Sebastião Viana (PT), governador do Acre não quer as responsabilidades, mas colhe os frutos, mesmo que não sejam seus - Foto: Alexandre Lima/Arquivo
Governador do Acre, Sebastião Viana (PT), não quer as responsabilidades, mas colhe os frutos, mesmo que não sejam seus – Foto: Alexandre Lima/Arquivo

Alexandre Lima

No dia 13 de junho de 2013, por volta das 19 horas, aconteceu um incidente na ponte metálica José Augusto que liga as cidades de Brasiléia e Epitaciolândia. Esta foi construída no final dos anos de 1980 do século passado e vem fazendo sua parte em ligar o Brasil através do Acre, pela Transpacífico (BR 317).

Nestas décadas passadas, o governo do Acre vinha dando suporte em suas manutenções, através de colaborações dos Municípios que são ligados pela ponte. Inclusive pelo atual, que é do Partido dos Trabalhadores (PT), que dava suporte para a gestão passada por ser do mesmo partido político.

Qualquer manutenção ali aplicada, baseada nas centenas de milhares de reais, era motivo de festa. Os ‘louros’ dos trabalhos eram colhidos com toda glória que lhe dava direito e assim, é feito até hoje.

A atual gestão estadual, reeleita em 2010, usou a mesma dizendo que iria construir uma nova ao lado e daria manutenção na velha. Não cumpriu nenhuma das promessas e abandonou de lado, como um cachorro vira-lata, deixado numa beira de estrada. Em alguns casos após acidentes e transtornos, foi preciso interdição popular para que alguma manutenção fosse feita.

Voltando ao caso de 2013, a jovem Chayenne F. de Medeiros, retornava do trabalho a pé pela ponte que oferecia pouca luminosidade passando pelas passarelas. Em dado momento, as tábuas cederam ao seu peso fazendo com que caísse de uma altura de 15 metros aproximadamente.

Link relacionado com vídeo:

Jovem escapa da morte ao cair em buraco de passarela da ponte

Milagrosamente, caiu às margens do rio, onde teve sua queda amortecida na lama e água, escapando da morte com apenas algumas escoriações. Mesmo abalada com o acontecido, aguentou a caminha até sua casa e comunicou o fato aos familiares.

O caso ganhou a mídia estadual e a jovem resolveu acionar juridicamente o Estado e demais órgãos envolvidos diretamente com a ponte. Passados quase três anos, aconteceu mais uma audiência, onde tentam desqualificar o caso.

O buraco na passarela por onde a jovem caiu - Foto: Arquivo
O buraco na passarela por onde a jovem caiu – Foto: Arquivo

A Procuradoria Geral do Estado (PGE), em sua defesa, tenta se eximir da responsabilidade sobre a ponte, alegando que seria de total e irrestrita, do “Departamento Nacional de Infraestrutura do Transporte – DNIT, (…) que, desde janeiro de 2013, na vigência do projeto CREMA, o DNIT assumiu os serviços de conservação das Rodovias Federais. O Estado do Acre atua apenas de forma supletiva para manter o acesso rodoviário da população enquanto a entidade federal competente não promove…”, dando a entender que o Órgão Federal foi incompetente em relação a ponte nos anos seguintes e passados.

Lembrando ainda que, o Estado do Acre, na pessoa do governador Sebastião Viana, usou o DNIT por diversas vezes para restaurar e/ou, construir a BR 317, e sempre tentou levar aos acreanos, que os trabalhos realizado nas Avenidas Manoel Marinho Monte e Rui Lino, que corta a cidade de Brasiléia, além das reformas na ponte, sem colocar um prego de ferro, buscou os louros dos trabalhos para si, mas, os processos judiciais, devem passar longe dele.

Placa explicativa da reforma e construção não tinha data de início dos trabalhos – Foto/arquivo
Placa explicativa da reforma e construção não tinha data de início dos trabalhos – Foto/arquivo

Link relacionado:

Após seis meses, governo coloca placas anunciando construção de ponte na fronteira

O advogado, Dr Valadares Neto, impetrou um processo jurídico com ‘pedido de tutela de urgência’ contra o governo do Acre, exigindo diante dos acontecimentos passados, providencias sobre a ponte, além de celeridade onde visa a defesa dos interesses coletivos dos usuários da ponte.

Mesmo com mais uma reforma feita recentemente, a mesma ainda oferece perigo aos transeuntes. No processo, pede que seja realizada obras emergenciais para a adequada conservação com multa diária de até R$ 10 mil reais, caso seja descumprida prazos definido pelo judiciário.

Nesta segunda-feira, dia 6, Sebastião Viana esteve na cidade de Epitaciolândia, onde inaugurou depois de décadas, o novo sistema de abastecimento de água. Aproveitou novamente, para se vangloriar da aplicação de mais uma camada de asfalto na ponte onde alega não ter responsabilidade, mas, quis seus louros.

Comentários