fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Facção emite alerta de mortes e expulsões a moradores de Sena Madureira

Publicado

em

A reportagem traz um diagnóstico de como funciona a dinâmica do crime no terceiro maior município do Acre, que vive o drama da guerra entre organizações criminosas

Áudios divulgados nesta semana estão decretando a morte de homens, mulheres e idosos de várias famílias da região do Segundo Distrito de Sena Madureira (município a 144 quilômetros de  Rio Branco). Neles, os indivíduos dizem que a “sentença” será cumprida logo que um dos chefes da facção emitir um “salve”, como são conhecidas essas determinações, que servem para impor o terror a quem é considerado inimigo da organização.

Na terceira maior cidade do Acre, Sena Madureira, desempregados são recrutados por facções e obedecem ordens de comparsas presos para eliminar rivais/Foto: Juan Diaz

Na última segunda-feira (10), a reportagem teve acesso a pelo menos quatro destas gravações, enviadas por WhatsApp por pessoas que são parentes de presidiários integrantes da facção Comando Vermelho, embora não tenham nenhum problema com a justiça.

Resley Saab

Todos estão jurados de morte se não abandonarem suas casas o mais rápido possível, a exemplo do que muitos já fizeram, segundo a denúncia, somente porque têm algum grau de parentesco com os detentos faccionados que estão atrás das grades.

Em um deles, um indivíduo que, supostamente, seria da facção Bonde dos 13, ameaça uma família aos berros e palavrões. “Os caras mataram o teu tio aí, que era inocente. Então, você está do lado deles aí. Esquenta não que a família e vocês vai ser espirrada tudim (sic). O salve vai ser dado, tá ligado? Já era”, vocifera o homem.

Em outro áudio, o mesmo indivíduo diz: “Não quero mais nenhum parente de CV aqui nessa quebrada. Vai ser tirado, tudo, tudo, tudo. O bagulho vai ficar tenso aqui dentro dessa po**a”.

De acordo com o denunciante que enviou os áudios anonimamente para a redação, frisou que, “há muito tempo que a gente vive sofrendo”.

Casebres em barranco Às margens da BR-364, na entrada de Sena Madureira; violência no município tem assustado moradores/Foto: Juan Diaz

Na mensagem, ele diz que é um homem que mora no Segundo Distrito. “Aqui, a gente vive um verdadeiro inferno, um terror. Muitas famílias já foram expulsas de suas próprias casas e muita gente já pegou peia de tábua”.

Mais na frente, o morador completa: “Tem vagabundos aqui na tornozeleira [eletrônica], mas mesmo assim banca o terror e as autoridades não se importam. Vocês acreditam que vem do presídio Evaristo de Morais a ordem para espancar pessoas de bem?”.

Cerca de arame farpado é sinal de aviso que o local é inapropriado para quem teima em descumprir as regras impostas por facção/Foto: Juan Diaz

Polícia Militar do Estado do Acre, responsável pelo policiamento ostensivo, afirmou que vem reforçando o patrulhamento na região e coibindo ações deliberadas de criminosos. A Polícia Civil também instaurou vários inquéritos e trabalha, por meio do seu serviço de inteligência, para identificar essas pessoas e prendê-las no maior curto espaço de tempo.

O Ministério Público do Estado do Acre foi procurado pela reportagem para se manifestar sobre o assunto, mas até o fechamento deste texto ainda não tinha se pronunciado. O espaço segue aberto para as suas considerações.

Depois do Favela Viva, foi a vez do Galera do Bem acabar, em Sena Madureira

As histórias de ameaças a famílias, com o terror ecoando nas vielas de bairros pobres do município de Sena Madureira, que abrem esta reportagem, servem para endossar o quanto foi essencial um projeto do porte do Galera do Bem, de Sena Madureira, idealizado pela então promotora de Justiça Cível Patrícia Paula dos Santos, em 2016.

O Galera do Bem, que em 2024 já não existe mais, conseguiu reunir em Sena Madureira uma série de instituições governamentais e não-governamentais em torno de um bem-comum, o de afastar a possibilidade de adolescentes que cumpriam internação no Centro Socioeducativo Purus de voltarem a cometer atos infracionais e chegarem à vida adulta como criminosos.

Hora do almoço na caa de um mãe cujo dois filhos cumpriam medidas socioeducativas em Sena Madureira; fragilidades nas políticas públicas causam desproteção familiar/Foto: Juan Diaz

Oito meses depois da sua criação, no ano seguinte, em 2017, dos 68 internos inscritos, pelo menos 35 deles seguiam acompanhados pelo Centro de Referência Especializado em Assistência Social, o Creas, de Sena Madureira, que era uma das entidades parceiras do MPAC no projeto Galera do Bem.

Antes do Galera do Bem, era encerrado também em Sena Madureira outro impressionante movimento de defesa da cidadania de jovens, o da Associação Favela Viva, que fechou suas atividades de resistência ao aliciamento de gangues do bairro Vitória por falta de recursos. Até 2016, a Favela Viva oferecia do hip-hop à capoeira como atividades de promoção de reinserção social na região.

 

Garotos perambulam pelas ruas de Sena Madureira; segurança familiar está em xeque/Foto: Juan Diaz

Em 2017, o que havia sobrado da Favela Viva estava num espaço mínimo cedido pela Prefeitura de Sena Madureira, onde seus membros encontravam algum alento para continuar tentando tirar jovens do antro das drogas e do recrutamento das organizações criminosas. (Leia mais sobre a Associação Favela Viva abaixo)

Displicência das instituições, descontinuidade de parcerias e desestruturação familiar: como nasce um soldado do crime

Sete anos atrás, um diagnóstico do Observatório da Criança e do Adolescente, que funciona no Centro de Apoio Operacional de Defesa e Proteção da Criança e do Adolescente, da Educação e das Medidas Socioeducativas do Ministério Público do Estado do Acre, revelava que somente 42% dos trabalhadores dos institutos socioeducativos conheciam realmente os artigos do Estatuto da Criança da e do Adolescente, o ECA.

Para outros 28,6%, a displicência do Estado era o maior motivo para as internações de menores infratores que hoje estão engrossando as fileiras das facções criminosas em todo o estado. Para os funcionários das sete unidades que abrigam menores com algum problema com a justiça, o Observatório do MP constatou que o Acre vive um modelo mais ou menos parecido com o dos presídios que não conseguem devolver a maior parte de seus detentos devidamente ressocializada para a comunidade.

E por fim, 51,7% desses agentes e técnicos acreditavam que as internações aconteciam por causa da desestruturação da família dos internados, ante os 28% dos que culpavam o Estado.

Enquanto isso, uma parcela considerável de jovens ainda se afasta, todos os dias, da curva de reinserção social justamente pela falta de um acompanhamento coordenado entre os poderes e a própria comunidade. São esses que alimentam o capital humano das grandes organizações criminosas que se alastraram para o interior do Acre.

No bairro Vitória, o grafite, o hip-hop e a capoeira foram ‘executados’ pelo descaso do poder público

A arte perdeu. E com ela, perderam-se meninos e meninas. Ao dar as costas para um dos mais interessantes projetos de reinserção e prevenção de jovens contra as drogas, o poder público desperdiçou uma valiosa contribuição para famílias pobres que viam na Associação Favela Viva um templo de salvação das desgraças perpetradas por criminosos no bairro Vitória.

Muro de escola na entrada do bairro Vitória, em 2017; ,mensagem era de esperança por uma cultura de paz e contra as drogas; a arte e o grafite eram algumas das ferramentas utilizadas pelas instituições que deixaram de atuar/Foto: Juan Diaz

No local, a falta de recursos para tocar a associação apagou a única fagulha do bem em meio às trevas impostas pelas organizações criminosas. E com ela, foram os meninos, muitos mortos a tiros nas vielas e becos do Vitória e do bairro Pista, com o encerramento das atividades.

Irmãos Edmar e Jocimar, no primeiro plano, ainda em 2015, quando lideram a Associação Favela Viva, que amparava meninos retirados do aliciamento para o tráfico/Foto: Juan Diaz

Sena Madureira sempre esteve no centro de uma das maiores rotas do tráfico de drogas, que utiliza o rio Purus como corredor da cocaína que vem do interior das selvas peruanas em direção a  Rio Branco.

Mas se há quase 30 anos, praticamente todo o volume do entorpecente somente passava pela cidade, 17 anos mais tarde o tráfico chegava para se estabelecer, representado pelos filhos de seringueiros que deixaram a selva para tentar uma vida melhor na cidade. Entre eles estavam os irmãos Edmar e Jocimar Almeida de Azevedo, ambos com 27 e 19 anos, e que fundariam a Associação Favela Viva.

Arte em grafite em muro de escola; ideia do artista era conscientizar moradores para um cultura de paz/Foto: Juan Diaz

Entre 2010 e 2011, era praticamente impossível caminhar, mesmo à luz do dia, pelos bairros Vitória e Pista, em Sena Madureira, sem ser antes interpelado por algum indivíduo em ‘patrulhamento’ do tráfico pelas ruas dessas localidades. Sena Madureira assistia ao auge das execuções entre gangues rivais, em disputas por espaços para a venda de drogas.

Até os 17 anos, Edmar permaneceu envolvido com a violência. Desde então, conheceu o hip-hop. “Quando o tráfico tomou de conta, muitos amigos morreram. Era sempre assim, matavam um lá e morria outro aqui. A vingança era muito grande e eu, infelizmente, também fazia parte dessa violência”.

Em 2015, Edmar mencionava a dificuldade de obter recursos para a instituição. Dizia ele, que “os programas de incentivo à cultura eram muito burocráticos”. Além disso, havia um agravante: as atividades não-remuneradas da Favela Viva disputavam diretamente com as práticas do tráfico. “O garoto ganha ali na esquina R$ 10 por dia como aviãozinho, e já é muito para ele. Da nossa parte, só tínhamos o conselho e a coisa boa da arte. Então, era uma concorrência difícil”.

Comentários

Continue lendo

Acre

EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVENÇÃO MUNICIPAL EPITACIOLÂNDIA – AC

Publicado

em

Comentários

Continue lendo

Acre

Jornal O Alto Acre disponibiliza lista dos aprovados para o Programa CNH Social, mobilidade urbana da regional do Acre

Publicado

em

Detran-AC publicou lista com os primeiros beneficiados do Programa CNH Social no Diário Oficial do Estado (DOE), desta quarta-feira dia 17

O programa teve 40.475 pessoas inscritas em maio, contudo, apenas cinco mil foram selecionados para retirar a CNH de forma totalmente gratuita. A ação do Detran-AC visa a emissão gratuita de carteiras de habilitação.

O Departamento Estadual de Trânsito do Acre (Detran-AC) está convocando mais de 2,1 mil candidatos aprovados na modalidade urbana do Programa CNH Social para efetuarem suas matrículas e apresentarem a documentação necessária. A lista completa dos convocados foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta terça-feira (16).

O jornal O Alto Acre disponibiliza os nomes dos convocados da regional do Acre, complementando a lista oficial divulgada pelo Detran-AC. Os candidatos das cidades de Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia, Xapuri e Capixaba convocados devem seguir rigorosamente os prazos e procedimentos estabelecidos para garantir sua participação no programa, que oferece a oportunidade de obter a Carteira Nacional de Habilitação de forma gratuita, estabelecidos para garantir sua participação no programa.

A iniciativa visa facilitar o acesso à habilitação para aqueles que atendem aos critérios estabelecidos pelo Programa CNH Social, contribuindo para a inclusão e mobilidade dos cidadãos do Acre.

Os candidatos selecionados têm agora a responsabilidade de seguir os prazos estabelecidos pelo Detran-AC para garantir sua participação no programa, que oferece a oportunidade de obtenção gratuita da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A convocação representa uma etapa crucial para os beneficiários, que devem providenciar toda a documentação exigida conforme as instruções publicadas. O Detran-AC continua comprometido em facilitar o acesso à habilitação para aqueles que se enquadram nos critérios do Programa CNH Social.

O programa teve 40.475 pessoas inscritas em maio, contudo, apenas cinco mil foram selecionados para retirar a CNH de forma totalmente gratuita. A ação do Detran-AC visa a emissão gratuita de carteiras de habilitação para pessoas de baixa renda.

Após a publicação, os candidatos têm 10 dias para fazer a matrícula. A documentação exigida é:

  • Carteira de identidade dentro da validade de dez anos ou outro documento oficial de identificação com foto (originais e cópias);
  • CPF (originais e cópias);
  • Comprovante de endereço
  • Comprovante de matrícula online

A convocação será feita gradativamente. Após a primeira, o Detran-AC informou que irá chamar os aprovados nas modalidades rural e estudantil. Os candidatos devem estar inscritos no CadÚnico e ativos há, pelo menos, quatro meses; ter idade igual ou superior a 18 anos; e saber ler e escrever.

Veja lista completa dos moradores selecionados de Xapuri, Capixaba, Epitaciolândia, Brasiléia e Assis Brasil.

Comentários

Continue lendo

Acre

Operação Tapas Buracos avança no Centro e tem como objetivos revitalização em todos os bairros de Brasiléia

Publicado

em

Operação Tapa Buracos fechou toda a extensão da rua Manoel Ribeiro, dando continuidade aos trabalhos iniciados na rua Antônio Ribeiro e alcançando as ruas Generalíssimo Deodoro e Domingos Lopes, localizadas no bairro Centro de Brasileia

Operação Tapas Buraco, já realizou nesta quarta-feira, dia 17, trabalhos na rua Manoel Ribeiro, Bairro centro de Brasiléia.

A Secretaria de Obras de Brasileia concluiu recentemente a revitalização das ruas do centro antigo e histórico da cidade como parte da Operação Tapa Buracos, utilizando asfalto a quente (CBQU) para melhorar a malha asfáltica local.

Os trabalhos visam não apenas melhorar a qualidade das vias centrais, mas também se estendem ao objetivo de alcançar todos os bairros do município. A iniciativa faz parte de um esforço contínuo para aprimorar a infraestrutura urbana e proporcionar melhores condições de mobilidade para os moradores.

A Secretaria de Obras está empenhada em continuar com os trabalhos de manutenção e reparo das vias, garantindo que todos os setores da cidade se beneficiem dos esforços de melhoria da infraestrutura urbana.

Operação Tapas Buraco, já realizou trabalhos nesta quarta-feira dia, 17, na rua Antônio Ribeiro, Bairro centro de Brasiléia. Foto capturada

Nesta quarta-feira (17), a equipe da Operação Tapa Buracos fechou toda a extensão da rua Manoel Ribeiro, dando continuidade aos trabalhos iniciados na rua Antônio Ribeiro e alcançando as ruas Generalíssimo Deodoro e Domingos Lopes, localizadas no bairro Centro de Brasileia, Acre.

A iniciativa tem como objetivo melhorar a infraestrutura viária da região central da cidade, utilizando asfalto para reparar e revitalizar as vias afetadas. A Secretaria responsável está focada em garantir que todas as ruas recebam os devidos reparos, proporcionando melhorias significativas para os moradores e comerciantes locais.

Operação Tapas Buraco, já realizou trabalhos nesta quarta-feira, dia 17, na rua Generalíssimo Deodoro, Bairro Centro de Brasiléia. Foto captada

Os trabalhos continuam conforme o cronograma estabelecido, visando cobrir todas as áreas necessárias para promover maior segurança e conforto aos usuários das vias públicas em Brasileia.

Operação Tapas Buraco, já realizou trabalhos nesta quarta-feira, dia 17, na rua Domingos Lopes, Bairro Centro de Brasiléia.

Comentários

Continue lendo