que ecoaram as bandeiras erguidas por Eliseu Neto.

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo

Brasil

Morre Eliseu Neto, ativista liderou ação que criminalizou homofobia

Publicado

em

Por

O psicanalista, psicólogo e ativista pelos direitos da comunidade LGBTQIA+ Eliseu Neto, 45 anos, morreu nesta terça-feira (21).  A informação foi divulgada pelo Cidadania, partido ao qual Eliseu era filiado.

Em nota, a Comissão Executiva Nacional da sigla lamentou a “perda de forma precoce e irreparável” do ativista.

A nota lembra que ele liderou a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) no Supremo Tribunal Federal (STF), que resultou na criminalização da homofobia no Brasil, equiparando-a ao crime de racismo. Eliseu atuou ainda pelo fim da proibição de doação de sangue por homossexuais.

O documento afirma ainda que “sua dedicação e comprometimento com a justiça e a igualdade foram exemplares”. “Sentiremos profundamente sua faltas, mas seu legado continuará a inspirar nossa luta por uma sociedade mais justa e inclusiva”, diz o partido.

Não foram divulgados local e horário do velório e enterro.

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Após pedido de Leite, Moraes descarta adiamento das eleições no RS

Publicado

em

Por

Após pedido de Leite, Moraes descarta adiamento das eleições no RS
Redação GPS

Após pedido de Leite, Moraes descarta adiamento das eleições no RS

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), ministro Alexandre de Moraes, afirmou, nesta terça-feira (21), que não há previsão para o adiamento das eleições municipais de outubro no Rio Grande do Sul, mesmo após as enchentes que destruíram a região.

Em declaração durante a abertura da sessão do tribunal, Moraes destacou que todas as providências estão sendo tomadas tanto pelo governo estadual quanto pelo governo federal para garantir a realização das eleições na data prevista.

“Não há nenhuma previsão, nenhuma discussão de qualquer adiamento das eleições no Rio Grande do Sul. Nós estamos em maio e todas as providências estão sendo tomadas no âmbito do governo do estado e o governo federal”, ressaltou.

Além disso, Moraes informou que as urnas eletrônicas que sofreram danos devido às enchentes poderão ser substituídas.

“Não houve nenhum dano estrutural no TRE ou nos juízos eleitorais que impeça a realização normal das eleições em outubro”, acrescentou.

Apesar de o adiamento do pleito não estar em pauta no TSE, o debate sobre a possibilidade surgiu após o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite , levantar a questão em uma entrevista ao jornal O Globo. No entanto, Moraes reiterou que o calendário eleitoral está mantido e as eleições serão realizadas conforme o previsto.

As eleições municipais de outubro têm o primeiro turno marcado para o dia 6 e o segundo turno para o dia 27. Os brasileiros irão às urnas para eleger prefeitos e vereadores em todo o país.

Fonte: Nacional

Comentários

Continue lendo