O Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AC) deve julgar nos próximos dias o processo em que o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, e o vice dele, Zequinha Lima, aparecem como réus. Os dois já foram condenados pelo juiz de primeira instância e foram cassados e declarados inelegíveis.

Além deles, foram condenados o ex-prefeito Vagner Sales, Mário Vieira Neto e Edson de Paula. Todos envolvidos na compra da candidatura de um vereador do PSDB nas eleições de 2016. A negociata foi denunciada à Polícia Federal pelo candidato. Foram oferecidos R$ 5 mil para que o candidato tucano apoiasse a candidatura de Ilderlei.

O processo encontra-se parado no TRE/AC aguardando julgamento deste agosto do ano passado. A compra do candidato a vereador configura, de acordo com a primeira condenação, em abuso de poder econômico e tem como consequência a cassação imediata de Ilderlei e seu vice.

Consta que em dezembro de 2019 e início de 2020, a relatora do processo tentou fazer andar, mas, a defesa de Ilderlei apresentou um recurso protelatório que impediu o julgamento. Com a chegada da pandemia do novo coronavírus, a pauta do TRE-AC se esvaziou de vez. Há sessões que estão sendo canceladas por falta de pauta a serem julgadas. Isso tem provocado uma reação do eleitorado de Cruzeiro do Sul, que diz não acreditar na Justiça sobre o desfecho do caso.

Como se não bastasse isso, a administração de Ilderlei que pode ter sido iniciada com o auxílio de “conchavos eleitorais”, vai terminando com duas operações da Polícia Federal, sendo que uma delas, a irmã do prefeito, Idelcleide Cordeiro, foi presa.

Nas ruas de Cruzeiro, é possível ouvir que Ilderlei tem padrinho forte, por isso o processo dele não anda como deveria, o que tem causado revolta, isso porque os apoiadores do prefeito quando interpelados sobre o processo, dizem que está tudo certo para Ilderlei voltar a lançar seu nome este ano.

Comentários