O prefeito de Santa Rosa do Purus, Assis Moura, que gere no interior do Acre, está envolto de uma polêmica perante aos moradores. É que nessa segunda-feira, 17, ele decretou ponto facultativo no serviço público municipal pela morte de um homem. Ocorre que esse homem, Francisco Horácio Thaumaturgo Moura, de 31 anos, é alguém que estava sendo procurado pela polícia e morreu ao trocar tiro com os policiais. O caso causou revolta na população pelo fato de que o suposto criminoso só teria sido homenageado com o ponto facultativo porque era sobrinho do ex-prefeito da cidade, José Altamir Thaumaturgo Sá.

O conflito que acabou com a morte de Francisco Horácio aconteceu na tarde do último sábado, 15, quando policiais civis e militares se dirigiram até o ramal do Lixão, onde ele se encontrava, para cumprir seu mandado de prisão. No ano passado, ele foi condenado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Sena Madureira pelo assassinato de Odimar Gomes Coelho. O atual mandado de prisão preventiva foi expedido pelo Juiz Fábio Alexandre Faria, da Comarca de Sena, e teria como razões os crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Quando os policiais chegaram ao local, Horácio teria atirado contra os agentes de segurança, que para resguardar suas vidas, repeliram a agressão. Durante a troca de tiros, Horácio acabou sendo atingido. Apesar de socorrido imediatamente pelos policiais, acabou morrendo antes de ser transferido para Rio Branco.

Para evitar outros problemas, o policiamento no município teve que ser reforçado com um envio de uma equipe de policiais militares do 8º Batalhão de Sena Madureira para Santa Rosa do Purus.

Decreto que gerou revolta

Após o conflito, a prefeitura divulgou uma nota comunicando que nessa segunda feira, 17, seria Ponto Facultativo nos órgãos municipais em decorrência do falecimento de Horácio Taumaturgo de Moura. “A Administração Municipal se solidariza com os familiares pela perda e presta suas condolências às famílias Moura e Taumaturgo”, diz o documento.

Foi então que moradores do município reclamaram da atitude do prefeito. “Isso é um absurdo. A gestão pública com tanto problema parar por causa da morte de um bandido que atirou contra os policiais. E se um policial tivesse morrido? A gente sabe que é quase uma tradição aqui no município decretar ponto facultativo nesses casos, mas isso só deve acontecer para as pessoas de bem”, disse um morador que preferiu não se identificar.

O ac24horas entrou em contato com o prefeito de Santa Rosa, Assis Moura. Extremamente nervoso e demonstrando completo despreparo emocional para o cargo, o prefeito não quis responder às perguntas da reportagem, se interessando apenas em saber quem teria feito a denúncia.

Matéria relacionada:

Sobrinho de prefeito é morto em troca de tiros com a polícia durante operação no interior do Acre

Comentários