Várias guarnições da Polícia Militar começaram a procurar pelo trabalhador na região e os Policiais do Tático do 1° Batalhão conseguiram avistar o veículo saindo de um posto de combustível.

Com jornais de Rio Branco

Uma ação rápida dos Policiais Militares do 1° Batalhão resultou na prisão de três assaltantes: dois jovens maiores de idade e um adolescente de 16 anos.

Os militares ainda resgataram um motorista de aplicativo Uber que havia sido sequestrado na tarde desta terça-feira, 29.

A prisão dos jovens criminosos acusados de cometer o sequestro aconteceu na Travessa da Hosana Carneiro, situada no bairro João Eduardo II, na Baixada da Sobral, em Rio Branco.

O motorista Uber relatou a reportagem que recebeu a chamada pelo aplicativo para a rua Ary Rodrigues, no bairro Aeroporto Velho.

Segundo ele, ao chegar no local, dois homens entraram no carro e pediram que ele fosse até ao bairro Bahia Nova.

Lá, mais um homem entrou no veículo e anunciou o assalto. E m seguida, colocaram o trabalhador no porta-mala do carro e saíram rodando pelas ruas da Baixada da Sobral.

A Polícia Militar foi acionada via Ciosp e foi informada que um motorista de aplicativo havia sido sequestrado em seu veículo de cor branca. Várias guarnições da Polícia Militar começaram a procurar pelo trabalhador na região e os Policiais do Tático do 1° Batalhão conseguiram avistar o veículo saindo de um posto de combustível.

______________

Vítima foi sequestrada durante uma corrida no bairro do Aeroporto Velho, em Rio Branco. Durante perseguição, criminosos perderam controle do carro e bateram em muro de casa. Dois foram presos e um adolescente apreendido.

______________

Foi feito um acompanhamento e quando os criminosos chegaram na região do bairro João Eduardo II, saíram em fuga entrando na rua Hosana Carneiro. Em seguida, os criminosos colidiram contra um muro de uma residência.

O trio foi abordado e o motorista Uber que estava no porta-malas foi resgatado. Em posse dos assaltantes, os policiais encontraram uma escopeta calibre 16 com um cartucho intacto e um simulacro.

Segundo a polícia, os criminosos são membros da facção Bonde dos 13 (B13) e teriam roubado o veículo para cometer roubos e executar os seus rivais.

“Eles disseram que iam só fazer uns assaltos e atrás de uns caras. Depois que esse amigo deles entrou no carro, eles mandaram que eu fosse até uma rua que era deserta e lá me colocaram no bagageiro e daí eu não pude saber para onde eles foram. Fiquei no bagageiro por cerca de uma hora, não sei por quais ruas andaram e nem se fizeram algum assalto”, lembrou.

Disse mais. “Muito complicado, porque a gente não tem como escolher cliente, não tem como sair selecionando quem a gente quer levar ou não, então a gente fica muito refém disso, pelo fato da insegurança. Eu ainda não sei o que vou fazer, tem aí o prejuízo com o carro que vou ter que arcar, ainda vou levar na oficina para saber quanto vai ficar para arrumar”, disse o motorista.

Motoristas de aplicativos fizeram protesto por mais segurança em ruas de Rio Branco — Foto: Tálita Sabrina/Rede Amazônica Acre

Protesto

Em julho deste ano, um grupo de motoristas de aplicativos se reuniu em frente ao Comando da Polícia Militar, em Rio Branco, exigindo mais segurança para a categoria. Na época, eles falaram que pelo menos dois profissionais tinham sido feitos reféns em poucos dias por membros de facção que usam o carro para cometer crimes.

A categoria chegou a pedir que a Segurança Pública olhasse as ocorrências que envolvem esses profissionais com mais cuidado e que reforçassem o policiamento em locais considerados mais perigosos.

O protesto ocorreu um dia após um motorista ser pego por quatro criminosos após receber um chamado pelo aplicativo. Assim como o ocorrido nesta terça, o profissional foi colocado no bagageiro do carro por cerca de três horas enquanto o grupo percorria a cidade em busca de praticar outros crimes.

Nesse caso também houve perseguição da polícia e o motorista acabou ferido. A perseguição só parou no bairro Apolônio Sales após o carro que os bandidos estavam bater no meio-fio.

Comentários