Especula-se que o atual titular da pasta, o professor Mauro Sérgio, também possa deixar o cargo para abrir vaga ao ex-deputado estadual e ex-secretário de educação da prefeitura de Rio Branco, Moisés Diniz

Os estilhaços da Operação Mitocôndria, desencadeada pela Polícia Civil na semana passada que investiga o desvio de recursos públicos na distribuição da merenda escolar no Acre e que culminou na prisão de familiares do deputado Manoel Moraes (PSB), poderão causar mudanças significativas na gestão da educação no Estado.

Na quarta-feira, 15, o secretário-adjunto da pasta, Márcio Brandão foi exonerado pelo governador Gladson Cameli. Para substituí-lo, o Palácio Rio Branco escalou o Coronel Francisco Márcio Alves do Amor Divino.

Informações que circulam nos corredores do Palácio dão conta que a substituição não ficará apenas na saída de Márcio. Especula-se que o atual titular da pasta, o professor Mauro Sérgio, também possa deixar o cargo para abrir vaga ao ex-deputado estadual e ex-secretário de educação da prefeitura de Rio Branco, Moisés Diniz, que recentemente se desfiliou do PCdoB para se filiar ao Partido Progressista do governador.

_______________

Questionado se existe essa possibilidade de Mauro sair, Cameli disse que Moisés Diniz “deverá [assumir] caso o Mauro não queira ficar”.

_______________

A reportagem procurou Moisés Diniz para comentar sobre a possibilidade baseada na informação repassada por Cameli. Sobre aceitar o convite, Moisés afirmou que não aceitaria e enfatizou que o “professor Mauro é um grande secretário, meu amigo, competente e honesto”.

A reportagem tentou durante a manhã falar com Mauro Sérgio por telefone e mensagens. O secretário ficou de retornar as ligações, mas até o fechamento desta pauta não houve contato.

INVESTIGAÇÃO

Com o depoimento dos investigados colhidos, um inquérito deverá ser fechado e encaminhado ao Ministério Público. foi apurando que existe a possibilidade dos envolvidos serem denunciados formalmente a justiça já no mês de maio e uma segunda etapa das investigações atingiriam o primeiro escalão do governo, já que nessa primeira fase os alvos foram empresários e servidores públicos.

A polícia trabalha na linha de investigação que o esquema que desviava recursos ocorria desde a gestão passada e continuou na atual com conveniência de gestores do primeiro escalão. Não se sabe se Mauro ou Marcio ou até mesmo o ex-secretário no governo de Sebastião Viana, Marco Brandão, serão os investigados.

Comentários