Conecte-se conosco





Cotidiano

Fortuna de Mark Zuckerberg, do Facebook, diminui US$ 7 bi em poucas horas

Publicado

em

A riqueza pessoal do dono do Facebook, WhatsApp e Instragram encolheu em questão de horas

Mark Zuckerberg: Fortuna do dono do Facebook, WhatsApp e Instragram encolheu — Foto: Nick Wass/AP

Valor OnLine - Por Scott Carpenter, Bloomberg

A riqueza pessoal de Mark Zuckerberg caiu quase US$ 7 bilhões em poucas horas, fazendo-o descer um degrau na lista das pessoas mais ricas do mundo. A queda na fortuna do bilionário acompanhou a das ações do Facebook, depois de denúncias de uma ex-funcionária sobre a empresa e sobre a falha que deixa fora do ar os principais produtos da companhia.

Essa combinação de reveses fez investidores venderem papéis e as ações do gigante das mídias sociais perderam cerca de 5% nesta segunda-feira.

A queda das ações fez com que a fortuna de Zuckerberg caísse para US$ 120,9 bilhões, deixando-o abaixo de Bill Gates (Microsoft), na quinta posição no Índice de Bilionários da Bloomberg. Ele perdeu cerca de US$ 19 bilhões em riqueza desde 13 de setembro, quando seu patrimônio era avaliado em quase US$ 140 bilhões, de acordo com o índice.

Em 13 de setembro, o Wall Street Journal começou a publicar uma série de reportagens com base em documentos internos, revelando que o Facebook tinha conhecimento de uma ampla gama de problemas com seus produtos – como os danos do Instagram à saúde mental de adolescentes e desinformação sobre o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro – enquanto minimizava as questões em público. Os relatórios chamaram a atenção de funcionários do governo e, na segunda-feira, a denunciante se revelou.

Em resposta, o Facebook enfatizou que os problemas que seus produtos enfrentam, incluindo a polarização política, são complexos e não são causados ​​apenas pela tecnologia.

“Acho que dá conforto às pessoas supor que deve haver uma explicação tecnológica ou técnica para as questões de polarização política nos Estados Unidos”, disse Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais do Facebook, à rede de TV americana CNN.

Comentários

Em alta