Conecte-se conosco





Brasil

Massacre do Flamengo contra o São Paulo. Cruel vingança, 5 a 1

Publicado

em

O time de Renato Gaúcho não teve piedade. Mostrou técnica, tática e força emocional para a goleada histórica: 5 a 1, no Maracanã. Bruno Henrique teve atuação sensacional. Marcou três gols

Bruno Henrique fez o que quis com a defesa do São Paulo. Marcou três gols na goleada histórica

O Flamengo se vingou do São Paulo.

De maneira mais cruel possível.

Depois de nove partidas sem vencer o time paulista, o Flamengo deu uma aula de futebol, no segundo tempo, no Maracanã.

Depois de ser pressionado na primeira etapa, e até tomar o primeiro gol, aos dois minutos  na etapa final, de Arboleda, mesmo assim veio o massacre.

O segredo da vitória estava na força psicológica, do time carioca, muito maior que a do São Paulo, que desabou após tomar o gol de empate, marcado por Bruno Henrique, aos 24 minutos.

“Jogador de futebol tem o instinto animal. Sente o cheiro de medo”, já disse o genial Cruijff.

E o Flamengo sentiu o receio do rival com a igualdade. Seus jogadores perceberam os nervos à flor da pele do São Paulo.

Renato Gaúcho seguiu inclemente, apostando no ataque, na pressão, na busca incansável por gols. Principalmente pela esquerda, onde estava Bruno Henrique.

O jogador teve uma atuação espetacular. Marcou três gols, superando sem a menor dificuldade todo o sistema defensivo são paulino.

Em oito minutos, ele marcou três gols. De todos os tipos. De oportunismo, no empate, depois de cobrança rápida de escanteio, de Michael para Arrascaeta. Inteligente, o uruguaio viu Bruno Henrique se movimentando como um velocista na grande área do São Paulo. Aparecendo de surpresa para empurrar a bola para as redes de Tiago Volpi.

Arboleda, Bruno Alves e Miranda entraram em parafuso. Os zagueiros estavam desnorteados, quando Bruno Henrique dominou a bola na entrada da área, cortou para o meio, tirar Igor Vinícius do lance, e batendo forte, no alto, a bola beijou o travessão antes de entrar. Golaço, aos 27 minutos. 2 a 1.

Bruno Henrique sentia o medo nos olhos dos jogadores do São Paulo. Fez o que quis

Bruno Henrique sentia o medo nos olhos dos jogadores do São Paulo. Fez o que quis

Se com o gol de empate, o emocional do São Paulos se desmanchou, com a virada, o plano tático de Hernán Crespo desabou de vez. Ótimo para Bruno Henrique. Cinco minutos depois, Arrascaeta cobrou escanteio e o atacante cabeceou forte, sem chance de defesa para Volpi. 3 a 1.

A goleada estava desenhada.

E ela veio aos 40 minutos, quando Vitinho cobrou falta, Rodrigo Caio desviou para o questionado Gustavo Henrique tocar para as redes. 4 a 1.

Mas o Flamengo queria mais. Seguiu atacando, inclemente.

E aos 46 minutos, a bola chegaria para Michael na área. Mas Wellington se antecipou e tocou errado, encobrindo o goleiro Volpi.

Flamengo 5 a 1.

Resultado histórico.

Que serve para dar ainda mais confiança ao clube, na recuperação na tabela, atingindo a quinta colocação, com duas partidas a menos. Renato Gaúcho e os jogadores querem, de qualquer maneira, o tricampeonato brasileiro.

Desde a chegada de Renato Gaúcho, Bruno Henrique voltou a encantar a torcida do Flamengo

Desde a chegada de Renato Gaúcho, Bruno Henrique voltou a encantar a torcida do Flamengo

Do lado do São Paulo, o caos.

A crise.

O time está a um ponto da zona do rebaixamento.

De 39 pontos possíveis, o clube só conseguiu 11. Desperdiçou 28 pontos.

O time tem pela frente o empolgado Vasco de Lisca Doido, na quarta-feira, pela Copa do Brasil. O Flamengo tem o ABC, na quinta-feira, pela mesma competição.

Bruno Henrique conseguiu se livrar da marcação são paulina. Usando seu talento e velocidade

Bruno Henrique conseguiu se livrar da marcação são paulina. Usando seu talento e velocidade – Marcelo Cortes / Flamengo

Renato Gaúcho mostrou o que o seu time é capaz.

Foram quatro partidas e quatro vitórias.

E Hernán Crespo também.

O São Paulo segue bipolar, dominado pela instabilidade.

Principalmente psicológica.

A goleada apaga o tabu de quatro anos sem vitórias rubro negras contra o tricolor.

A vingança foi terrível…

Comentários

Em alta