Transferência do preso e a cirurgia ocorreram nesta quinta-feira (23), 24 horas após ele e outro detento serem flagrados com os aparelhos no estômago.

Preso que engoliu celular em presídio no interior do Acre passa por cirurgia para retirar aparelho — Foto: Divulgação/Iapen-AC
Por Alcinete Gadelha, G1 AC

Após ser flagrado com um celular no estômago, o preso da Unidade Penitenciária Evaristo de Moraes, em Sena Madureira, no interior do Acre, foi transferido para o pronto-socorro de Rio Branco e passou por uma cirurgia para retirar o aparelho do estômago, nesta quinta-feira (23).

“Ele foi transferido e, por volta das 17h30, foi submetido à cirurgia para a retirada do aparelho. Eles abriram o abdômen para tirar o celular do estômago”, informou o diretor do presídio de Sena Madureira, Denis Araújo.

A transferência do preso e a cirurgia ocorreram nesta quinta (23), 24 horas após ele e outro detento serem flagrados com os aparelhos no estômago, quando estavam sendo transferidos para um pavilhão do presídio.

Os dois presos provisórios foram submetidos ao aparelho de scanner corporal, que detectou os celulares no estômago dos dois. Um deles vomitou o aparelho quando foi encaminhado ao hospital, já o outro não conseguiu expelir e precisou ser submetido à cirurgia no estômago.

“A cirurgia foi bem sucedida e ele está se recuperando. Retiraram o aparelho e está no processo de recuperação”, complementou Araújo.

Cirurgia para retirada do celular ocorreu na tarde de quinta-feira (23) — Foto: Divulgação

O diretor do presídio disse ainda que o preso, assim que se recuperar, deve retornar ao interior do estado. “Vai receber os cuidados médicos até retornar, depois vai para a cela receber o corretivo, porque celular é falta grave”, acrescentou.

Punição

Araújo falou que o preso que já expeliu o celular vai sofrer punição de dez dias e um procedimento administrativo vai ser instaurado para apurar o caso.

“O outro vai ficar de sanção, porque celular é falta grave. Primeiro ele fica de falta dez dias e a gente abre uma sindicância e ele pode pegar até mais 20 dias de corretivo”, pontuou.

No corretivo, o preso fica isolado e perde o direito a visitas e banho de sol, por exemplo, conforme explicou Araújo.

Comentários