unnamed76

Especial ac24horas

O primeiro debate da TV entre os candidatos ao governo do Acre, transmitido pelo sistema Juruá de Rádio e TV em parceria com o ac2horas, em Cruzeiro do Sul, foi focado a maior parte do tempo na BR-364 e citações sobre o ex-governador Orleir Cameli. Temas como Saúde, combate à corrupção, Educação e infraestrutura também nortearam o debate.

No primeiro bloco, Márcio Bittar (PSDB), Antônio Rocha (Psol), Tião Bocalom (Dem) e Sebastião Viana (PT) falaram por que querem governar o Acre.

O primeiro sorteado foi o tucano Márcio Bittar, que já começou disparando: “depois de 16 anos é a hora da renovação”, disse ao destacar sua vice Antônia Sales (PMDB).

Segundo a se apresentar, Bocalom também disparou: “A BR-364 é uma grande novela e a Saúde não é de primeiro mundo”.

Já Sebastião Viana, como sempre, reclamou da falta de “honra e ética” de seus adversários e disse que quer continuar governando o Acre porque tem honra. “Defendo a honradez”, resumiu.

Antonio Rocha, do Psol, disse querer comandar o Palácio Rio Branco por ser um nome diferente e quer construir a BR-364. “Somos a alternativa diferente”, disse.

No segundo bloco, os candidatos começaram respondendo sobre o tema Saúde. Antônio Rocha foi o primeiro a responder. Ele criticou a demora no atendimento do setor.

O petista Sebastião Viana foi designado para comentar a resposta de Rocha e informou investimentos milionários no setor, como o combate à dengue e a melhora na hemodiálise.

Rocha fez a tréplica ao dizer que “vai trabalhar de forma integrada sem ser preciso que as pessoas esperem dias e dias”.

A segunda pergunta para os candidatos foi relacionada à Segurança Pública. Bocalom foi o sorteado e disse que “falta polícia na rua e as delegacias aos finais de semana e feriados não funcionam”. “Isso é muito ruim”, reclamou.

O tucano Márcio Bittar comentou a resposta de Bocalom e acrescentou que “o bandido” em sua gestão terá tolerância zero e que quem será valorizado será o “policial”.

Replicando, Bocalom reforçou que quem precisa ser priorizado é o ser humano. “Os policiais não tem nem fardamento”, lamentou.

No tema desenvolvimento sustentável, Bittar disse que é preciso conter os exageros em torno do tema. Para ele, é preciso achar um meio termo em torno da questão “meio ambiente e geração de renda”.

De acordo com Bocalom meio ambiente no Acre é uma “falácia”.

Marcio Bittar ao fazer a tréplica disse que “quem muito falou em meio ambiente sequer conseguiu arborizar as cidades do Acre.”

Por outro lado, Sebastião Viana apresentou números que revelam que o setor produtivo de sua administração “melhorou a vida de pessoas no Juruá”.

Do terceiro bloco em diante, o debate foi dominado pelo tema BR-364.

O tempo todo, Sebastião Viana usou a imagem de Orleir Cameli para parecer simpático aos cruzeirenses. Por diversas vezes ele citou sua amizade com Orleir e a colaboração do ex-governador na construção da rodovia.

Apesar de não concordar com Sebastião, Bocalom disse que “Orleir sim fez por essa BR, mas vocês fazem a BR e ela derrete”, disse, se dirigindo a Sebastião com um sorriso irônico.

Parecendo irritado, Sebastião mandou Bocalom se atualizar sobre os dados da rodovia. “Tá vendo como você não conhece. O trecho do Liberdade que você citou foi construído pelo Orleir”, disse o petista.

Rocha também entrou na onda das perguntas sobre a rodovia e pediu a Márcio Bittar que falasse sobre  infraestrutura.

Na resposta, Márcio criticou a qualidade da rodovia ao dizer que “a BR-364 é única no Brasil que não pode passar carga pesada”.  Rocha replicou lamentando que “a rodovia sempre foi usada para promoção política”.

Na tréplica, o tucano Márcio Bittar disse que “vai levar a BR-364 até Pucallpa, no Peru”.

 Sebastião e Bocalom travam debate particular

Durante parte do segundo bloco e quase toda a terceira parte do debate, Sebastião Viana e Bocalom travaram um embate particular.

Com cara de poucos amigos, meio irritado e tentando desqualificar Bocalom, pedindo ao candidato do Democratas que estudasse “um pouco mais os temas”, Sebastião Viana fez do  oposicionista seu principal alvo de perguntas.   Bocalom esquece Acrelândia, ironiza adversários e irrita Sebastião Viana

Com cara de poucos amigos, meio irritado e tentando desqualificar Bocalom, pedindo ao candidato do Democratas que estudasse “um pouco mais os temas”, Sebastião Viana fez do oposicionista seu principal alvo de perguntas.

Bocalom esquece Acrelândia, ironiza adversários e irrita Sebastião Viana

Debate_fim_2

Com um discurso simples, Tião Bocalom tirou o governador e candidato a reeleição Sebastião Viana do sério, que se irritou e tentou diminuí-lo.

Para quem esperava que o debate na tv fosse a grande dificuldade para o candidato Tião Bocalom (DEM) se enganou. Ele acabou sendo a grande vedete do primeiro encontro entre os quatro candidatos que disputam o governo do Acre. E surpreendentemente outro que surpreendeu foi o candidato Antonio Rocha (Psol).

Isso mostra que os marqueteiros ou coordenadores Assem Neto (Bocalom) e Antonio Macedo (Rocha) treinaram bem seus candidatos.

Rocha se apresentou muito a vontade e ao contrário do esperado, demonstrou conhecimento sobrea a realidade do Estado e levou uma mensagem direcionada para servidores públicos. Foi  verdadeiro ao dizer que não fará milagre e que será uma obrigação trabalhar pelo bem comum.

Já Bocalom, bem mais solto e sorridente, esqueceu o velho discurso e ironizou quando teve oportunidade. O melhor momento dele que arrancou sorrisos entre os expectadores do debate, foi quando Sebastião Viana (PT)  confundiu a terra natal de Bocalom com o estado do Pará. “Não é Pará, candidato, é Paraná”, disse Bocalom ironizando. Sebastião aproveitou e na tréplica repetiu Paraná três vezes.

 Perpétua é esquecida por Sebastião durante debate

unnamed-145

Ao finalizarem a participação no debate, a maioria dos candidatos ao governo enalteceram seus aliados que disputam uma vaga para o senado.

Candidato a reeleição, Sebastião Viana falou de quase tudo: só esqueceu de citar o nome de sua candidata ao senado Perpétua Almeida, que nasceu em Porto Walter, próximo a Cruzeiro do Sul. A falta de menção do governador pode causar um mal estar na cúpula da FPA, já que os principais candidatos oposicionistas lembraram dos seus.

O tucano Márcio Bittar foi só elogios ao seu candidato Gladson Cameli. Ele agradeceu a família Cameli de “tê-lo emprestado” para esta campanha, ao lado de sua vice Antônia Sales.

Já o democrata Tião Bocalom, finalizou sua participação lembrando do carinho que tem por seus aliados. Ele lembrou o nome do advogado Roberto Duarte, candidato ao senado, e de seu vice, o deputado federal Henrique Afonso.

Rocha foi outro que não esqueceu os seus. No debate, ele lembrou o trabalho da sua vice, a agricultora Dany Mendonça.  O candidato do PSOL também ressaltou Fortunato Martins, professor e candidato ao senado pelo seu partido.

Ao final de debate, Bittar é carregado por tucanos

unnamed-238

O tucano Márcio Bittar saiu das dependências da TV Juruá para os braços da militância tucana. Contagiado pelo ritmo do debate, Bittar disse o grupo que governa o Acre “esgotou a capacidade criativa”.

Bittar afirmou que o Juruá terá realizado o sonho de Gladson no Senado e pediu para a população arrumar um lugar no coração para seu nome ao governo.

Gladson, Vagner e Antônia Sales ecoaram gritos de ordem empolgados. A militância empolgada carregou Bittar pela rua que dá acesso a TV.

Comentários