Até ontem, a expectativa era de que os presos fossem liberados nesta terça, uma vez que ainda não havia sido feito o pedido de prorrogação da prisão.

Entre os detidos que tiveram a prisão prorrogada está Idelcleide Cordeiro, irmã do prefeito Ilderlei Cordeiro e ex-chefe de gabinete da prefeitura do município.
Por Sandra Assunção

A pedido da Polícia Federal, a justiça do Acre prorrogou por mais cinco dias a prisão temporária das seis pessoas presas durante a Operação Presságio, desencadeada na última sexta-feira, 14, em Cruzeiro do Sul. A decisão foi confirmada na tarde desta terça-feira (18). Entre os detidos que tiveram a prisão prorrogada está Idelcleide Cordeiro, irmã do prefeito Ilderlei Cordeiro e ex-chefe de gabinete da prefeitura do município.

A juíza Adamarcia Machado, titular da 1°Vara Criminal de Cruzeiro do Sul, deferiu o pedido da PF e Idelcleide Cordeiro e os outros cinco presos na Operação Presságio ficarão detidos por mais cinco dias.

Idelcleide seguirá presa na sede do COE da Polícia Militar e os demais no Presídio de Cruzeiro do Sul e Rio Branco. Até ontem, a expectativa era de que os presos fossem liberados nesta terça, uma vez que ainda não havia sido feito o pedido de prorrogação da prisão.

As seis pessoas detidas são acusadas de desvios de verbas em Cruzeiro do Sul. A audiência de custódia ocorreu ontem, regida pelo juiz Flávio Mariano Mundi, que não liberou nenhum dos acusados de desvio de dinheiro em Cruzeiro do Sul. Os envolvidos são suspeitos, conforme a PF, de fazer parte de esquema que envolveria o desvio de verbas federais da saúde e educação por meio da CBCN e outras empresas.

As prisões deram cumprimento à decisão da 1° Vara Criminal de Cruzeiro do Sul, que tem como titular a juíza Adamarcia Machado. Nas férias dela, os mandados de prisão e apreensão foram expedidos pelo juiz Flávio Mariano Mundi, bem como a Audiência de Custódia.

No sábado, 15, a desembargadora Denise Bonfim já havia negado um pedido de Habeas Corpus impetrado pela defesa de Idelcleide, que tinha como titular o advogado Jairo Teles de Castro.

Comentários