Os agentes descobriram que o Brasileiro Diego, fugiu do estado vizinho depois que seu irmão foi assassinado por membro de uma facção rival.

Dois bolivianos e um brasileiro foram detidos na tarde desta quinta-feira, dia 2, por uma equipe da Polícia Civil de Epitaciolândia, juntamente com Polícia Penal e Militar quando estavam em atitude suspeita no Bairro da Satel, que estavam em um carro de aplicativo.

O que chamou atenção dos agentes, seria o fato de todos terem se identificado como bolivianos circulando no lado brasileiro em plena pandemia, uma vez que está proibido a entrada e saída de estrangeiros com a fronteira fechada.

A partir dessa abordagem, se descobriu que o trio está muito além de serem meros estrangeiros burlando a lei na fronteira. Os detidos foram identificados; Rubens Dario Rojo Bautista e Klinsmand Moreno Deuzi são bolivianos de Cobija e descobriram inicialmente que existem mandados de prisão, sendo procurados pelas autoridades em seu País.

O terceiro, Diego Reis da Silva, chamou atenção ao dizer que também era boliviano, mas, os agentes da Polícia Civil desconfiaram e resolveram fazer uma busca mais detalhada no sistema do Brasil. Foi quando descobriram este seria na verdade, Diego Silva Santos Luz, natural de Porto Velho (RO) e estava sendo procurado.

Os agentes descobriram que Diego fugiu do estado vizinho depois que seu irmão foi assassinado por membro de uma facção rival. Este teria sido enviado para a fronteira com intuito de ser a ‘ponte’ no contrabando de armas, drogas, além de ajudar em roubos de veículos na fronteira.

Momento da repatriação dos bolivianos às autoridades do País vizinho.

Aí que entraria os dois bolivianos, que ajudariam nos crimes. Diego teria conseguido num curto prazo de tempo, documentos que ajudaria a passar por cidadão boliviano e atuar fortemente em várias áreas e cidades da fronteira.

Um dos crimes que vinha sendo investigado e sempre conseguiam escapar, seria os roubos e veículos nas cidades da fronteira e cidades como Xapuri, Rio Branco e outros municípios, uma vez que atuava também como receptador no lado boliviano com ajuda de funcionários e policiais corruptos, que eram agraciados com dinheiro para ajudar a passar veículos para o centro da Bolívia, fazendo ‘vista grossa’.

Outro método que foi descoberto praticado pelo trio, seria o de escolher as vítimas brasileiras nas faculdades de medicina, principalmente mulheres. Uma das formas, era quando os estudantes chegavam de moto ou carro, depois eram seguidos até suas casas e eram marcados no Google Maps, além de investigarem se haviam câmeras pelas redondezas, até o horário para que agissem.

Dois crimes elucidados ano passado, teriam participação direta do trio. Segundo um dos investigadores, descobriu que tinham metas e somente em um dia, chegaram a enviar encima de um caminhão cerca de 35 motos roubadas, cada uma valendo apenas $100 dólares.

“Acreditamos que as autoridades do país vizinho detenham esses criminosos por um bom tempo, uma vez que havia mandados de prisão para eles. Conseguimos identificar o modo de operação deles e toda uma rede de pessoas que deveriam cuidar do cidadão no lado boliviano, mas optaram pelo mundo do crime”, disse o delegado Luís Tonini, titular do município de Epitaciolândia.

Os acusados estariam se preparando para realizar uma grande operação de furtos e assaltos na fronteira, tão logo as aulas começassem e a fronteira fosse aberta. Os bolivianos passaram por exames de corpo delito e entregues na Ponte da Amizade às autoridades bolivianas para que fossem tomados os devidos procedimentos perante a justiça daquele País.

Matérias relacionadas:

Dupla assalta mulher e leva moto em plena luz do dia em Epitaciolândia

Ação conjunta entre polícias localizam e recuperam na Bolívia caminhão roubado em Rondônia

Comentários