O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ofereceu denúncia contra 46 pessoas acusadas de integrar organização criminosa no âmbito da ‘Operação Alcateia’.

A operação, deflagrada pela Polícia Civil com o apoio do Gaeco em julho deste ano, teve como objetivo identificar e desarticular as atuais lideranças de uma organização criminosa originária do estado do Acre.

Após investigações, ficou evidenciado que, com a transferência e isolamento dos chamados ‘conselheiros fundadores’ para presídios federais ou de regime disciplinar diferenciado, novas pessoas passaram a assumir o comando da organização criminosa. A operação, porém, conseguiu identificar, prender e isolar 10 das 13 atuais lideranças que comandavam a facção.

Ao longo das 228 páginas da denúncia, foram ainda descortinados diversos crimes praticados pela facção e a mando de seus ‘conselheiros’, tais como, tráfico de drogas, roubos e diversos homicídios praticados contra integrantes das organizações rivais e também contra um agente público.

Segundo o Gaeco, esses documentos e provas serão compartilhados após a devida autorização judicial e poderão desencadear outras prisões.

Outros mandados cumpridos este ano

Na manhã do dia 24 de julho, a Polícia Civil, através da Delegacia de Combate ao Crime Organizado (Decco), em cooperação com o Gaeco, do MPAC, deflagrou a Operação Alcateia, cumprindo 53 mandados de prisão de membros de uma facção local.

O objetivo foi desarticular a facção através da prisão de 10 novas lideranças que se formaram dentro da facção. 

Agência de Notícias do MPAC

Com informações do Gaeco

 

 

Comentários