Conecte-se conosco





Cotidiano

Covid-19: Quase 70% dos municípios declararam terem sido impactados

Publicado

em

Ouça áudio:

Aproximadamente sete em cada dez municípios avaliam como muito alto os impactos da pandemia nas contas públicas. Esse foi um dos principais resultados obtidos com a pesquisa “Impactos da Covid-19 nos municípios”, divulgado nesta terça-feira (06). A pesquisa inédita foi realizada pelo Programa Cidades Sustentáveis em conjunto com o Ibope Inteligência e ouviu prefeitos e prefeitas ou porta-voz indicado para representar o município.

Ao todo foram analisados 302 municípios brasileiros considerando as proporções da região e, por exemplo, o porte do município, sendo que 54% das cidades participantes da pesquisa possuem mais de 50.000 habitantes. Além disso, foram ouvidos gestores municipais de quase todas as regiões do país, com um total de 14% da região Norte, 25% do Nordeste, 16% do Sul e 46% do Sudeste. Apenas a região Centro-Oeste não aparece com representantes municipais na pesquisa.

Cerca de 69% dos municípios declararam terem sido impactados de forma alta por causa da pandemia da Covid-19, sendo que a região que mais sentiu as dificuldades de gerenciar as políticas públicas durante esse período foi o Nordeste, de acordo com as respostas fornecidas pelos municípios. A pandemia também afetou os programas, medidas ou ações previstas para o desenvolvimento dessas localidades, sendo que a maior parte (73%) destacou ter sido muito afetada, como explica a diretora do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), Patrícia Pavanelli.

“Falando especificamente o quanto a pandemia afetou os programas, medidas e ações previstas pelo município para o desenvolvimento do mesmo, sete em cada dez declararam que a pandemia afetou muito e outros 27% que afetou pouco. E quais são as áreas mais impactadas pela pandemia? De onze áreas que apresentamos, a educação aparece como a mais prejudicada. E quase três em cada dez municípios dizem que a geração de empregos é a segunda área mais afetada”, esclareceu Pavanelli.

O questionário respondido pelos gestores abordou temas como a relação da administração municipal com outras esferas de governo ou setores da sociedade civil, as medidas adotadas no plano de contingência, as ações realizadas para minimizar os efeitos socioeconômicos, e os desdobramentos nas políticas de saúde, educação e mobilidade.

Mudanças no ensino médio são previstas pelo Inep

Política Nacional de Educação Especial é sancionada e promete ampliar atendimento aos estudantes com deficiência

Os representantes das prefeituras também responderam perguntas sobre o aumento das desigualdades, as dificuldades enfrentadas na obtenção de testes para detecção da Covid-19 e temas específicos como violência contra a mulher e disponibilização de indicadores durante a pandemia. Segundo Jorge Abrahão, coordenador Geral do Programa Cidades Sustentáveis, ao analisar essa pesquisa é possível perceber as falhas e pensar em soluções para os problemas que afetam diretamente a população nos municípios.

“Ao termos um estudo que traz esse panorama das cidades, conseguimos ter uma visão que mostra, por um lado, a fragilidade dos grandes municípios brasileiros, a dificuldade que eles estão tendo para realizar a testagem da Covid-19, as questões de geração de renda e oportunidades. A pesquisa também mostra um esforço das prefeituras para enfrentar a pandemia e traz aprendizados”, ressaltou.

A produção dessa pesquisa contou com a parceria da CITinova, que é um projeto multilateral realizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) para a promoção de sustentabilidade nas cidades brasileiras por meio de tecnologias inovadoras e planejamento urbano integrado. Além disso, foram apoiadores na produção da pesquisa, a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), a Associação Brasileira dos Municípios (AMB) e o Instituto Arapyaú, uma instituição privada, sem fins lucrativos, que atua na linha de frente da promoção da sustentabilidade.

Comentários

Em alta