Rio Acre em Assis Brasil está seco em alguns pontos deixando passagem com água no tornozelo.

Durante o período do verão amazônico, dependendo da estiagem das chuvas, o rio Acre que divide o Brasil dos países vizinhos da américa do sul, Peru e Bolívia, quase secar em alguns pontos. O estado que leva seu nome no extremo Norte do País, tem uma das tríplices fronteiras na divisa com a pequena cidade de Assis Brasil, com menos de 10 mil habitantes.

A ponte que liga o Brasil ao Peru, vem sendo vigiada pelas forças armadas peruana e Polícia Federal com o apoio do Exercito Brasileiro, fazendo que alguns vivam encima dela, sem poder ir, ou vir. Em tempo de pandemia, as leis estão rígidas para ambos os países com intuito de impedir que o coronavírus se espalhe ainda mais.

Mas, quem pensa que essas barreiras impedem tudo de passar, está enganado. A estiagem das chuvas fez com que o Rio chegue ao ponto de oferecer passagem a pé com água nos calcanhares. Sem um contingente de homens suficiente para fiscalizar, faz com que pessoas passem para ambos os lados afim de fazer compras de alimentos e remédios.

Talvez, esse possa ser um dos pontos que esteja fazendo com que a pequena cidade acreana fique em destaque de pessoas contaminadas (proporcionalmente) no estado do Acre. Mas isso é um dos pontos que ainda está sendo questionado.

Já em Epitaciolândia, o igarapé Bahia que separa o Brasil pelo Acre da Bolívia, é o grande vilão. Alguns bolivianos e brasileiros vem enfrentando as forças policiais para poder fazer compras de comida e remédios.

Do lado boliviano, alguns protestos pedem que o governo abra as fronteiras, mas, do lado brasileiro o Decreto foi estendido até o final do mês de agosto. A capital do estado de Pando, com cerca de 100 mil habitantes, Cobija vem sofrendo com o desabastecimento de alimentos, remédios e aumentos de mortes por causa do Covid-19. O contágio passou dos 1000 casos.

Fronteira continua fechada com a Bolívia através do Acre até final de agosto – Foto: Alexandre Lima

Muitos vem se arriscando usando trilhas que faz divisa com o município de Epitaciolândia para ir e vir. Como estudantes brasileiros de medicina que tem medo de perder o ano e vem pagando as faculdades mesmo com as aulas suspensas, e se veem obrigados a levar dinheiro de modo clandestino.

De todo modo, o caso é até considerado desumano, mas, a doença que vem recuando no lado brasileiro, mostra o contrário no lado boliviano. Uma das grandes preocupações por parte das autoridades do Brasil, seria a busca de atendimento na rede pública de saúde em Brasileia e Epitaciolândia, já que aqui é gratuita. O que pode causar um colapso e aumento de contágio.

 

Comentários