Empresária apostou em ensaio com mulheres reais e sem retoques. Clícia Alves começou a empreender porque queria acompanhar mais de perto o desenvolvimento dos filhos.

Após dois filhos, mulher no AC cria marca para vender lingeries e quebrar padronização do corpo feminino — Foto: InStart/Divulgação
 Por Tácita Muniz, G1 AC — Ri Branco

Muito tem se falado sobre a padronização do corpo feminino, debate que tem avançado bastante, mas que ainda requer mudanças. A ânsia pelo corpo perfeito pode gerar, muitas vezes, consequências físicas e psicológicas em muitas mulheres.

E foi pensando nisso, na quebra dos padrões, que a empresária Clícia Alves, de 31 anos, decidiu usar mulheres reais e sem retoques em um ensaio para divulgar a sua marca de venda de lingeries.

Mãe de dois, ela conta que começou a empreender depois da maternidade. O filho mais velho tem 5 anos e o mais novo um. Depois do caçula, ela sentia necessidade de acompanhar mais de perto o crescimento dos filhos e foi então que decidiu criar uma loja virtual para vender peças íntimas.

Mas, ela precisava de um diferencial e focou na venda de lingeries de todos os tamanhos – do menor ao maior e, além de tudo, criou uma marca para tentar empoderar as mulheres, querendo quebrar, dentro do seu nicho, o conceito de corpo perfeito.

“Trabalhei 12 anos em empresa privada e também mexia com vendas em geral, entre elas, a venda de lingeries e vi que tinha público para isso. Com o tempo, fui recebendo o feedback das minhas clientes, que se queixavam que não conseguia achar números maiores que fossem bonitos. Brincavam que quando encontravam a peças íntimas maiores eram feitas para vovós”, relembra.

Amor próprio

Ao pensar no nome da sua loja, Clícia foi além. Ela queria uma marca que casasse com o conceito que sempre quis seguir que é, independe da numeração, deixar que a mulher se sinta bem e sexy com a escolha da peça íntima e, depois de muito pensar, nasceu a “Bem me Quero” há menos de um ano.

“Minhas clientes sempre falavam que gostavam das minhas peças, porque elas não seguiam um padrão, que não tinham só modelos bonitos em números pequenos, então, eu quis continuar nisso”, conta.

As vendas que antes eram esporádicas foram tomando forma de uma empresa. Mais do que isso, o empreendedorismo ajudou Clícia a lutar contra um início de uma depressão.

Porque, ao escolher sair do emprego para ficar mais perto dos filhos, ela se deparou com o impasse de muitas mães, que é o fato quererem acompanhar o desenvolvimento dos filhos, mas também terem a independência financeira.

“Ao mesmo tempo em que eu estava feliz por estar mais perto e poder acompanhar o desenvolvimento dos meus filhos, eu me sentia inútil. Sempre dizia que não nasci para ser só dona de casa. Então, a empresa mudou isso, hoje sou mulher, mãe, dona de casa e empreendedora”, conta.

Ensaio mostra mulheres reais e sem retoques de edição — Foto: Divulgação/InStart

Mulheres reais

O ensaio com modelos reais contou com a ajuda das amigas da empresária. Ela conta que sempre teve um ciclo grande de amizades e escolheu algumas amigas para representar a mulher comum, que tem estrias, celulites, talvez uma dobrinha na barriga, mas que tudo bem, continua sendo bonita e sexy.

“Eu não queria um ensaio em que minha cliente visse a peça e pensasse: ‘fica bem nela, mas não em mim’. Eu não queria modelos representando uma mulher sem imperfeições, uma mulher que não existe. Então, pedi que todas as fotos fossem feitas sem retoques, sem aquele ar de modelo perfeita que nos vendem nas revistas”, conta.

A empresária diz ainda que é preciso avançar e acordar para uma responsabilidade emocional. Segundo ela, o debate deve girar em torno das imperfeições, marcas no corpo que devem ser naturalizadas e aceitas.

“Queria mostrar uma pessoa que deu uma engordada a mais, que a barriga dá um dobrinha, que tem estria e que não tem problema nenhum. As mulheres têm que tirar o complexo de quererem ser perfeitas, não existe perfeição. A mulher tem que se amar do jeito que é”, enfatiza.

Mulheres falaram que ensaio mudou forma que elas viam o corpo — Foto: Divulgação/InStart

Autoestima

Para quem se viu nas fotos, sentiu o resultado na autoestima. Aos 25 anos, Luana Silva contou que depois da maternidade não se via mais como uma mulher atraente. A gravidez do filho, que hoje tem 2 anos, acabou mudando o corpo dela e também a forma de encarar o corpo.

“Eu digo que o ensaio foi um marco na minha autoestima depois da maternidade. Porque eu não gostava mais do que via, meu corpo mudou muito e também têm as coisas que a gente escuta. Quando olhei as fotos, vi que tudo o que eu pensava sobre o meu corpo era fruto de opiniões alheias e que não cabem a mim, só cabe a mim o amor próprio”, conta.

O primeiro momento para Luana foi de timidez, mas, depois ela conta que conseguiu se soltar e que amou o ensaio.

“Me senti bem, mesmo com as imperfeições e me aceitei quando vi as fotos. Eu acho que essa questão de autoestima devia ser trabalhada junto com o pré-natal”, brinca.

E depois do ensaio, ela revela que muitos pretendentes apareceram. Bem humorada, ela brinca: “tive que desativar o meu messenger.”

Daurilene Gadelha, de 46 anos, participou de um projeto como esse pela primeira vez. Ela disse que se sentiu surpresa com o convite, mas que acabou aceitando e se surpreendeu.

“Fiquei com vergonha, porque meu corpo não é mais o mesmo de quando eu era nova. Mas, acabei aceitando, fiz as fotos e amei muito. Pensei: ‘sou uma outra mulher’. Foi uma outra visão da que eu tinha de mim no dia a dia. A gente tem que colocar na cabeça que ainda podemos usar coisas bonitas, independente de nosso corpo”, finaliza.

Comentários