fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Tadeu Hassem quer ser o porta-voz do Alto Acre na Assembleia Legislativa

Publicado

em

“Nascido e criado em Brasileia”, é assim, com orgulho, que Tadeu Hassem responde quem é. Servidor público concursado da Prefeitura de Brasileia, Tadeu é formado em contabilidade há 20 anos e tem um extenso currículo na gestão pública, área que possui MBA.

Filho do senhor Licurgo e dona Fátima, casado com a Higia Hassem e pai do João e Thais, Hassem já atuou por 6 anos na Prefeitura de Rio Branco, durante a gestão do Raimundo Angelim, foi secretário de finanças em Epitaciolândia, chefe de gabinete, assessor do Governo do Acre na gestão do Tião Viana, secretário de Finanças da Prefeitura de Brasileia e assessor parlamentar na Assembleia Legislativa do Acre.

Aliás, é para a Aleac que Hassem quer voltar, agora, como um representante dos acreanos, nome forte na região do Alto Acre, ele afirma que, se eleito, vai ser porta-voz dos cidadãos de Brasileia e municípios próximos.

Em entrevista ao ContilNet, o pré-candidato a deputado estadual pelo Republicanos, garantiu, com propriedade, que conhece bem seu município e os vizinhos, sabe das dificuldades dos comerciantes, da população em geral, mas tem um olhar carinhoso pelo homem do campo. Tadeu acredita que é hora de facilitar a vida de quem produz.

“Sabemos que uma prefeitura sozinha não pode fazer tudo, precisa do auxílio do Governo para recuperação de ramais, investir na Educação e Saúde, por isso eu coloquei meu nome a disposição para ser esse representante do Alto Acre que hoje não tem representatividade na Aleac, e isso é fundamental para ser o elo entre o poder municipal e o estadual”, disse, incluindo ainda a saúde como uma das prioridades de um possível mandato.

Tadeu é irmão da prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem, e recentemente, os dois foram acusados de diversos crimes de improbidade, durante a entrevista ele aproveitou para esclarecer a situação da qual diz ser vítima de perseguição política.

Confira a entrevista completa:

Comentários

Geral

CRM-AC denuncia tentativa de registro com diploma médico falso à Polícia Federal

Publicado

em

O Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) denunciou nesta quinta-feira (28) à Polícia Federal uma tentativa de registro com a apresentação de um diploma médico falso. O caso envolve um homem de 37 anos, natural do Maranhão, que deu entrada no requerimento de inscrição no CRM-AC em 17 de julho de 2023.

O suspeito afirmou ser formado em medicina desde janeiro de 2015, alegando ter obtido seu diploma na Universidade Federal da Bahia. No entanto, o diploma apresentado por ele, datado de 4 de dezembro de 2014, levantou suspeitas entre os responsáveis pelo setor de registros do CRM-AC.

O CRM-AC, seguindo o Manual de Procedimento Administrativo, solicitou à Universidade Federal da Bahia a confirmação da expedição do diploma médico. A resposta da instituição foi que não conseguiu encontrar qualquer registro do suposto médico em seus arquivos, tanto físicos quanto digitais.

Além disso, a Universidade Federal da Bahia negou qualquer conhecimento sobre o suposto “Livro de Registro” mencionado no verso do documento e questionou a validade do número de registro fornecido. As assinaturas dos supostos representantes da Universidade no documento também foram declaradas como não reconhecidas.

Diante da gravidade da situação e da suspeita de apresentação de diploma falso com o intuito de obtenção do registro profissional como médico, o CRM-AC encaminhou a denúncia às autoridades da Polícia Federal no Acre, solicitando uma investigação completa sobre o caso e a adoção das devidas providências legais.

“O CRM-AC reafirma seu compromisso inabalável com a segurança do paciente e a boa aplicação da medicina. Estamos dedicados a garantir que somente profissionais habilitados e qualificados integrem nossa comunidade médica, assegurando assim a confiabilidade dos serviços médicos e a saúde de nossa população”, disse a presidente do CRM-AC, Dra. Leuda Dávalos.

Comentários

Continue lendo

Geral

Traficante condenado a 12 anos de prisão é capturado pela Polícia Civil

Publicado

em

Na manhã desta sexta-feira, 29, a Polícia Civil do Acre, por meio da Delegacia de Combate a Roubos e Extorsões – DCORE, deu cumprimento a um mandado de prisão expedido em desfavor de um homem, das iniciais R. N. S., de 26 anos.

De acordo com o processo, no dia 11 de agosto de 2016, investigadores da antiga DECCO deram cumprimento a um mandado de busca e apreensão deferido para uma residência localizada no bairro Esperança, nesta capital.

Na residência alvo da busca, os agentes encontraram um casal e em posse deles apreenderam: 4kg de maconha e 80g de cocaína, além de dinheiro em espécie e aparelhos celulares.

Em virtude do fato, o traficantes foi preso em flagrante, denunciado e condenado a pena de 12 anos de reclusão e 01 ano e 08 meses de detenção.

Em virtude de recursos interpostos pelos acusados, o processo somente transitou em julgado no meio deste ano.

Contudo, os condenados passaram a se ocultar da Justiça a fim de não cumprirem a pena imposta.

Felizmente, investigadores da DCORE obtiveram a informação de que um homem estaria fugindo da Justiça, passando a monitorá-lo.

Na data de hoje, os policiais civis lograram êxito na localização e prisão do foragido.

Fora de circulação, o preso foi colocado à disposição da Justiça e será encaminhado ao Presídio Francisco de Oliveira Conde – FOC.

Mais uma ação da nossa Polícia Civil, mais justiça e paz social.

Comentários

Continue lendo

Geral

Advogado vai recorrer da decisão que determinou a transferência de 14 presos do Acre

Publicado

em

O advogado criminalista Romano Gouvea vai recorrer da decisão do colegiado de magistrados, que determinou a transfência de 14 detentos do Acre para presídios federais.

Gouvea, que atua na defesa de dois presos, entende que direitos fundamentais não foram respeitados. “Não houve o direito ao contraditório e ampla defesa, ninguém foi comunicado da decisão”, disse o advogado.

A transferência dos 14 detentos ocorreu na manhã da última quarta-feira, 27, durante uma mega operação das Forças de Segurança do Estado.

O grupo de detentos transfereidos é apontado numa investigação como responsável pela rebelião, ocorrida em julho deste ano, no presídio de segurança máxima Antônio Amaro Alves.

O motim deixou cinco mortos, sendo que três foram decapitados. A rebelião durou quase 24 horas.

A maioria dos detentos é apontada como as principais lideranças de uma organização criminosa.

Os detentos transferidos são Railan Silva dos Santos, Selmir da Silva Almeida, Cleydvar Alves de Oliveira,  Manoel Moreira da Silva, Deibson Cabral Nascimento, Francisco Altevir da Silva, Bertônio da Silva Lessa, James Oliveira Bezerra, Rogério da Silva Mendonça, Paulo Roberto da Silva Campelo, Cleber da Silva Borges, José Ribamar Alves de Souza Filho, Rosenato da Silva Araújo e Gelcimar Pinto de Macedo.

O advogado Romano Gouvea disse ainda que essa medida de transferência detentos para presídios de segurança máxima já foram realizadas em vários estados, mas não houve o resultado esperado. “ No Rio de Janeiro transferiram as ditas lideranças, a violência lá, não diminuiu, pelo contrário cresceu”, disse Romano.

Gouvea falou ainda que estuda qual medida vai adotar para tentar reverter a decisão.

Comentários

Continue lendo

Em alta