Ação conjunta entre PF, Força Nacional e Polícia Militar do Acre detém taxistas com imigrantes sob suspeita de tráfico de pessoas

Um trabalho investigativo da Polícia Federal, onde contou com apoio Polícia Militar do Acre e Força Nacional, detiveram quatro taxis da cidade de Rio Branco, capital do Acre, sob suspeita de estarem ajudando no tráfico de pessoas partindo pelo Acre.

Esta não seria a primeira vez que motoristas foram retidos sob essa prática. Desta vez, cerca de 15 imigrantes de nacionalidade haitiana, entre homens, mulheres e crianças, estavam sendo transportados em quatro veículos rumo ao Peru.

O trabalho aconteceu na cidade de Assis Brasil, distante da capital cerca de 330km, que faz divisa com a Bolívia e o Peru, durante a tarde desta quinta-feira, dia 20. Segundo foi apurado inicialmente, o transporte dos imigrantes estaria acontecendo de forma ilegal para o lado peruano.

As investigações que ainda estão em andamento, pode estar relacionada com grupos criminosos do lado peruano, onde estão recrutando e usando essas pessoas para trabalhar de foram ilegal no país. Sem uma justificativa plausível aos agentes, todos os imigrantes e os taxistas foram transferidos para a delegacia da Polícia Federal na cidade de Epitaciolândia.

Caso caracterize o trabalho de ‘coiote’ por parte dos taxistas, os quatro poderão responder pelo crime de crime internacional de tráfico de pessoas, além de serem presos, julgados e condenados a cumprir penas.

Segundo o Tenente Januário, do 5º Batalhão da Polícia Militar do Acre, esse trabalho entre as forças policiais estarão acontecendo nas regiões de fronteira do Acre, de forma conjunta, no combate aos crimes fronteiriços e demais régiões.

Mais informações serão repassadas no decorrer do dia desta sexta-feira, dia 21, por meios da Assessoria de Comunicação da Polícia Federal.

Matérias relacionadas:

Coiotes já lucraram US$ 60 milhões com tráfico de imigrantes no Acre

PF prende dois homens acusados de tráfico de pessoas em Assis Brasil

De mais de 30 mil haitianos que o país já recebeu, 66% foram trazidos por coiotes

Comentários