fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Pedidos de recuperação judicial crescem 68% em um ano no Brasil, o maior índice desde 2020

Publicado

em

País registrou alta de 13,5% nos pedidos de falência em relação a 2022, com 983 solicitações; 2.153.840 negócios fecharam em 2023

Em 2023, 1.405 empresas entraram com um pedido de recuperação judicial no Brasil, segundo a Serasa. O índice, o maior já registrado desde 2020 e o 4º da série histórica, representa um aumento de 68,7% em relação a 2022, quando 833 empresas entraram com a solicitação. Além das recuperações judiciais, o país também registrou alta de 13,5% nos pedidos de falência, com 983 solicitações.

Micro e pequenas empresas lideraram o ranking dos portes que mais demandaram por recuperação judicial. No ano passado, os números saltaram em 77% após 939 empresas entrarem com o pedido. Em relação aos setores, serviço e comércio foram os que mais solicitaram recuperação, com 651 e 379 pedidos, respectivamente.

Para evitar a falência

O pedido de recuperação judicial é usado por empresas em crise para evitar a falência. Esse processo permite que a companhia suspenda e renegocie parte das dívidas acumuladas e tem por objetivo evitar o encerramento das atividades, demissões e falta de pagamentos.

Segundo um estudo realizado pelo Sebrae sobre a taxa de sobrevivência das empresas no Brasil, o microempreendedor individual (MEI) é o que apresenta a maior taxa de “mortalidade” de negócios, com 29% dos empreendimentos fechados em até cinco anos.

A pesquisa realizada em 2020, a mais recente sobre o tema, revelou que a maior parte dos empreendedores teve menos acesso a crédito, fez menos esforços de capacitação e não tinha tanto conhecimento nem experiência no ramo.

No que diz respeito ao fechamento das empresas, 2023 também foi turbulento para os negócios. Com 2.153.840 negócios extintos, o índice representa um aumento de 25,7% em relação a 2022, quando 1.712.993 companhias fecharam. Entretanto, durante o período, 3.868.687 foram abertas, gerando um saldo positivo de 1,7 milhões de empreendimentos iniciados e 20,7 milhões ativos em 2023.

Impactos da pandemia

Para a professora de direito empresarial Catarina Ribeiro, um dos fatores que pode explicar a alta nos pedidos de recuperação judicial são os desdobramentos das medidas restritivas estabelecidas durante a Covid-19. A especialista esclarece que aspectos atrelados à pandemia também contribuíram para uma potencial crise, como a interrupção no fluxo de pessoas e esgotamento de fontes produtoras.

Certamente, muitos foram os negócios que do dia para noite tiveram que enfrentar o fechamento de suas portas, tendo que arcar, sem qualquer preparo ou amparo do Estado, situações de evasão da clientela, escassez de mão de obra, dificuldades de manutenção do capital de giro, problemas com pagamento de custos fixos, impostos e rescisões contratuais pela demissão de seus funcionários.

Catarina Ribeiro, professora de direito empresarial

Em meio aos fechamentos, algumas empresas se destacaram e conseguiram crescer exponencialmente o negócio. A demora pela adaptação à nova realidade atrelado a instabilidade econômica, carga tributária elevada e alta dos juros também podem ter contribuído para o aumento dos pedidos de recuperação judicial, explicou Catarina.

Casos de recuperação judicial

Desde agosto, a 123Milhas tenta um acordo de recuperação judicial, suspenso pela segunda vez pela Justiça de Minas Gerais. A solicitação vem após a empresa cancelar a emissão de pacotes e passagens flexíveis e gerar uma dívida acumulada de mais de R$ 2 bilhões.

No mês seguinte, os credores do Grupo Petrópolis, dono das cervejas Itaipava, Petra e Crystal, aprovaram o plano de recuperação judicial da empresa, com uma aprovação de 96,4%. Na época, a companhia tinha uma dívida superior a R$ 4 bilhões.

  • É a recuperação judicial de uma, o pedido de falência de outra, tem aquela que recebeu ordem de despejo, e mais uma, que está reestruturando seu modelo de negócios. Dificilmente o consumidor brasileiro tenha testemunhado em algum outro momento uma crise tão grave afetando tantas empresas ao mesmo tempo. Antes de 2020, uma parte do setor de varejo já estava com problemas financeiros, mas a pandemia da Covid-19 acabou com os planos de crescimento de várias companhias, enquanto criou falsas expectativas em outras, que investiram muito mais do que podiam

    Fotomontagem

A companhia aérea Gol teve o pedido de recuperação judicial aceito pela Justiça de Nova York no início do mês. A empresa, que pediu um financiamento de quase R$ 5 bilhões, afirmou que fez a solicitação para reequilibrar as finanças sem interromper as operações.

Comentários

Brasil

Manifestação com apoiadores de Bolsonaro lota avenida Paulista em SP

Publicado

em

Ex-presidente comparece ao ato, que ocupa nove quarteirões da avenida

A manifestação de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro acontece neste domingo (25).

De acordo com imagens aéreas, são nove quarteirões completamente ocupados, e os organizadores do evento estimam um público de 700 mil pessoas.

Bolsonaro chegou acompanhado da mulher, Michelle Bolsonaro, e do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas.

Os governadores de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), e de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), também compareceram.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Brasil é hexacampeão mundial de Beach Soccer

Publicado

em

Rodrigo marca de bicicleta. Brasil vence a Itália e leva o caneco mundial pela sexta vez – Foto: Reprodução Youtube CazéTV

Sexta conquista veio neste domingo (25/2) após vitória por 6 a 4 sobre a Itália na final da Copa do Mundo realizada nos Emirados Árabes

O Brasil é hexacampeão mundial de Beach Soccer. Afinal, neste domingo (25/2), na final da Copa do Mundo-2024, em Dubai, nos Emirados Árabes, os Canarinhos venceram a Itália por 6 a 3. Com isso,  a Seleção levantou a taça e recuperou a hegemonia que tinha perdido desde 2017 (a Rússia era a atual campeã). Rodrigo, o melhor do mundo, fez três gols, um deles de bicicleta, o que é bem comum no futebol de praia. Bruno Xavier, Breno e Genovale (contra) fizeram os gols canarinhos. Para os italianos marcaram Fazzini (dois) e Genovali (dois).

O Brasil também foi campeão em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2017. Mas, se considerarmos os mundiais que a Fifa não organizou, este é o 15º  caneco, já que a Seleção Brasileira venceu todos os mundiais anteriores (foram nove anuais – exceto em 2001 – entre 1995 e 2005).

O jogo foi duríssimo para o Brasil, que acabou sendo favorecido quando o goleiro Casoperi foi expulso. Ele era o melhor em campo, com defesas excepcionais no segundo dos três tempos. Para se ter ideia, até a expulsão do italiano, o jogo estava 1 a 1. O Brasil logo fez 2 a 1 (pelo regulamento, ao sair um gol, o time rival pode voltar a ter cinco jogadores em campo, mas o expulso segue fora). E apenas no terceiro tempo foi que a Seleção deslanchou. Ao abrir 6 a 3, passou a administrar o tempo. Chegou a levar um gol. Mas não dava mais tempo para nada. Brasil hexa.

 

Comentários

Continue lendo

Brasil

Popó vence luta contra Bambam em menos de 40 segundos: “Você me desrespeitou muito”

Publicado

em

Tetracampeão mundial disparou uma sequência de golpes no primeiro vencedor do Big Brother Brasil (BBB), que precisou se segurar nas cordas do ringue para não cair

Bambam havia prometido chocar o mundo com seu desempenho na luta, mas não teve chance sequer de disparar um golpe | Foto: Jhony Inácio / Estadão Conteúdo / CP

Por: Correio do Povo

Acelino Popó Freitas nocauteou Bambam em apenas 36 segundos e venceu a principal luta do Fight Music Show 4 (FMS) na madrugada deste domingo. O tetracampeão mundial disparou uma sequência de golpes no primeiro vencedor do Big Brother Brasil (BBB), que precisou se segurar nas cordas do ringue para não cair. Sem limites de knockdowns, Popó foi dado como vencedor no embate após derrubar seu adversário pela segunda vez em apenas 36 segundos de luta.

O nocaute aconteceu logo no primeiro round. Bambam havia prometido chocar o mundo com seu desempenho na luta, mas não teve chance sequer de disparar um golpe. Atordoado, Bambam não conseguiu manter a guarda e se defender dos ataques do Popó.

“Há quatro dias fez 24 anos que lutei aqui. Digo com toda a humildade, com todo respeito ao Bambam, ele foi responsável em toda essa casa estar cheia hoje. O que ele me provocou, ele provocou tipo assim, ‘quero ver esse Popó derrubar esse cara’. Quem tá aqui hoje veio pra ver isso, não só por causa de mim, só estava âncora ali pra derrubar ele. Ele foi o cara que fez todo o marketing, que encheu e deu todas as audiências”, disse Popó no discurso da vitória.

O lutador ainda ressaltou que ao Bambam desmerecer uma pessoa ligada ao esporte, automaticamente desmerece também a modalidade em si. Além disso, o atleta fez um apelo direto ao respeito, não apenas para si, mas também para sua família, destacando a importância dos valores éticos e do reconhecimento mútuo no mundo esportivo.

“Deu até as costas pra mim de tão frouxo que você é. Você falou que seu soco é tipo um foguete, mas é tipo o do Elon Musk, deu de ré”, destacou. De acordo com as regras do FMS, a vitória de Popó não entra para o seu cartel.

O Fight Music Show foi criado em 2022 e reúne ex-lutadores profissionais e celebridades pela quarta vez. Na primeira edição, por exemplo, Popó enfrentou o comediante Whindersson Nunes em um embate que terminou em empate técnico.

A noite também teve outros confrontos, como a vitória de MC Gui contra Nego do Borel e de Emilene Juarez (mulher de Popó) contra Fernanda Lacerda, que interpretou a personagem Mendigata no programa Pânico na Band.

Comentários

Continue lendo






Em alta