fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Evangélicos entendem mudanças climáticas como resultado da ação humana

Publicado

em

Evangélicos frequentadores da Marcha para Jesus entendem as mudanças climáticas como resultado da ação humana e concordam que suas igrejas devem abordar o assunto, mostra pesquisa do Instituto de Estudos da Religião (Iser). De acordo com o levantamento, 70% dos entrevistados discordam totalmente da afirmação de que o aquecimento global é uma mentira, ou seja, uma parcela considerável dos evangélicos praticantes verifica os impactos do aquecimento global e da mudança climática em seu cotidiano.

A pesquisa Cristianismos e narrativas climáticas traz uma análise sobre como grupos católicos e evangélicos interpretam os debates relacionados ao meio ambiente, concepções de natureza e mudanças climáticas. Os dados objetivam contribuir para a compreensão de como os cristãos do Brasil vêm construindo repertórios sobre as pautas climáticas.

O estudo foi feito a partir de metodologias quantitativas e qualitativas nos ambientes digitais e nas ruas, em entrevistas realizadas nas Marchas para Jesus em São Paulo, no Rio de Janeiro e Recife, entre junho e dezembro de 2023. Em cada uma das marchas, foram entrevistadas cerca de 200 pessoas, com um total de 673 entrevistas, 53% delas com participantes com idade entre 16 e 39 anos. Na segunda fase da pesquisa, o Iser também analisou o uso de mídias digitais por grupos católicos e evangélicos, bem como as narrativas que têm sido veiculadas sobre a questão ambiental e climática.

Segundo a antropóloga Jacqueline Teixeira, professora da Universidade de Brasília (UnB) e colaboradora do Iser, que coordenou o trabalho, os resultados da pesquisa ajudam a reconfigurar e ressignificar estereótipos relacionados ao público evangélico, principalmente dos participantes da pesquisa na Marcha para Jesus, que são os que têm alta participação e engajamento nas suas comunidades de fé.

“A pesquisa mostra que esse grupo demonstra uma preocupação não apenas de estarem informados sobre as pautas climáticas e que cheguem para eles, mas também qualificar de onde vem essas informações. Além de mostrar que esse público desqualifica algumas fake news, como não acreditar que a terra é plana e acreditar que existe aquecimento global”, afirmou a professora.

Segundo Jaqueline, pessoas que têm alto índice de engajamento nos cultos e nas suas comunidades de fé é uma população que de alguma maneira demonstra interesse significativo de compreender as pautas climáticas. “Elas demonstram uma abertura importante para este tema. As questões climáticas não estariam vinculadas politicamente nem a uma direita nem a uma esquerda. Outro ponto foi a negação dos negacionismos. É um público que não se engaja nos negacionismos climáticos”, disse.

“Outro elemento fundamental é o entendimento de que não existe de que as questões relacionadas à agenda climática seriam de responsabilidade divina, causadas por Deus, porque se entende que tem uma responsabilidade humana. Depende muito da ação humana a resolução dessas questões. A gente viu uma alta responsabilização dos governos”, comenta Jaqueline.

O levantamento também revela que diversas justificativas teológicas são evocadas para explicar as mudanças climáticas e catástrofes ambientais. No Rio de Janeiro, 61% dos entrevistados concordam com a associação entre mudanças climáticas e a noção de pecado, mas apenas 4% atribuíram a responsabilidade destas mudanças à ação divina. No total, 43% dos entrevistados das três cidades afirmam concordar que as mudanças climáticas são reflexo do pecado do homem na terra.

A maioria dos evangélicos também acredita na responsabilidade do Estado para criação de políticas públicas de preservação e enfrentamento às mudanças climáticas. Os dados indicam que 86% das pessoas de todas as capitais pesquisadas apontaram o governo como principal responsável por resolver problemas relacionados ao meio ambiente.

Não é incomum que cristãos associem catástrofes climáticas ao Apocalipse e à volta de Jesus à Terra, embora essa percepção não seja hegemônica entre as respostas. Em relação aos desastres ambientais estarem relacionados à segunda vinda de Jesus, 37% concordam totalmente com essa afirmativa. Além disso, a grande maioria dos entrevistados (69%) entende que a responsabilidade pelas mudanças climáticas é a ação humana.

A pesquisa também trouxe para avaliação do público algumas frases que foram ditas por figuras do cenário político nacional nos últimos anos, em um esforço de entender a polarização política do país. Uma das frases apresentadas consiste numa variação de uma declaração do ex-presidente Jair Bolsonaro. Trata-se da afirmação de que “a Amazônia não pega fogo por ser úmida”, 63% dos entrevistados afirmaram discordar totalmente, seguido de “discordo em parte” (16%).

Evangélicos também demonstraram se posicionar em defesa de territórios indígenas em relação ao agronegócio. Em relação à frase “nenhum fazendeiro tem o direito de invadir terra indígena”, 70% concordam totalmente.

Os indicadores mostram que pouco mais da metade dos entrevistados na Marcha Para Jesus (59%) responderam não haver atividades em suas igrejas voltadas para o tema ambiental. A maioria das pessoas nas três cidades, entretanto, acha importante que a igreja aborde a temática do meio ambiente. Quando perguntados sobre o interesse e acesso a notícias sobre a questão ambiental, mais da metade dos cristãos entrevistados (68%) afirmaram ter acesso a notícias relacionadas ao meio ambiente, sendo que metade se informa por meio da internet e sites de notícias (49%).

Fonte: EBC GERAL

Comentários

Continue lendo

Brasil

Acre registra quase três mil casos de violência doméstica no primeiro semestre de 2024, aponta levantamento

Publicado

em

A legislação brasileira define como violência doméstica qualquer ação que resulte em morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico ou dano moral ou patrimonial, conforme estabelecido pela Lei nº 11.340 de 2006

Capital Rio Branco lidera o ranking de casos, acumulando 1.337 registros. Cruzeiro do Sul aparece em segundo lugar, com 285 casos, seguido por Sena Madureira, que contabilizou 187 ocorrências.

Dell Pinheiro, do site Notícias da Hora

O Acre enfrenta uma preocupante escalada nos casos de violência doméstica, conforme levantamento do Observatório de Análise Criminal do Ministério Público do Acre. Nos primeiros seis meses de 2024, foram registrados 2.842 casos de violência doméstica.

Os números mensais apresentam variações significativas ao longo do semestre. Maio despontou como o mês com maior incidência, contabilizando 507 ocorrências, seguido por janeiro com 493, fevereiro com 454, março com 420 e junho com 471 registros.

A Capital Rio Branco lidera o ranking de casos, acumulando 1.337 registros. Cruzeiro do Sul aparece em segundo lugar, com 285 casos, seguido por Sena Madureira, que contabilizou 187 ocorrências. Por outro lado, o município de Jordão não registrou nenhum caso de violência doméstica neste ano.

Comparativamente, o ano de 2023 também revelou um quadro alarmante, com o mês de maio liderando novamente com 516 casos. Janeiro, fevereiro, março, abril e junho do ano anterior apresentaram números que oscilaram entre 374 e 477 casos mensais.

A legislação brasileira define como violência doméstica qualquer ação que resulte em morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico ou dano moral ou patrimonial, conforme estabelecido pela Lei nº 11.340 de 2006, conhecida como Lei Maria da Penha.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Rondônia sedia o 28º Fórum de Governadores da Amazônia Legal

Publicado

em

O encontro também possui uma veia cultural, de modo que todos os estados engajados no processo possuem muitos fatores em comum. A união de seus representantes significa mais força coletiva, com vistas ao desenvolvimento regional.

Ao todo, serão cinco câmaras setoriais e uma sala exclusiva para assuntos relacionados ao consórcio. Foto: assessoria

Com assessoria

O estado de Rondônia vai receber, entre os dias 8 e 9 de agosto, todos os governadores e secretários da região Norte. O encontro marca a realização da 28ª edição do Fórum de Governadores da Amazônia Legal. Em pauta, estão a governança fundiária; agricultura e economia verde; infraestrutura e transporte; meio ambiente e desenvolvimento sustentável, além da segurança pública. O encontro também possui uma veia cultural, de modo que todos os estados engajados no processo possuem muitos fatores em comum. A união de seus representantes significa mais força coletiva, com vistas ao desenvolvimento regional.

Durante o Fórum dos Governadores haverá debates pertinentes ao Consórcio da Amazônia Legal com a presença de seus representantes, a diretora executiva, Vanessa Duarte e o secretário executivo, Marcelo Brito, que também estarão presentes no evento.

Um dos detalhes do evento é a setorização dos temas abordados. Ao todo, serão cinco câmaras setoriais e uma sala exclusiva para assuntos relacionados ao consórcio. Os debates acontecem, de forma simultânea, no dia 8 de agosto a partir das 9h30. Toda a programação do evento acontecerá nas dependências do Palácio Rio Madeira (PRM), sede político-administrativa do governo de Rondônia, localizado na Avenida Farquar, nº 2.986, no Bairro Pedrinhas.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Polícia e MP deflagram segunda fase da Operação Red Flag de operação contra o crime em cidades do Acre

Publicado

em

Ação teve o apoio das Promotorias de Justiça de Tarauacá e Feijó, e visou o cumprimento de 31 mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra alvos localizados em Tarauacá, Feijó, Manoel Urbano, Sena Madureira e Rio Branco

Os mandados foram expedidos pela Vara de Delitos de Organização Criminosa. Foto: assessoria

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), em conjunto com a Polícia Militar, deflagrou, nesta quinta-feira, 18, a segunda fase da Operação Red Flag.

A ação teve o apoio das Promotorias de Justiça de Tarauacá e Feijó, e visou o cumprimento de 31 mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra alvos localizados em Tarauacá, Feijó, Manoel Urbano, Sena Madureira e Rio Branco. Os mandados foram expedidos pela Vara de Delitos de Organização Criminosa.

Red Flag

O nome da operação, que em português significa “bandeira vermelha”, faz referência à cor usada pela facção criminosa alvo da ação e ao trabalho das forças de segurança no enfrentamento do crime organizado. A primeira fase ocorreu em maio de 2023, quando foram feitas 25 prisões preventivas de integrantes de organização criminosa de atuação nacional, e cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nos municípios de Rio Branco e Porto Acre, totalizando 37 mandados judiciais.

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), em conjunto com a Polícia Militar, deflagrou a segunda fase da    . Foto: assessoria

Comentários

Continue lendo