Da Contilnet

Nos últimos três anos, chegaram ao Brasil pelo menos 32.196 refugiados, a maioria haitianos. Apenas 10.906 (33,9%) portavam vistos emitidos por embaixadas brasileiras. A informação é do Blog do Josias, do UOL.

De acordo com o blogueiro, a grande maioria, 21.290 (66,1%), foi trazida por coiotes e cruzou ilegalmente a fronteira que separa a cidade peruana de Iñapari do município brasileiro de Assis Brasil, no Acre.

Foto: Alexandre Lima
Foto: Alexandre Lima

Entre os imigrantes ilegais, destacam-se duas nacionalidades: 19.430 (91,2%) vieram do Haiti e 1.628 (7,6%), do Senegal.

Os números foram providos pelo governo do Acre e pelas embaixadas do Brasil no Haiti nos dois países que os coiotes transformaram em rota de tráfico de haitianos: Equador e Peru.

Ainda de acordo com Josias, tal número foi o responsável por intoxicar “as relações dos governadores Tião Viana (PT), do Acre, e Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo”.

Em 2011, chegaram ao Acre 2.225 refugiados, pouco mais de 185 por mês. Já em 2013, o blogueiro destaca o cenário como “porta arrombada”.

Entraram na pequena Brasiléia, vindos de Assis Brasil, 960 refugiados por mês, totalizando 11.524 pessoas no ano. Em 2014, atingiu-se o descalabro.

Nos quatro primeiros meses do ano, os coiotes traficaram para dentro do Acre impressionantes 6.329 refugiados. Agora, a média mensal é de 1.582 pessoas.

O site destaca que quem embarca nos ônibus providenciados pelo governo do Acre é enviado para “um futuro de incertezas”.

“É assim desde 2010. A diferença é que agora, há mais passageiros. Nesta sexta-feira (9), apertavam-se no abrigo montado em Rio Branco 549 refugiados. Foram embarcados para São Paulo mais 101. Ficaram para trás 448, à espera da emissão do protocolo de refúgio da PF”, afirma Josias.

E conclui: “ainda não enxergaram nem o problema”, relata Josias sobre a postura do governo.

Comentários