Conecte-se conosco





Geral

Acre vai entregar relatório ao ministro da Integração reivindicando recuperação completa da BR-364 no estado

Publicado

em

Petrônio Antunes, do Deracre, afirma que a recuperação total da estrada demandaria recursos da ordem de R$ 500 milhões e que de pouco adiantaria obras de tapa-buracos ou simplesmente emergenciais

Assessoria

Um grupo de empresários acreanos pretende encaminhar ao presidente Bolsonaro, em sua visita para a inauguração da ponte do Madeira um estudo reivindicando a recuperação dos pontos considerados mais críticos da BR-364, no trecho entre Rio Branco/Cruzeiro do Sul. Junto com o diretor presidente do Deracre, Petrônio Antunes, último fim de semana, os engenheiros e tecnólogos, ligados ao Deracre e ao CREA constataram graves e urgentes problemas que necessitam de atenção urgente.

Entre eles, estreitamento de alguns trechos da pista, comprometimento das cabeceiras de algumas pontes, especialmente a ponte sobre o Rio Tarauacá, na entrada desta cidade, desbarrancamento das encostas e a desobstrução de bueiros que apartaram a pista durante o período invernoso.

O presidente do Deracre Petrônio Antunes afirmou que existe urgência na retomada dos serviços de recuperação da rodovia para garantir a trafegabilidade dos veículos na época do inverno e do verão, Sem essa manutenção ele não afasta o risco da estrada ser fechada, destacando que os problemas mais críticos estão no trecho entre Sena Madureira e Feijó.

A comitiva se reuniu separadamente com os prefeitos de Sena Madureira, Feijó e Tarauacá, que ressaltara, a importância da restauração dos trechos que cortam os seus municípios para garantir a trafegabilidade da estrada.

A presidente do CREA, Carmen Bastos Nardino confirmou previsão de Petrônio Antunes de que um documento com as análises técnicas deve ser entregue ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes na solenidade de inauguração da Ponte do Rio Madeira, que contará com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro. Seria a oportunidade ideal para abordar a questão e colocar o problema da recuperação da BR-364 no centro do debate.

Petrônio Antunes, do Deracre, afirma que a recuperação total da estrada demandaria recursos da ordem de R$ 500 milhões e que de pouco adiantaria obras de tapa-buracos ou simplesmente emergenciais, pois os estragos são profundos e exigem imediata intervenção para que a estrada não corra o risco de fechar.

Relatório

A visita técnica à rodovia, realizada no final de semana do Dia do Trabalhador avaliou a situação do tráfego na rodovia federal que interliga os municípios de Rio Branco, Bujari, Sena Madureira, Manuel Urbano, Feijó, Tarauacá, Rodrigues Alves e Cruzeiro do Sul.

A ação política e elaboração do relatório técnico visa obter comprometimento do governo federal com a recuperação da rodovia de integração do estado. A superintendência estadual do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Acre (DNIT/AC) conta com apenas com R$10 milhões para retomada as frentes de trabalho da BR-364 no trecho de Sena Madureira/Tarauacá. A direção nacional do DNIT conta com recursos muito limitados para a operação tapa-buraco nos pontos mais críticos da rodovia federal, além do trabalho de drenagem nas encostas para evitar desbarrancamento.

Para Petrônio Antunes essa mera ação de atendimento pontual e emergencial não será capaz de solucionar os problemas e lembra que a rodovia federal só não fechou no inverno de 2020 e começo deste ano, porque a superintendência local contou com o apoio do governo do Estado para recuperação de alguns pontos da pista que foram apartados na altura do Igarapé Maracanãzinho que arrancou um bueiro no quilômetro 535 do trecho Tarauacá/ Cruzeiro do Sul. Também o igarapé Cajazeiras rompeu o bueiro na altura do quilômetro 280 no mês de fevereiro deste ano. Foi preciso jogar 250 metros cúbicos de brita adquirida de uma pedreira de Rondônia, para garantir a elevação da pista para a retomada do tráfego de veículos na rodovia federal.

O Ministério da Infraestrutura liberou apenas R$ 3 milhões para que todas as superintendências do DNIT no país, possam retomar as frentes de serviços.

Degradação

Um estudo de recuperação da rodovia BR-364 entre trecho Sena Madureira/Cruzeiro do Sul (no Vale do Juruá) apontou a necessidade de um desembolso de mais de R$ 1 bilhão, que corresponde atualmente, por 30% dos recursos previstos para o orçamento desse ano do DNIT. Pelo menos metade desse valor deveria ser usado de forma imediata, para garantir as obras necessárias da estrada para evitar sua degradação e consequente fechamento em curto prazo.

Para os especialistas, na última década, o serviço executado de envelopamento do leito base e tabatinga no trecho de Sena Madureira/Tarauacá ficou completamente comprometido. A utilização do solo-cimento no trecho de Tarauacá/Cruzeiro do Sul não apresentou o resultado esperado. O levantamento aponta como alternativa a técnica da camada betuminosa, uma tecnologia que vem apresentando resultados animadores no exterior. Outra técnica possível, segundo conclusões de engenheiros especialistas seria a utilização da brita, com a espuma asfáltica para evitar os problemas de infiltração devido às condições climáticas da região. A nova tecnologia vem sendo muito utilizada na recuperação de outras rodovias federais, mas que não foi testada nas condições acreanas.

Para Petrônio Antunes, as obras da BR-364 são essenciais para o Acre e não podem mais ser adiadas. Ele mostra confiança em sensibilizar, com apoio do governador Gladson Cameli e da bancada acreana, o governo federal para investir na rodovia que é fundamental para a integração do estado.

Comentários

Em alta