Senador Jorge Viana (PT-AC) destaca instalação da comissão especial que analisará reforma do Código Penal

Mal passada a alegria com a reeleição da presidenta Dilma Rousseff no último domingo, a mobilização no Congresso para debater e decidir o que as urnas claramente sinalizaram já começou. Para vários senadores do PT, entre eles Jorge Viana (PT-AC), chegou a hora de parlamentares de todas as forças representadas no Congresso deixarem de lado o calor da campanha eleitoral e criar as condições para o diálogo os parlamentares governistas quanto da oposição deixem as eleições de lado e busquem o diálogo para unir o país.

“A eleição foi dura, apertada. O maior erro que a oposição pode cometer é não descer do palanque. Nós, do governo, também devemos descer rapidamente e dar exemplo”, disse Viana, acrescentando que é preciso entendimento entre as partes para a retomada do crescimento econômico. De acordo o parlamentar, o primeiro mandato de Dilma enfrentou uma conjuntura econômica desfavorável e, agora, há expectativa de mudanças, especialmente nos órgãos do Executivo.

Para Viana, a economia brasileira voltará a crescer com um formato único no mundo, que é o de desenvolvimento com distribuição de renda. “Temos que trabalhar para melhorar a renda do cidadão, para que ele possa se firmar e ajudar no crescimento econômico”, explicou. O foco, segundo o senador, deve ser o mercado interno.

O senador, que já foi governador do Acre por dois mandatos, explicou que a expectativa é de resultados melhores nesta nova etapa do governo. “Os ensinamentos dos primeiros quatro anos de gestão são fundamentais para um segundo ainda melhor”, enfatizou. Para isso, devem ocorrer ajustes necessários no governo. Por exemplo, recompor os ministérios com nomes qualificados.

Deve haver, ainda, uma “reinvenção” do chamado governo de coalizão – quando há a cooperação parlamentar de vários partidos políticos. “É preciso montar um governo com pessoas que reúnam as melhores capacidades técnica e política para governar. Está muito desgastado esse modelo de coalizão”, disse. Ainda segundo o petista, é fundamental que o Palácio do Planalto tenha um maior diálogo com o Congresso Nacional.

Desafios da nova legislatura

Uma das preocupações do senador para este segundo mandato de Dilma é a necessidade de reforma política. “Se não assumirmos essa como uma questão central, estaremos agindo de maneira irresponsável, podendo afetar a imagem do Congresso”, afirmou. Um exemplo é o aumento da quantidade de partidos com representação no Congresso Nacional: serão 28 na próxima legislatura, contra 22 na atual, que se encerra no dia 1º de fevereiro. Essa fragmentação atrapalha, por exemplo, as negociações para aprovações de projetos importantes para o país.

Apesar da urgência em relação às alterações políticas, o parlamentar ressalta que a primeira ação deve ser o envolvimento do governo federal para resolver um problema grave no país, que é a violência. “Esse é talvez o maior desafio de curto prazo para ser enfrentado pelo governo e a presidenta já apontou o caminho: puxar para a União a responsabilidade”, disse.

Entre as grandes conquistas que devem ser obtidas nos próximos quatro anos é um grande projeto de educação para o país. “É isso que vai garantir que o país mude definitivamente de patamar, de nação em desenvolvimento para uma das grandes do mundo. Deve ser um plano bem concebido que envolva municípios e estados nessa estratégia”. Atualmente, estados e municípios elaboram planos regionais para se alinharem ao Plano Nacional de Educação, que iniciou este ano e vigora até 2024. [Assessoria]

Comentários