Conecte-se conosco





Cotidiano

Área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho foi a maior da série histórica, aponta Inpe

Publicado

em

Foto mostra homem medindo árvore depois de cortá-la em Itaituba, oeste do Pará, no dia 7 de agosto de 2017 – Foto: Nacho Doce/Arquivo/Reuters

A área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho foi de 1.062 km² da floresta, a maior para o mês o início de monitoramento do sistema Deter-B, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 2016.

Junho é o quarto mês consecutivo em que os índices de desmatamento batem recordes históricos mensais. O período também conseguiu ultrapassar o recorde registrado em junho de 2020, quando 1.043 km² ficaram sob alerta (veja gráfico mais abaixo).

O primeiro semestre de 2021 também teve a maior área sob alerta de desmatamento em seis anos.

Além do desmatamento, a Amazônia enfrentou, no mês passado, o maior número de focos de queimadas em 14 anos para o mês de junho.

A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro e engloba a área de 8 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

Os alertas de desmatamento foram feitos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Inpe, que produz sinais diários de alteração na cobertura florestal para áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²), tanto para áreas totalmente desmatadas como para aquelas em processo de degradação florestal (exploração de madeira, mineração, queimadas e outras).

O Deter não é o dado oficial de desmatamento, mas alerta sobre onde o problema está acontecendo. A medição oficial do desmatamento, feita pelo sistema Prodes, costuma superar os alertas sinalizados pelo Deter.

Os dados oficiais englobam agosto de um ano a julho do ano seguinte, por causa das variações do clima: com essa divisão do tempo, pesquisadores conseguem levar em conta o ciclo completo de chuva e seca na Amazônia, analisando como o desmatamento e as queimadas no bioma oscilaram dentro dos mesmos parâmetros climáticos.

Os últimos dados divulgados pelo Prodes apontaram que a área desmatada na Amazônia Legal foi de 11.088 km² na temporada de 2019 a 2020 (de agosto de 2019 a julho de 2020).

Desmatamento anual deve superar 10 mil km², dizem entidades

Tanto o Observatório do Clima, rede de 56 organizações da sociedade civil, como a ONG WWF Brasil afirmam, em notas, que os números de junho apontam que o país deve superar os 10 mil km² de desmatamento quando os números oficiais forem divulgados.

“O governo Bolsonaro perdeu duas décadas de combate ao desmatamento em dois anos. Provavelmente precisaremos de outras duas para recuperar o legado desse desmonte”, ressaltou Maurício Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil.

“A destruição da Amazônia e do Cerrado coloca em risco a segurança hídrica do país e, por consequência, nossa segurança energética, com sérias consequências para toda a economia. Essa provavelmente será a herança deste governo”, completou Voivodic.

Para o Observatório do Clima, “não há controle do desmatamento. O governo renunciou à obrigação de combater o crime ambiental. Além de discursos contra o Ibama e o ICMBio, Bolsonaro promoveu mudanças em normas e imobilizou a estrutura de fiscalização”.

O mês passado também marcou a queda do ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Salles é alvo de inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), por ter supostamente atrapalhado investigações sobre a maior apreensão de madeira da história brasileira.

O nome que substituiu Salles, Joaquim Álvaro Pereira Leite, ocupava o cargo de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do ministério. Antes, o agora chefe da pasta de Meio Ambiente foi conselheiro da Sociedade Rural Brasileira (SRB), uma das organizações que representam o setor agropecuário no país.

“Desde o início, o regime Bolsonaro sabota os órgãos de fiscalização ambiental e adota medidas para favorecer quem destrói nossas florestas. Os altos índices de desmatamento não ocorrem por acaso: são resultado de um projeto do governo. Bolsonaro é hoje o pior inimigo da Amazônia”, afirmou, em nota, Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Exército na Amazônia é ‘caro’ e ‘ineficaz’, diz ONG

Em nota, o Greenpeace Brasil afirmou que, “apesar dos números crescentes, o governo federal insiste em manter uma operação cara e comprovadamente ineficaz em lidar com o problema, enviando as tropas militares” para combater o desmatamento na Amazônia.

“Esse tipo de operação vem, há dois anos, mobilizando recursos públicos muitas vezes superiores ao orçamento anual do Ibama para fiscalização e um grande número de militares sem efetividade na prevenção do desmatamento e queimadas”, diz a ONG.

“Além de não evitar o desmatamento, o próprio governo divulgou os 26 municípios onde atuarão as Forças Armadas, o que compromete o ‘elemento surpresa’ necessário para encontrar e punir criminosos”, pontuou o Greenpeace.

“Ao invés dos parlamentares estarem focados em conter os impactos da pandemia e combater o crime que avança na floresta, e que não só queima nossas riquezas naturais, mas também a imagem e a economia do país, eles tentam aprovar projetos que irão acelerar ainda mais o desmatamento, os conflitos no campo e a invasão de terras públicas”, afirmou Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia do Greenpeace.

Comentários

Em alta