Conecte-se conosco





Geral

Anuário de segurança Pública destaca domínio do Comando Vermelho no Acre

Os dados sobre Mortes Violentas Intencionais para cada Unidade da Federação, se conectam às redes de narcotráfico e desmatamento mapeadas pelo projeto “Cartografias da Violência na Amazônia”, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com a UEPA e o Instituto Clima e Sociedade –ICS.

Publicado

em

Entre 2019 e 2020, aumentou em 71,2% o número de pessoas desaparecidas no Estado. Foram 191 desparecimentos em 2020 e 110 em 2019. Foi o maior aumento percentual do país. Apenas Acre e Tocantins tiveram aumento, enquanto em todo o país houve redução de ’21,6% nos desaparecimentos.

A Tribuna

O Acre praticamente não teve alteração no número de mortes violentas entre os anos de 2019 e 2020. Essa é uma das conclusões do 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No estado, foram 296 mortes violentas intencionais em 2019 e 294 mortes em 2020, queda de -2,1%. O estado que teve a maior redução foi o Amapá, com -23,6% e o Pará, com -20,1%. Ainda assim, o Acre foi um dos 12 estados brasileiros em que houve redução de mortes. Nos demais os números mostraram aumento da violência. Segundo o relatório, foram 50.033 em 2020, um aumento de 5% em relação ao ano anterior.

O quadro (a baixo) mostra que o Acre teve 280 homicídios, queda de uma morte em relação ao ano anterior, um latrocínio a menos, 12 para 13, o mesmo número de lesões corporais seguidas de morte, duas, um policial morreu em cada ano e a polícia matou mais em confrontos em 2020. Foram 27 mortes registradas em intervenções policiais em 2020 contra 23 em 2019.

Um dado preocupante é o crescimento de mortes violentas não esclarecidas, que foi de 107% entre os dois anos, Foram 10 mortes de autoria desconhecida em 2019 e 21 em 2020. O Acre também teve aumento no número de suicídios, de 60 em 2019, para 76, em 2020, variação de 24,9% de crescimento.

O relatório, entretanto, destaca o Acre na força das facções criminosas. Segundo o relatório, o Acre, em 2020, foi marcado pela consolidação da supremacia do Comando Vermelho, que dominou o estado e reduziu, com isso, as disputas com outros grupos pelas rotas do tráfico internacional. Adicionalmente, não se pode descartar a melhoria da política de segurança em relação a integração de inteligência entre agências levada a cabo no estado.

Um outro dado que chama bastante atenção no relatório é que, na Amazônia, os dados sobre Mortes Violentas Intencionais para cada Unidade da Federação, se conectam às redes de narcotráfico e desmatamento mapeadas pelo projeto “Cartografias da Violência na Amazônia”, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com a UEPA e o Instituto Clima e Sociedade –ICS.

Aumentou número de pessoas desaparecidas no Acre

Entre 2019 e 2020, aumentou em 71,2% o número de pessoas desaparecidas no Estado. Foram 191 desparecimentos em 2020 e 110 em 2019. Foi o maior aumento percentual do país. Apenas Acre e Tocantins tiveram aumento, enquanto em todo o país houve redução de ’21,6% nos desaparecimentos.

Crimes contra patrimônio diminuíram

O Acre teve em 2020 redução de 40,7% no número de roubos de veículos, o que pode ser creditado à montagem de um cerco virtual nas saídas de Rio Branco, que identificam e ajudam a recuperar os veículos e identificar os autores. Foram 38,9% a redução de furtos de veículos e 40,2 quando se analisa as duas modalidades.

Os roubos a residência tiveram redução de 9,6%, a estabelecimentos comerciais redução de 16,4% e roubo a instituição financeira caiu 83, 4%. No total, os roubos caíram 43,4% entre 2019 e 2020 no estado.

Em compensação, as taxas de prisão por tráfico de entorpecentes cresceram 17,5% entre os dois anos.

O mapa destaca os modais de transporte da região são utilizados no crime organizado e como há uma sobreposição territorial de diferentes ilegalidades e violências. No Acre, se destacam as cidades de Porto Walter e Assis Brasil como rotas de entrada de cocaína, por meio fluvial e aéreo no Juruá e aéreo e rodoviário em Assis Brasil, onde a rodovia Br-317 aparece em destaque como modo de entrada da droga no país.

Violência sexual e feminicídios

Praticamente não houve alteração nos números absolutos de homicídios de mulheres e feminicídios. Foram 31 mortes de mulheres nos dois anos, sendo que 11 foram classificadas como feminicídio em 2019 e 12 em 2020. O Acre ainda aparece com destaque negativo em crimes de morte contra mulheres.

Mas o Acre também teve forte redução em casos de lesão corporal por violência doméstica, da ordem de -48,3%, saindo de 600 registros em 2019 para 315 em 2020. Talvez a pandemia possa justificar essa redução. Foi o estado do Brasil que mostrou maior queda deste crime.

O Acre, segundo o relatório do 15º Anuário Brasieiro de Segurança Pública teve significativa redução no número de estupros e estupros de vulneráveis. No conjunto dos dois indicadores, a redução foi de -26,9%, sendo -30,1% de estupro e de -24,8% de estupro de vulneráveis.

Gastos com segurança Pública

O Acre é o sétimo estado do país que mais gasta com segurança pública per capita, em relação á população, embora seu efetivo nas forças de segurança ainda seja insuficiente. São R$ 552 gastos para cada habitante do estado. O estado com maior percentual é o Amapá e o menor é o Piauí. O Acre gastou em 2020, R$ 493.753.295,05, englobando ações de policiamento, defesa civil, informação e inteligência e outros custos.

Comentários

Em alta