Conecte-se conosco





Acre

Acre propõe mudanças no ICMS e empresários se movimentam

Publicado

em

Jurilande Aragão, presidente da Acisa

Jurilande Aragão, presidente da Acisa

A Associação Comercial do Acre (Acisa) não está muito satisfeita com a proposta de mudança na legislação tributária estadual, criada em 1999, na gestão do então governador do Acre, Jorge Viana, do PT. Na última semana, a entidade foi surpreendida com a notícia de que a atual norma será alterada pelo governador Sebastião Viana, que deve encaminhar, nos próximos dias, a nova minuta do PL para a Assembleia Legislativa do Acre (Aleac).

Segundo o presidente da entidade, o empresário Jurilande Aragão, uma reunião com todos os comerciantes deve acontecer às 19 horas desta segunda-feira, dia 11, na sede da entidade. Ele acredita que se faz necessário abrir o diálogo com a classe e juntos definir propostas que poderão ser apresentadas aos empresários.

“A gente quer, com essa reunião, conversar e explicar tudo aos empresários. Depois eles não vão puder reclamar que não foram avisados das mudanças. Queremos a participação de todos os empresários, tantos os nossos associados como os que não são”, explica ao dizer que uma série de propostas já foram formulados para o debate.

“Nós preparamos várias propostas para apresentar aos empresários, tanto os micro, como os médio e grandes empresários. A gente fez isso item por item, inclusive com justificativa. Que fique claro que queremos esse debate para apresentar a melhor proposta para o governo”, completa o presidente.

Para Jurilande, os pequenos empresários serão os mais atingidos pela provável alteração. “É com eles que eu mais me preocupa, na verdade. É bom que eles também participem. Agora, o governo quer intensificar a fiscalização. Os fiscalizar vão voltar a ir nas empresas. Isso é uma das mudanças”, acrescenta.

Ainda de acordo com o representante, a proposta ainda está sendo debatida, fator que ele faz questão de citar. “A gente tem que deixar claro que isso ainda não foi decidido. É só uma proposta. Hoje, os empresários pagam a porcentagem do valor de comprar, se mudar, vai ser pelo valor da venda, ou seja, haverá significativa mudança”, finaliza.

Do ac24horas.com

Comentários

Em alta