Conecte-se conosco





Brasil

Médicos estudam possível elo entre vacinas da Covid-19 e mudanças na menstruação

Mulheres que tomaram diferentes imunizantes contra a Covid-19 têm relatado alterações no ciclo menstrual

Publicado

em

As vacinas da Covid-19 afetam a menstruação? burin kul por Pixabay

Um efeito pouco conhecido das vacinas contra a Covid-19 parece ter afetado uma quantidade significante de mulheres no mundo todo. Segundo relatos nas redes sociais, muitas mulheres e meninas enfrentaram efeitos colaterais como aumento do fluxo menstrual, escapes fora do comum e existem até mesmo queixas sobre o atraso da menstruação após a aplicação da primeira dose da vacina.

Um levantamento ao qual o site britânico The Times teve acesso indica que no Reino Unido ao menos 4 mil mulheres reportaram mudanças em seus períodos menstruais após terem recebido a vacina da Covid-19 em maio deste ano.

Do total, 2.734 casos foram observados com a vacina da Oxford em parceria com a AstraZeneca, 1.158 com a vacina da Pfizer e da BioNTech e 66 após uma dose da vacina da Moderna.

Em seu perfil no Twitter, a médica Kate Clancy falou sobre a sua experiência pessoal de um “fluxo muito intenso” após tomar a vacina da Moderna. Em sua postagem, diversas mulheres compartilharam ter passado pela mesma situação.

Em um deles, uma mulher conta que “toma anticoncepcional sem semana de placebo, então não menstrua”. Segundo ela, isso mudou algumas horas depois de ela ter tomado a primeira dose da vacina contra a Covid-19 (sem especificar qual foi, exatamente).

Os estudos sobre o tema, no entanto, são escassos — mas médicos no mundo todo têm tentado encontrar uma possível ligação entre menstruação e a vacina contra o coronavírus.

Em entrevista ao site London Gynaecology, a ginecologista Narendra Pisal afirmou que “em sua experiência, essas mudanças no ciclo menstrual se resolvem em três ciclos”.

“O risco é muito menor do que o benefício ao se tomar a vacina e ficar protegido de infecções graves da Covid-19 — então recomendamos fortemente a vacina para todas as mulheres”, conta.

Comentários

Em alta