fbpx
Conecte-se conosco

Cotidiano

Com virada relâmpago, Espanha derrota França e se classifica para a grande final da Eurocopa

Publicado

em

Nesta terça-feira, em confronto válido pela semifinal da Eurocopa, a Espanhaenfrentou a França na Munich Football Arena, venceu por 2 a 1 com virada histórica em quatro minutos e garantiu acesso para a final do torneio continental. Lamine Yamal e Dani Olmo balançaram as redes para a seleção espanhola, enquanto Kolo Muani diminuiu para os franceses.

Deste modo, a Espanha se classificou para a grande decisão, onde enfrentará o vencedor do duelo entre Holanda e Inglaterra, que acontece nesta terça-feira, às 16h (de Brasília), no BVB Stadion Dortmund. Do outro lado, a França se despediu da Eurocopa.

A final ocorre no próximo domingo, às 16h, no Estádio Olímpico de Berlim. Já a França retorna aos gramados apenas no dia seis de setembro, diante da Itália, pela primeira rodada da fase de grupos da Liga das Nações.

O placar foi inaugurado pela França logo aos oito minutos do primeiro tempo. Após lançamento de Dembélé, Mbappé dominou pela ponta esquerda e cruzou na segunda trave para Kolo Muani, que subiu mais alto que o zagueiro Laporte e cabeceou para marcar.

A Espanha empatou aos 21 minutos da etapa inicial. Lamine Yamal aproveitou bola rebatida na intermediária, cortou para a canhota e acertou linda finalização, no ângulo direito do goleiro Maignan, que nada pôde fazer.

Aos 25 minutos da primeira etapa, a Espanha virou o jogo. Jesús Navas fez cruzamento pela direita e a defesa cortou, mas a bola sobrou nos pés de Dani Olmo, dentro da área. O meio-campista driblou Tchouaméni, arrematou e, antes de entrar, Koundé desviou, mas não conseguiu evitar o tento que garantiu a vitória e a classificação espanhola.

Gazeta Esportiva

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

“Matadores” no banco dos réus: Dupla que executou adolescente é julgada em Rio Branco

Publicado

em

Os presidiários  Antônio Eules de Souza Gama Borges e Patrick Lima Oliveira, serão julgados nesta terça-feira, 16, em Rio Branco.

A sessão será realizada no plenária da 1ª Vara do Tribunal do Júri, no Fórum Criminal.

Os réus, que seriam , matadores de uma organização criminosa, foram denunciados pelos crimes de homicídio, por três tentativas de assassinato, por receptação, porte ilegal de arma de fogo e também por organização criminosa.

Consta na denúncia, que Antônio Eules e Patrick LIma,  executaram a tiros, o adolescente Jorge Luiz Souza Lino de apenas 15 anos.

Na mesma ação criminosa, a dupla deixou outras três pessoas feridas. Darcifran Eduínio Junior, Wisley da Silva Santos e Carlinda Souza Lino,mãe do adolescente. A dona de casa foi baleada ao tentar salvar o filho.

A sequência de crimes,  aconteceu  na manhã do dia 21 de maio do ano passado, a Travessa do Pescador, região do Belo Jardim.

Antônio Eules e Patrick Lima,de acordo com o Ministério Público do Acre, faziam ataques aleatórios em território de rivais, quando executaram o adolescente, que não tinha qualquer envolvimento com o crime.

Pouco tempos depois, os dois assassinatos foram presos por policiais militares, no Bairro das Placas.

Eles, estavam em um carro, que tinha sido roubado e ainda portavam as armas do crime. Na sede da DEFLA. os dois foram reconhecidos por testemunhas e ainda pelas vitimas.

No mês passado, o presidiário Patrick Lima foi condenado a 33 anos  e 5 meses de prisão pela morte do ex-presidiário Dejesus Souza.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Supostos integrantes de organização criminosa serão julgados pelo Tribunal do Júri, em Capixaba

Publicado

em

O Juízo Criminal da Vara Única de Capixaba decidiu pronunciar dois réus ao julgamento pelo Tribunal do Júri daquela Comarca, pelas supostas práticas dos crimes de homicídio qualificado e integrar organização criminosa.

A decisão, do juiz de Direito substituto Bruno de Menezes, publicada na edição nº 7.573 do Diário da Justiça eletrônico (págs. 113 e 114), considerou que a materialidade dos delitos encontra-se devidamente evidenciada nos autos do processo, havendo, ainda, “indícios suficientes de autoria ou de participação”.

Com a decisão, que não analisa o mérito da questão, caberá agora aos jurados do Conselho de Sentença da unidade judiciária acerca da culpa dos denunciados quanto às práticas narradas pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC). O júri também deverá se pronunciar quanto à possível incidência das qualificadoras (circunstâncias que autorizam o aumento da pena) de motivo fútil e utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Entenda o caso

Segundo o MPAC, o crime de homicídio qualificado teria ocorrido no dia 25 de fevereiro de 2023, no ramal Brasil-Bolívia, na zona rural do município de Capixaba. Os representados teriam agido “de forma livre e consciente e com animus necandi (intenção de produzir o resultado morte)” para matar a vítima Carlos Afonso Muniz de Andrade. A ação teria ocorrido em “comunhão de desígnios e distribuição de tarefas” com o uso de arma branca, conforme o órgão ministerial.

Ainda de acordo com a denúncia do MPAC, os representados fariam parte de uma organização criminosa e teriam matado a vítima pelo simples fato de acreditarem que ela pertenceria a uma facção rival, sendo uma espécie de “olheiro” do grupo.

“Portanto, havendo correlação direta com o crime de homicídio, deve ser levada a presente imputação também a julgamento pelo plenário do júri”, destacou o juiz de Direito substituto na decisão de pronúncia.

O julgamento dos acusados pelo Conselho de Sentença da Comarca de Capixaba ainda não tem data marcada para acontecer.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Governo Federal autoriza construção das unidades do Minha Casa Minha Vida no estado do Acre

Publicado

em

As construções no estado do Acre estão incluídas na portaria 677, de 11 de julho de 2024. Ao todo, serão 250 novas habitações, todas construídas em Rio Branco, capital do estado

O anúncio sobre as casas já havia sido feito no final do mês passado. Foto: assessoria

Com assessoria

Na edição do Diário Oficial da União desta segunda-feira (15), o Ministério das Cidades publicou duas portarias que autorizam a contratação de 8.100 novas unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida, subsidiadas com recursos do FAR (Fundo de Arrendamento Residencial).

Dezesseis estados, incluindo o Acre, serão contemplados com as novas residências que deverão ser construídas em áreas urbanas.

As construções no estado do Acre estão incluídas na portaria 677, de 11 de julho de 2024. Ao todo, serão 250 novas habitações, todas construídas em Rio Branco, capital do estado. O anúncio sobre as casas já havia sido feito no final do mês passado.

O ministro das cidades, Jader Filho, ressaltou a celeridade com que estão sendo tratadas as ações relativas ao programa minha casa minha vida, e que isto teria sido um dos principais direcionamentos repassados pelo presidente Lula.

O financiamento das novas habitações deverão ser enquadradas nos subsídios dados pelo Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que faz parte do programa “Minha Casa, Vida”.

Se você sonha em ter a casa própria, descubra agora como esse programa funciona.

Confira

O que é o Minha Casa, Minha Vida?

O Minha Casa, Minha Vida é um programa habitacional do Governo Federal que tem como intuito facilitar o acesso de pessoas de baixa renda à moradia. Isso é feito por meio de subsídios oferecidos pelo governo e pela garantia de taxas de juros mais baixas.

Com esses benefícios, as famílias de baixa renda conseguem adquirir um imóvel com muito mais facilidade. O programa habitacional Minha Casa, Minha Vida é dividido em três faixas de renda, sendo que cada uma delas apresenta regras e benefícios específicos.

Quando o Minha Casa, Minha Vida foi criado?

O Minha Casa, Minha Vida foi criado inicialmente em 2009, sob gestão do Ministério das Cidades, sendo substituído em 2019 pelo programa habitacional Casa Verde e Amarela (CVA).

Com a substituição, o benefício voltado para ajudar pessoas de renda mais baixa a realizarem o sonho da casa própria seguiu com algumas regras modificadas. Já no ano de 2023 esse programa foi relançado e voltou a se chamar oficialmente Minha Casa, Minha Vida.

O que muda no Minha Casa, Minha Vida em 2024?

A principal novidade do Minha Casa, Minha Vida 2024 é que o governo ampliou o orçamento do programa para R$ 13,7 bilhões, o que representa uma alta de cerca de 41% em relação ao ano anterior.

Além disso, o Ministério das Cidades anunciou que vai selecionar mais de 187 mil moradias para as famílias que estão enquadradas na faixa 1 do programa habitacional. Já as regras de participação do MCMV e as faixas de renda contempladas se mantêm inalteradas.

Quem tem direito ao programa Minha Casa, Minha Vida?

As famílias residentes em áreas urbanas com renda mensal bruta de até R$ 8 mil e os moradores das áreas rurais com renda anual bruta de até R$ 96 mil podem ter acesso a esse financiamento habitacional.

Benefícios sociais, assistenciais ou previdenciários, como Bolsa Família, auxílio doença ou seguro desemprego, não são considerados como renda para fins de avaliação do programa.

Não existe uma renda mínima estipulada para obter o financiamento do Minha Casa, Minha Vida. No entanto, é válido ter em mente que as parcelas negociadas não devem comprometer mais do que 30% da sua renda mensal.

Quais são as faixas de renda que podem participar do programa e quais são as restrições?

As faixas de renda do programa são divididas em três tipos de famílias, considerando áreas urbanas e rurais:

Renda familiar urbana
  • Faixa 1: famílias com renda bruta de até R$ 2.640;
  • Faixa 2: renda bruta familiar mensal de R$ 2.640,01 a R$ 4.400;
  • Faixa 3: renda bruta familiar mensal de R$ 4.400,01 a R$ 8.000.
Renda familiar rural
  • Faixa 1: famílias com renda bruta de até R$ 31.680;
  • Faixa 2: renda bruta familiar anual de R$ 31.680,01 até R$ 52.800; e
  • Faixa 3: renda bruta familiar anual de R$ 52.800,01 até R$ 96.000.

Como funciona o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida?

Esse programa é um tipo de financiamento habitacional. Isso significa que o valor financiado deve ser utilizado apenas para o pagamento das prestações do imóvel. Além disso, é importante esclarecer que as taxas bancárias e outros pagamentos ficam a cargo da família. Em alguns casos, o MCMV também oferece subsídios.

Para ter acesso a esse financiamento, é necessário se enquadrar em uma das faixas e nas regras do programa, apresentar os documentos solicitados e adquirir uma propriedade cujo valor esteja dentro do teto do MCMV — que varia entre R$ 190 mil a R$ 264 mil para as famílias das faixas 1 e 2, dependendo da região do país. Já para quem se enquadra na faixa 3 esse valor é de R$ 350 mil.

Outra informação importante para quem quer saber como funciona esse programa são as taxas de juros praticadas nesse financiamento habitacional. A taxa cobrada das famílias da faixa 1 varia de 4% a 5% ao ano.

Para os beneficiários da faixa 2 essa taxa pode variar entre 4,75% a 7%, dependendo da renda dos beneficiários. Já os juros cobrados para as famílias da faixa 3 variam entre 7,66% a 8,66%.

Como funciona o subsídio no Minha Casa, Minha Vida?

O programa também oferece imóveis subsidiados para algumas famílias. Ou seja, o governo pode arcar com mais de 90% do valor da propriedade para as famílias enquadradas na faixa 1. Nesse caso, o valor máximo da unidade habitacional deve ser de R$ 170 mil para as áreas urbanas e R$ 75 mil para as regiões rurais.

Também existe o subsídio por meio do FGTS, que contempla as famílias das faixas 1 e 2 e subsidia até R$ 55 mil no valor de entrada da propriedade. As famílias da faixa 3 não têm direito de receber subsídios.

Regras do Minha Casa, Minha Vida

Se você percebeu que a sua renda se enquadra em uma das faixas do programa habitacional, confira a seguir quais são as regras para participar do Minha Casa, Minha Vida 2024:

  • Atender aos critérios específicos definidos pelo governo federal e pelas prefeituras municipais;
  • Comprovar capacidade de pagamento das prestações do financiamento;
  • Estar em dia com obrigações financeiras junto aos órgãos públicos;
  • Não possuir imóvel próprio;
  • Não possuir restrições de crédito;
  • Não ser empregado(a) da Caixa Econômica Federal (e nem ser casado(a) com um);
  • Não ter sido beneficiado por outro programa habitacional do governo;
  • Não ter sido condenado por crimes relacionados à habitação ou ao programa habitacional;
  • Possuir capacidade civil para assinar contratos;
  • Residir na cidade onde deseja adquirir o imóvel;
  • Ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente no país;
  • Ter idade mínima de 18 anos ou ser emancipado;
  • Ter o cadastro aprovado pelo órgão responsável pelo programa na cidade;
  • Ter renda familiar dentro das faixas estabelecidas pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

Algumas famílias têm prioridade nesse programa habitacional, são elas:

  • Famílias que tenham uma mulher como responsável pela unidade familiar;
  • Famílias que tenham na composição familiar pessoas com deficiência, idosos e crianças e adolescentes;
  • Famílias em situação de risco e vulnerabilidade;
  • Famílias em áreas em situação de emergência ou de calamidade;
  • Famílias em deslocamento involuntário em razão de obras públicas federais;
  • Famílias em situação de rua.

Lembrando que para se qualificar é necessário o atendimento às regras e elas podem variar de acordo com a região e as políticas específicas de cada município.

Quem tem nome sujo pode participar do Minha Casa, Minha Vida?

Para esclarecer uma das principais dúvidas: pessoas que possuem dívidas não pagas registradas no SPC e Serasa não são elegíveis para obter financiamento do Minha Casa, Minha Vida, incluindo seus cônjuges em caso de casamento.

Portanto, caso haja dívidas pendentes registradas nessas agências de crédito, é essencial regularizar a situação e eliminar qualquer histórico negativo antes de prosseguir com o processo.

Além disso, é importante observar que a Caixa Econômica Federal consulta o CADMUT após verificar as informações do SPC e Serasa. O CADMUT mantém registros de contratos de financiamento habitacional no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e em programas federais.

No contexto do Minha Casa, Minha Vida, é permitida apenas uma participação por indivíduo. Adicionalmente, a Caixa também avalia o histórico financeiro por meio do Registrato, uma base de dados mantida pelo Banco Central.

Quais são as etapas do processo?

Antes de mostrar as etapas do processo de inscrição no programa, confira quais são os documentos que devem ser apresentados para fazer o cadastro no MCMV:

  • Documento de identificação com foto (RG ou CNH);
  • CPF;
  • Carteira de trabalho;
  • Comprovante de Renda;
  • Comprovante de estado civil;
  • Título de eleitor;
  • Comprovante de residência;
  • Caso tenha filhos menores de idade, apresentar as certidões de nascimento e o CPF deles;
  • Caso seja portador de necessidades especiais, apresentar um laudo médico com CID.

Inscrição

A seguir, listamos um passo a passo para você ter uma ideia de como se inscrever no programa de acordo com cada faixa.

Cadastro Faixa 1

Os beneficiários que se enquadram na faixa 1 devem procurar a prefeitura do município no qual residem para se inscrever no programa ou uma entidade organizadora para se inscrever no programa. Lembre-se de levar a documentação exigida nessa ocasião.

As pessoas que estão em situação de rua também devem procurar a prefeitura da cidade para fazer ou atualizar o cadastro no CadÚnico para poderem participar do programa habitacional.

Cadastro Faixas 2 e 3

Quem se encontra nas faixas 2 e 3 precisa escolher um imóvel cujo valor esteja dentro do limite estipulado para o Minha Casa, Minha Vida. Depois, será necessário fazer uma simulação de financiamento no site da Caixa.

O passo seguinte é juntar os documentos apresentados, nesse caso, é necessário incluir a documentação do imóvel desejado, e ir até uma agência da Caixa para solicitar esse financiamento habitacional.

Análise da Caixa Econômica Federal

A análise da Caixa pode levar até 30 dias para ser concluída. Nesse período, o banco vai avaliar se você se encaixa nas regras do Minha Casa, Minha Vida e se tem condições de pagar o financiamento.

Após fazer a sua solicitação junto ao banco, você pode acompanhar a aprovação dos documentos por meio do site Acompanhe sua proposta. Depois dos 30 dias, a Caixa vai entrar em contato informando se aprovou ou não a sua solicitação. Em caso positivo, será necessário ir até a agência assinar o contrato.

Construção do imóvel

Muitos imóveis do Minha Casa, Minha Vida são comprados na fase de construção. Portanto, será preciso esperar a construtora finalizar as obras para poder usufruir da unidade habitacional.

Contudo, comprar um imóvel na planta tem algumas vantagens, como poder parcelar o valor da entrada diretamente com a construtora e escolher os acabamentos que serão usados na propriedade.

Entrega de chaves

Após a finalização das obras, a construtora entrega as chaves aos proprietários, que vão poder usufruir do imóvel. Contudo, mesmo já morando no local, é necessário continuar pagando as parcelas da linha de crédito até acabar de pagar o financiamento.

Como funciona o FGTS no Minha Casa, Minha Vida?

Você sabia que para além dos benefícios do programa, é possível utilizar o seu FGTS para financiar seu imóvel próprio?

Pois bem, a quantia disponível do FGTS pode ser utilizada para completar o valor da entrada do imóvel ou mesmo para quitar algumas parcelas, desde que sejam atendidos alguns pré-requisitos, como:

  • Ter pelo menos 36 meses de trabalho sob o regime do FGTS. Esse tempo, pode ser a soma de períodos ou empresas diferentes;
  • Não ter financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH);
  • Não ter usado o saldo de FGTS para comprar outro imóvel ou abater saldo devedor nos últimos 5 anos.

Dúvidas e outras informações

Se até aqui você tem dúvidas e precisa de outras informações, pode acessar o guia dos beneficiários no site governamental, para se informar mais sobre o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida.

Comentários

Continue lendo