Em troca da liberdade condicional, Cícera prometeu contar tudo o que sabe sobre o esquema de corrupção

Cícera Dantas, uma das presas na Operação Lare
Cícera Dantas, uma das presas na Operação Lare

A ex-servidora da Secretaria de Habitação e Interesse Social (Sehab), Cícera Dantas, presa durante a primeira fase da Operação Lares, deflagrada pela Polícia Civil e que prendeu servidores do Estado envolvidos em venda ilegal de casas populares, teve o pedido de liberdade condicional acatado pelo Tribunal de Justiça do Acre (TJ/AC), na quinta-feira (23).

A decisão de libertar Cícera partiu do juiz da 2ª Vara Criminal do TJ, Gilberto Matos de Araújo, após ela decidir cooperar com as investigações e fazer delação premiada. Cícera decidiu contar todos os detalhes do esquema de corrupção instalado dentro da Sehab.

A informação foi confirmada pelo advogado Ricardo Alexandre de Cícera, que se limitou apenas em dizer que o pedido de liberdade provisória foi aceito após ter recorrido da primeira decisão que foi negado pela 2ª Vara Criminal de Rio Branco.

LEIA TAMBÉM:

Sehab: presos suspeitos de fraudar sorteios de casas populares são exonerados

Depoimentos têm desmontado esquemas de corrupção e abalado estruturas de governos

Cícera prestará novos depoimentos aos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC). A ex-servidora foi denunciada com mais 9 pessoas no esquema. Ela é considerada pela Justiça peça chave para se chegar a novos envolvidos na fraude.

O Ministério Público do Acre (MPE) divulgou que Cícera, “resolveu colaborar com a apuração dos fatos e decidiu de forma voluntária e devidamente acompanhada e assistida por advogados, a assinar o termo de acordo de delação premiada”.

A decisão de Gilberto em conceder que a presa respondesse em liberdade tem o aval do MPE, que considerou que não mais subsistem os motivos ensejadores da prisão preventiva, podendo esta ser convertida em medidas cautelares e assim foi aceito pelo juiz Gilberto Matos.

O ex-diretor da Sehab, Daniel Gomes, e a empresária Rossandra Melo, que também foram presos durante a operação, tiveram os pedidos de liberdade negados. Além de Cícera, o ex-servidor da Sehab, Marcos Hulk, também responde em liberdade.

Com informações do Ac24horas

Comentários