“Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina” Adriano Machado/ REUTERS

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (31) que ninguém pode ser obrigado a tomar vacina, em resposta a uma apoiadora que aparentemente pediu que o governo federal proiba a vacinação contra a covid-19, em meio a uma corrida global por um tratamento para a doença causada pelo novo coronavírus.

“Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”, disse Bolsonaro na entrada do Palácio da Alvorada no início da noite, em resposta a uma apoiadora que lhe pediu para não permitir “esse negócio de vacina”, afirmando ser perigoso, de acordo com vídeo publicado nas redes sociais.

Leia mais: Crianças serão prioridade na vacinação contra a covid-19?

No início do mês, ao assinar medida provisória que abriu crédito orçamentário de R$ 1,9 bilhão para a compra de 100 milhões de doses e posterior produção local da possível vacina contra covid-19 desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca e a Universidade de Oxford, Bolsonaro afirmou que a vacinação resolveria o problema provocado pela pandemia.

Mais cedo, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, visitou a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) no Rio de Janeiro para acompanhar o cronograma de entrega da vacina. Inicialmente, a Fiocruz será responsável pela finalização das doses a partir de insumos importados, e depois será encarregada da produção nacional.

A previsão do governo é de que as primeiras doses sejam distribuídas a partir do início de 2021. Simultaneamente, o governo de São Paulo trabalha no desenvolvimento de uma outra vacina com a empresa Sinovac Biotech, que também tem previsão de distribuição no começo do próximo ano.

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, afirmou que a fundação está conversando com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para acelerar o processo, dado que o Brasil é o segundo país mais afetado do mundo pela pandemia, com mais de 3,9 milhões de casos confirmados e mais de 121 mil mortes.

“A Fiocruz está mobilizando todos seus recursos tecnológicos e industriais em prol do acesso da população à vacina no menor tempo possível. Estamos conversando com a Anvisa e parceiros tecnológicos com o intuito de reduzir os prazos de produção, registro e distribuição da vacina”, disse a presidente da Fiocruz, segundo comunicado do Ministério da Saúde.

Apesar da promessa do governo de iniciar a produção local da vacina a partir de abril de 2021, especialistas ouvidos pela Reuters disseram que dificilmente o cronograma será cumprido, citando dificuldades de um processo complexo de transferência de tecnologia.

Segundo o ministério, o governo vai assinar nesta semana um acordo de encomenda tecnológica com a AstraZeneca, após as partes terem firmado memorando de entendimento no mês passado.

Comentários