Por Aline Nascimento,

Os servidores da Secretaria de Educação do Acre (SEE) foram chamados para ajudar os moradores atingidos pelas enchentes no estado. Em uma rede social, o secretário de Educação, Mauro Sérgio Cruz, pediu que os servidores da pasta se mobilizem com doações para as vítimas da enchente.

A assessoria de comunicação da SEE informou que já havia uma campanha interna com pedido de doações de produtos de higiene para as pessoas. Com o pedido do secretário, os servidores agora reforçar a ajuda com alimentos, roupas, produtos de limpeza e outros itens de necessidade básica.

“Contamos com a solidariedade de todos os colaboradores que compõem as diversas diretorias, departamentos, divisões e núcleos da SEE. Juntos, unidos ao empenho do nosso governador e dos seus secretários, vamos superar, com a graça divina, este momento difícil para todos nós! Amamos o Acre, somos acreanos e vamos vencer! Dias melhores virão!”, disse Mauro Sérgio Cruz.

Nesta segunda-feira (22), o governo do Acre decretou calamidade pública em dez cidades do estado afetadas pelas enchentes. O decreto foi publicado em uma edição extra do Diário Oficial do Acre (DOE) e é válido por 90 dias.

Pelo menos em oito dessas cidades atingidas os rios estão com vazante (diminuição no nível das águas) e com estabilidade. Mesmo assim, a cheia é considerada histórica e atinge cerca de 118 mil moradores do estado acreano.

As campanhas em canais oficiais estão sendo feitas pelo:

Enchentes atingiram quase 130 mil moradores de 10 cidades do Acre — Foto: Marcos Vicentti/Secom

Pandemia, enchente, surto de dengue e crise migratória

Além do aumento de casos de Covid, o Acre enfrenta, simultaneamente, o surto de dengue, crise migratória na fronteira e a cheia dos rios do estado que já atinge mais de 118 mil pessoas.

Nesta semana, alguns rios ultrapassaram a cota de transbordo atingindo milhares de famílias. A cidade de Tarauacá, no interior do Acre, chegou a ficar com 90% do território tomado pela água. Em número atualizado nesse domingo, a Defesa Civil estimava ainda 118.496 pessoas atingidas pelas enchentes, mas o Acre chegou a ter 130 mil pessoas atingidas de alguma forma pela cheia dos rios na capital e no interior do estado. A Defesa Civil considera atingidas pela cheia casas onde a água chegou, desabrigando ou não os moradores.

O Acre também registrou 8,6 mil casos suspeitos de dengue em menos de dois meses de 2021. Outro dado que chama atenção é que dos 22 municípios do Acre 20 estão infestados pelo mosquito Aedes aegypti. A capital acreana já declarou situação de emergência devido o aumento no casos de dengue.

Também nesta semana se agravou o cenário dos imigrantes que estão retidos na fronteira do Acre com o Peru desde o ano passado, quando o país vizinho decidiu fechar as fronteiras e impedir a passagem deles para o lado peruano. Os imigrantes já estavam sendo atendidos pela Prefeitura de Assis Brasil, mas, no último domingo (14), se rebelaram e ocuparam a ponte da cidade.

Pelo menos 60 imigrantes que fazem rota reversa pelo Acre e tentam entrar no Peru continuam acampados na Ponte da Integração, uma semana depois de ocuparem o local. Ao todo, a cidade ainda tem quase 300 imigrantes depois de ter mais de 500.

Comentários