Agora, caberá ao juiz Alesson Bráz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, determinar a ação

O promotor responsável pela denúncia, requer que seja designada uma audiência de proposta de transação penal, para que cada um dos envolvidos paguem R$ 10 mil reais, considerando as condições financeira dos envolvidos.

Uma proposta de transação penal, apresentada na denuncia contra Ícaro José Pinto e Alãn Araújo de Lima, acusados de participar da morte de Jhonliane Paiva, em Rio Branco, pede que quatro suspeitos pela prática do crime de favorecimento pessoal paguem R$ 10 mil à Justiça, individualmente.

Na denúncia, o promotor de Justiça Efraín Enrique Mendonza disse que no inquérito policial existem provas suficientes de que Hatsue Said Caruta Tanaka (namorada de Ícaro), Andressa Galvão Aragão, Janivaldo Cavalcante Oliveira e Diego Henrique Gurgel Hosken (responsável por promover a festa e dar fuga a Ícaro Pinto) praticaram o crime de favorecimento pessoal.

Como é considerado um crime de menor potencial ofensivo, cuja a pena não é superior a dois anos, o promotor responsável pela denúncia, requer que seja designada uma audiência de proposta de transação penal, para que cada um dos envolvidos paguem R$ 10 mil reais, considerando as condições financeira dos envolvidos.

Os valores arrecadados seriam destinados à entidades de assistência.

Agora, caberá ao juiz Alesson Bráz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, determinar a ação de proposta de transação penal.

Comentários