Saúde diz que 100% dos leitos de UTI de Rio Branco estão ocupados. Filha conta que idoso está entubado desde terça-feira (19) na UPA do Segundo Distrito.

Cabeleireira reclama de demora para conseguir vaga de UTI para pai internado no AC com Covid-19 — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre
Por Iryá Rodrigues

O número de contaminados pelo novo coronavírus no Acre tem batido recordes a cada dia e a demanda crescente de pacientes que precisam ser internados acaba lotando os leitos disponibilizados para atendimento de casos de Covid-19.

A cabeleireira Alcileide Felipe da Silva, de 33 anos, está com o pai Raimundo Nonato Araújo, de 63, internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Segundo Distrito de Rio Branco há uma semana. Ela reclama da demora para conseguir um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para o idoso.

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) disse que não há mais vagas de UTI na capital, Rio Branco. Segundo o órgão, os 32 leitos tanto do pronto-socorro como do Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into) estão lotados.

Filha conta que idoso está entubado desde terça-feira (19) na UPA do Segundo Distrito — Foto: Arquivo pessoal

Após apresentar os sintomas da doença, o idoso chegou a ser tratado em casa por dez dias. Mas, acabou piorando o quadro e foi levado por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para a UPA do Segundo Distrito, unidade referência no atendimento de Covid-19 na capital.

“Na terça-feira [19], ele foi entubado aqui na UPA e desde esse dia eu estou tentando transferir ele para um leito de UTI. Só dizem que não tem vaga. Ele está na emergência, entubado. Ele precisa ser transferido para uma UTI, precisa de cuidado especial por ser de idade e eu estou tentando, mas não tem vaga”, contou.

Emocionada, Alcileide disse que não sabe mais a quem recorrer e que teme pela vida do pai. “Situação muito complicada, estou muito nervosa, é meu pai e não posso cuidar. Não sei mais nem o que fazer, está nas mãos de Deus. Uma hora dizem que ele está grave, depois que ele melhorou um pouco. Ele está lutando pela vida”.

Taxa de contaminação

O Acre é o quinto estado com a maior taxa de contaminação de Covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde atualizados até a noite desta quarta-feira (20). O levantamento mostra que o Acre tem 319,4 casos para cada 100 mil habitantes. O Acre tem 2.817 casos da doença.

Os dados mudam diariamente, mas o levantamento pega como base a última atualização do Ministério da Saúde. Com isso, os cinco primeiros estados com o maior índice de contaminação pelo coronavírus, proporcionalmente por número de habitantes são:

  • Amazonas (571,9);
  • Amapá (537,9);
  • Roraima (341,2);
  • Ceará (334,6);
  • Acre (319,4)

Os números seguem mostrando que os estados mais afetados com a pandemia do país se concentram nas regiões Norte e Nordeste.

Sem leitos de UTI em Rio Branco

De acordo com os números de leitos passado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) até quinta-feira (21), a capital Rio Branco estava com 100% dos leitos de UTI ocupados. A Sesacre não divulgou a ocupação atualizada até esta sexta-feira (22).

Diariamente, à noite, a Sesacre faz um levantamento dos pacientes internados. Os números da última divulgação, mostram que, em todo estado, estão disponíveis 205 leitos, sendo apenas 41 são de UTIs, o restante são leitos clínicos. Desse total de leitos, 154 estão ocupados, sendo 37 de UTI.

Coronavírus no Acre

O número de casos de Covid-19 no Acre continua aumentando. Em 24 horas, o estado teve mais um recorde com 286 infectados pela doença. O número saltou de 2.817 para 3.103 casos, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), nessa quinta-feira (21). A quantidade de óbitos também aumentou, mais três mortes foram registradas, o número saltou de 75 para 78.

Além dos casos confirmados, mais 1.556 aguardam análise dos exames. Das 22 cidades, apenas Manoel Urbano, Jordão e Porto Walter ainda não registraram a doença.

A Saúde também já contabiliza, até esta quinta, 1.098 pacientes recuperados. Dos pacientes que seguem em tratamento, 1.846 estão em isolamento domiciliar e 81 internados, sendo que 17 seguem na UTI e 64 em enfermarias.

Comentários