fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Corpos de presos mortos em rebelião no AC são identificados por parentes

Publicado

em

Familiares foram até o IML identificar corpos de detentos nesta sexta (21).
Rebelião ocorreu nesta quinta-feira (20) no presídio de Rio Branco.

G1

Os quatro detentos mortos na rebelião que ocorreu nos pavilhões J, L e K do Complexo Penitenciário Francisco D’Oliveira Conde, já foram identificados por familiares no Instituto Médico Legal (IML), na manhã desta sexta-feira (21). Na quinta (20), durante a entrega de marmitas no presídio, os presos se rebelaram e tomaram conta de três pavilhões da FOC. Agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) entraram na unidade e, inicialmente, conseguiram retomar os pavilhões L e K. O Pavilhão J foi o último a ser controlado.

Corpo de Benevenuto Lima, de 27 anos, foi reconhecido pela irmã (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Corpo de Benevenuto Lima, de 27 anos, foi reconhecido
pela irmã (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Benevenuto Lima, de 27 anos, foi o primeiro a ser reconhecido. A irmã dele, Zilda Lima, de 30 anos, disse que ficou sabendo da morte do irmão após fotos espalhadas pelas redes sociais. Ela saiu de Senador Guiomard para reconhecer o corpo do irmão. Ele morreu ainda dentro da FOC.

“Ninguém espera que aconteça isso. Tantos policiais e deixam acontecer isso. Queremos justiça, porque sei que ele estava pagando por um crime que cometeu, a gente entende, mas ele não merecia ser assassinado dessa forma. Ele pedia a Deus todos os dias para sair, dizia que ia mudar”, desabafa a mulher.

Antônio Carlos Alves da Rocha Filho, 22 anos, também foi reconhecido nesta sexta (21) (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Antônio Carlos Alves da Rocha Filho, 22 anos, também
foi reconhecido nesta sexta (21) (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Antônio Carlos Alves da Rocha Filho, 22 anos, também morreu dentro da unidade penitenciária. Muito abalada a mãe dele não quis se identificar, mas informou que reconheceu o filho por um vídeo que circulou nas redes sociais.

A mãe conta ainda que Rocha estava preso no pavilhão J e respondia pelo crime de homicídio há dois anos.

Cleidson Silva de Souza, de 30 anos, morreu no Huerb ainda na noite desta quinta (20) (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Cleidson Silva de Souza, de 30 anos, morreu no
Huerb ainda na noite desta quinta (20)
(Foto: Iryá Rodrigues/G1)

O preso Cleidson Silva de Souza, de 30 anos, levou um tiro dentro do presídio e foi levado para o Huerb e morreu ainda na noite da quinta (20).

Segundo a esposa, que não quis se identificar, ele estava preso por porte ilegal de armas e cumpria pena no Pavilhão J há nove meses. Ele deixou três filhos, de quatro,sete e 12 anos. A família disse que ficou sabendo do ocorrido pelas redes sociais.

Edson Silva de Almeida, de 25 anos, é de Brasileia, interior do Acre (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Edson Silva de Almeida, de 25 anos, é de Brasileia,
interior do Acre (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Edson Silva de Almeida, de 25 anos, está entre os três presos que foram mortos dentro da FOC. Segundo informações do tio, o missionário Sebastião Gomes, de 39 anos, Almeida foi preso há quatro meses porque descumpriu uma medida do regime semiaberto. O tio não soube informar por qual crime o detento estava preso, mas afirma que ele “tinha uma vida complicada”.

Almeida é da cidade de Brasiléia. O tio diz que, como é o único familiar que está em Rio Branco, precisou ir ao IML para fazer o reconhecimento. Inicialmente, ele não conseguiu reconhecer Almeida por uma foto mostrada por um servidor do IML e precisou olhar o corpo para poder identificar corretamente e repassar a informação para a família que, segundo ele, está aflita por informações em Brasiléia, no interior do Acre. O corpo vai ser trasladado para a cidade da vítima.

Briga de facções no Acre
Desde domingo (16), o Acre registra uma onda de execuções que, segundo o secretário da Segurança, Emylson Farias, tem ligação com a briga entre duas facções rivais. O estopim dessa guerra aconteceu na noite de terça-feira (18), quando ao menos 25 criminosos de um grupo organizado armaram uma emboscada para matar presos do semiaberto ligados a uma facção rival. Quatro pessoas foram feridas e apenas um criminoso preso.

O ataque aconteceu na Unidade Prisional 4 (UP-4), quando os presos voltavam para dormir na unidade. No dia seguinte, o governo acionou 500 homens do Exército, destes 200 ficaram em Rio Branco e o restante em cidades da fronteira. Além disso, os 380 da chamada “Papudinha” foram  liberados do pernoite até esta sexta-feira (21).

O presídio Francisco d’Oliveira Conde (FOC) também registrou um início de motim na quarta-feira (19). O motim iniciou no pavilhão I, conhecido como “Chapão”, onde ficam os sentenciados. A assessoria do Iapen confirmou que um grupo de presos começou a bater nas grades e a gritar, mas a situação foi contida a tempo. A visita íntima foi suspensa devido ao ataque registrado na noite anterior.

Na quinta-feira (20), uma briga durante o banho de sol no FOC deixou um ferido em Rio Branco. A Secretaria de Segurança Pública do Acre (Sesp-AC) informou que os presos usaram estoques durante a confusão no pátio da unidade.

No mesmo dia, durante a entrega de marmitas no presídio, os presos se rebelaram e tomaram conta de três pavilhões da FOC. Agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) entraram na unidade e, inicialmente, conseguiram retomar os pavilhões L e K. O Pavilhão J foi o último a ser controlado. Após a rebelião, em coletiva, o governo afirmou que dois carcereiros foram presos sob suspeita de fornecer armas para presos atuarem no complexo.

No total, quatro presos morreram. Um chegou a ser socorrido no Hospital de Urgência e Emergência, mas não resistiu. Além disso, 19 ficaram feridos.


MATÉRIAS RELACIONADAS:

Giro localiza foragido da Justiça e apreende menor com drogas e faca em Brasiléia

PM e Polícia Civil apreende três menores e um maior que furtaram casa de vereadora

Homem quase perde orelha durante tentativa de homicídio em Brasiléia

Comentários

Continue lendo

Acre

Na Economia Solidária, empreendedores apostam em promoções e brindes para vendas durante Arraial Cultural

Publicado

em

Por

O Arraial Cultural que ocorre na Gameleira a partir desta terça-feira, 16, em Rio Branco, reúne todos os aspectos culturais do estado do Acre. A arte e a culinária são carros-chefes desse evento que reúne centenas de famílias e amigos para curtir durante seis dias até o encerramento do evento, que ocorre no domingo, 21.

Entre bandeirinhas, representações artísticas e cultura, a comida enche os olhos e boca de água. Além de ser um evento importantes para reforçar a cultura, história e disseminar as tradições do nosso estado, o Arraial Cultural é um ambiente propício para negócios.

Francisca Silva aproveitou essa oportunidade para vender comida pela primeira vez. Segundo ela, a expectativa de venda está alta e pretende lucrar nesses seis dias de festa.

“Estou fazendo tacacá, rabada e charuto. E minha tática pra vender mais é negociar. Se o cliente não tiver o valor, a gente negocia e vai ganhando mais cliente e mais vendas”, disse.

Economia Solidária teve 80 espaços destinados neste arraial. Foto: Neto Lucena/Secom

Já Kelly Santos apostou alto na apresentação das bananinhas, tanto doces como salgadas. Para ela, este é um momento de fazer com que seu produto seja conhecido e, claro, lucrar com as vendas. Ela e o marido dão continuidade a um negócio de família.

“Esses eventos são muito bons, tanto para o empreendedor, como para o público, porque a gente sai da rotina. Ano passado participamos também do arraial no mesmo lugar, então não estipulamos metas, mas esperamos superar as vendas todas as vezes.”

Há muitas opções de comida no evento. Foto: Neto Lucena/Secom

Os pratos com as comidas variam de R$ 25 a R$ 30, mas tem opções de lanches, como charuto, crepes, sanduíches, enfim, para todos os gostos e bolsos. Domingos Mendes de Lima faz parte da economia solidária há dois anos e meio. “A expectativa sempre é grande para um evento como esse, porque todos os anos a gente vê e vende bem e este ano não vai ser diferente. Estamos com a expectativa de vender bastante, porque temos muito investimento e escolhemos coisas de qualidade”, estima.

Já Silvia Oliveira trabalha com artesanato e compõe o grupo de empreendedores há 16 anos. Para ela, o que chama o cliente é um brinde. Trabalhando com a venda de acessórios infantis, ela diz que, dependendo do valor vendido, o cliente leva um agrado.

“Nesses eventos, os pais trazem as crianças e a gente acaba vendendo os acessórios, então a expectativa de vendas sempre é muito alta. Meus produtos variam de R$ 2,50 até R$ 35, então tem para todos os bolsos. E essas festas ajudam muito a gente a vender”, avalia.

Muitos segmentos apostam no evento para aumentar vendas. Foto: Neto Lucena/Secom

Mais de 80 empreendedores

O secretário de Turismo e Empreendedorismo, Marcelo Messias, reforçou que o Arraial Cultural é um dos eventos mais importantes do calendário do estado e que movimenta diversos setores importantes para a economia. Este é o segundo ano que a Secretaria de Turismo está organizando a festa com parceria à Fundação Elias Mansour (FEM).

“A gente monta toda a parte da Economia Solidária do arraial. Neste ano, ofertamos 80 vagas para os expositores. Dessas 80 vagas, 60 foram direcionadas para as comidas, bebidas e brinquedos e as outras 20 para os ambulantes. Então, tenho certeza que este ano a gente vai ultrapassar a meta de vendas do ano passado, que foi de R$ 314 mil. O Arraial Cultural mexe com todo o trade do nosso estado e com a economia da capital”, pontuou.

Sobre os sabores do Acre, o secretário relembrou ainda que a culinária acreana é um diferencial e um atrativo e tanto.

“A gente sabe que o Norte tem uma culinária muito boa, mas o Acre tem comida diferenciada. Então as pessoas que chegam aqui e provam da nossa culinária realmente querem voltar”, convidou.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo

Acre

Com apresentações de quadrilhas, realeza e comidas típicas, Arraial Cultural começa em Rio Branco

Publicado

em

Por

A Gameleira, ponto turístico que já tem a cara da capital acreana, ganhou mais cor e brilho a partir desta terça-feira, 16, com a abertura do Arraial Cultural. Serão seis dias de festas com imersão na cultura acreana, com as lendas, culinária, apresentações e tudo aquilo que representa o estado acreano.

Um evento que não é apenas entretenimento, mas reúne famílias, amigos, além de enaltecer, preservar e disseminar a cultura acreana valorizando os principais personagens dessa história: aqueles que fazem o Acre ser o estado que é.

Abertura oficial do Arraial Cultural ocorreu nesta terça-feira, 16, em Rio Branco. Foto: José Caminha/Secom

Durante a abertura, o presidente da Fundação Elias Mansour (FEM), Minoru Kinpara, destacou a importância desse evento para fortalecer as instituições e, acima de tudo, reunir as pessoas, proporcionando um ambiente seguro e familiar.

“Os arraiais da nossa capital são muito bonitos, mas o Arraial Cultural é o mais esperado pela população. O arraial cultural de 2023 foi muito bom, esse ainda será o melhor. E assim, 15 quadrilhas que apresentamos, 18 bandas, uma premiação maravilhosa, comida maravilhosa, ou seja, um arraial para a família. E, a pedido do nosso governador, nós estamos priorizando aqui também a segurança”, disse.

Tudo foi pensado para que a população pudesse aproveitar da melhor forma. “Aqui é um esforço coletivo, todo mundo se ajudando pra oferecer para a nossa querida população o melhor. É a nossa população que vai trazer luz, brilho, magia, poesia, música, dança, tudo de bom que a cultura pode nos oferecer.”

Serão 15 quadrilhas a se apresentar e o presidente da FEM diz que, seja qual for o resultado, as quadrilhas devem representar bem o estado.

Público compareceu ao Arraial Cultural nesta terça-feira, 16. Foto: Neto Lucena/Secom

“O governo do Estado do Acre já garantiu, inclusive, as condições para que a quadrilha que seja vencedora possa participar da competição nacional em Brasília. Dois ônibus, de ida e volta, confortável para garantir a participação do Acre. E quem for vencedor aqui, com certeza vai representar muito bem o Acre, porque esse povo, eles se preparam o ano todo. Eu fico feliz, porque enquanto estão se preparando, não estão pensando em coisa errada, estão pensando em praticar a coisa boa, e por isso que eu digo sempre: a cultura salva a vida, a cultura salva os nossos jovens”, enfatizou.

Apresentações culturais ocorrem durante seis dias. Foto: Neto Lucena/Secom

Uma vitrine do Acre

A reunião de tantas especificidades faz qualquer um conhecer o Acre nos mínimos detalhes. Todo o evento foi pensado para garantir um mergulho na cultura. Quem esteve no primeiro dia aprovou a estrutura e tem o evento como uma exposição do estado.

A cabeleireira Gerllis Torres é de Porto Velho, Rondônia, e estava no Arraial Cultural no ano passado. Desta vez, ela fez questão de trazer a família inteira, marido e filhas para conhecer esse evento cultural importante que mostra a cultura do estado de diversas formas.

Famílias aproveitam o arraial para se reunirem e provar sabores do Acre. Foto: Neto Lucena/Secom

“Ano passado eu vim sozinha com uma colega e desta vez, como eles estão aqui comigo de férias, quis mostrar para eles. A gente já morou aqui tempos atrás e agora a gente tenta vir mensalmente. O que não pode faltar quando a gente vem aqui é o tacacá e a bananinha que não pode faltar”, diz.

Visitando o Acre a trabalho, a professora Stefany Roza, de Curitiba, Paraná, foi atraída para o Arraial Cultural pelas luzes e colorido das bandeirinhas. Ela presta consultoria pedagógica para uma escola do Estado e foi surpreendida com o evento.

“No Paraná não existe isso. O que eu mais amo nos locais que visito é conhecer as comidas típicas e aqui eu acho que deu para saber o que é o tacacá que a Joelma cantava”, diz bem humorada.

Stefany Roza, de Curitiba, Paraná, ficou encantada com a festa. Foto: Neto Lucena/Secom

Ela disse que um espaço que chamou bastante atenção foi da biblioteca. “Sou professora de literatura e claro que minha atenção vai para esse aspecto. Mas, é uma diversidade muito bonita. E soube que hoje tem apresentação das quadrilhas e quero ver também.”

“O evento mais esperado do ano”. Assim é definido o Arraial Cultural por Íris Célia Cabanellas. Munida de sua caneta para jogar o bingo e curtindo muito a música de um dos palcos, ela diz que ama essa festa.

“Gosto muito do arraial, é tudo muito organizado, a música é de primeira, de qualidade. É cultura! Eu gosto do repertório, do bingo, das quadrilhas e de tudo. A culinária é maravilhosa, mas a música e o bingo é que eu gosto mais”, revelou.

O evento conta com barracas da economia solidária, brinquedos, ambulantes e apresentações artísticas. Tudo está sendo transmitido pela Secretaria de Comunicação (Secom) em tempo real em um link ao vivo.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo

Acre

Bolívia bate recorde na produção de carne bovina com mais de 240 toneladas

Publicado

em

A região de Santa Cruz se posiciona como o principal centro produtor de carne bovina da Bolívia, concentrando 66,8% da produção nacional. As próximas em importância são as regiões de La Paz e Cochabamba

Durante o ano de 2023, foram abatidas 1.159.211 cabeças de gado na Bolivia. Foto: Los Tiempos

 

Em 2023, a Bolívia alcançou um feito notável na indústria de carne bovina, conforme revelado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O país registrou uma produção total de 244.019 toneladas de carne bovina, marcando um aumento substancial em comparação aos anos anteriores. Além disso, foram exportadas 28.178 toneladas desse produto, destacando o potencial crescente da Bolívia como exportador no mercado global de carne.

Santa Cruz se destacou como líder na produção nacional, contribuindo com impressionantes 66,8% do total. Este aumento na produção e nas exportações reflete não apenas um crescimento na atividade pecuária, mas também uma eficácia na gestão e na infraestrutura relacionada ao abate de bovinos. Ao todo, foram abatidas 1.159.211 cabeças de gado, consolidando a posição da Bolívia como um player significativo na indústria de carne bovina na região.

A região de Santa Cruz consolidou sua posição como o principal centro produtor de carne bovina na Bolívia, contribuindo com impressionantes 66,8% da produção nacional. Seguindo em importância estão as regiões de La Paz e Cochabamba. Essas informações são baseadas nos dados fornecidos por frigoríficos que operam de acordo com as rigorosas normas sanitárias estabelecidas pela Senasag, abrangendo 82% do total abatido em todo o país.

Este panorama destaca não apenas a liderança de Santa Cruz na produção de carne bovina, mas também a adesão generalizada aos padrões de qualidade e segurança alimentar exigidos pela Senasag. Essa conformidade é crucial para assegurar não só a qualidade do produto final, mas também para manter a confiança dos mercados internos e externos na carne bovina boliviana.

Bolívia exporta carne bovina e derivados para os mercados da China, Rússia, Peru, Equador. Foto: ABI

Distribuição regional do abate de bovinos

Quanto à distribuição regional do abate de bovinos, Santa Cruz lidera com 66,8% do total nacional de cabeças abatidas, seguida por La Paz com 137.221 e Cochabamba com 134.099. Esses números refletem uma concentração significativa na produção de carne bovina na Bolívia, sendo Santa Cruz a região com maior destaque nesse aspecto.

Aumento no abate de bovinos

O relatório do INE revela ainda que durante 2023 foram abatidas um total de 1.159.211 cabeças de gado bovino, superando os registos anteriores de anos anteriores. Esse aumento no abate contribuiu para o aumento da produção total de carne bovina no país.

Relevância dos dados recolhidos pelo INE

Além disso, destaca-se que a cobertura desta operação estatística representa 82% do total abatido a nível nacional, o que mostra a relevância e representatividade dos dados recolhidos pelo INE em relação à produção pecuária boliviana.

Comentários

Continue lendo