Caso agora passa a ser tratado como homicídio e ocultação de cadáver em Epitaciolândia - Foto: Alexandre Lima
Caso agora passa a ser tratado como homicídio e ocultação de cadáver em Epitaciolândia – Foto: Alexandre Lima

Alexandre Lima

O caso sobre a morte da criança de sete anos, Thayne Souza Oliveira, tomou outro rumo após os exames finais realizados no Instituto Médico Legal – IML. Segundo foi relatado, a vítima não morreu por afogamento natural ao cair na fossa.

Delegado Sérgio Lopes está ouvindo todos àqueles que estiveram no local onde o corpo foi encontrado - Foto: Alexandre Lima
Delegado Sérgio Lopes está ouvindo todos àqueles que estiveram no local onde o corpo foi encontrado – Foto: Alexandre Lima

A causa da morte teria sido por asfixia mecânica (estrangulamento), e somente depois, o corpo foi jogado dentro da fossa, juntamente com o cachorro que foi resgatado por dois homens, mas, não perceberam que havia um corpo sob a água negra da fossa.

O caso que agora passa a ser caracterizado como homicídio, tem a responsabilidade do delegado titular do Município, Sérgio Lopes. Que por sua vez, iniciou as investigações ouvindo os envolvidos desde o salvamento do cão, até a retirada do corpo da fossa.

Por medida de segurança, o proprietário da casa, o ancião Ernesto José da Silva (78), foi levado para a delegacia onde seria ouvido. Segundo ele, que se encontra abalado e chorando devido as acusações e suspeitas, se diz inocente diante de tudo.

Todas as hipóteses sobre o suposto homicídio da criança não serão descartadas até chegar o/ou aos envolvidos nesta tragédia que abalou os moradores do Bairro José Hassem. O prefeito André Hassem se sensibilizou com o caso e suspendeu as atividades alusivas ao dia 7 de Setembro.

Veja vídeo reportagem abaixo.

Matérias relacionadas:

Criança morre afogada em fossa após ir atrás de cachorro em Epitaciolândia

Familiares de criança que morreu ao cair em fossa, esperam por 11 horas por liberação de corpo no IML

 


Comentários