Coluna do Nelson Liano Jr.

A sensação de segurança ainda não é uma realidade para a maioria dos acreanos. Sobretudo na Capital a criminalidade está descontrolada. Os assassinatos, grande parte de jovens, continua assolando a cidade e enlutando centenas de famílias. Evidentemente que o atual Governo tem apenas sete meses de trabalho. Mas pelas promessas feitas dava pra se imaginar que a situação estaria melhor.

Mesmo porque não acredito que essa onda de violência irá terminar num passe de mágica. Afinal não se está lidando com criminosos comuns. A verdade é que ao longo do tempo houve organização de grupos interessados na precariedade de vigilância das fronteiras do Acre com o Peru e a Bolívia e o Estado acabou se tornando um corredor de tráfico. Não será fácil desbaratar as facções que se instalaram por aqui. Na minha opinião, só mesmo um serviço de inteligência muito apurado para começar a mudar as coisas.

Ousadia sem limites
A tentativa de roubar o carro do presidente do Tribunal de Justiça Francisco Djalma em frente a um restaurante de elite em Rio Branco mostra que não apenas os “pobres” podem ser vitimas da violência. Na ação de três bandidos um deles foi morto pelos seguranças do Desembargador. Agora, a cena nos remete a uma ousadia sem limites.

Grupo de fronteira
A Polícia do Acre não está parada. Começa operar em setembro o Grupo Especial de Operações em Fronteira (GEFRON) com o comando do Coronel Ulysses. Integrado por policiais militares e civis as operações do GEFRON pretendem inibir o tráfico de drogas. Serão realizadas ações inesperadamente em diferentes regiões dos mais de dois mil quilômetros de fronteiras entre o Acre o Peru e a Bolívia.

Correndo atrás
Também nesta semana o governador Gladson Cameli (Progressistas) se encontrou com o Ministro da Justiça Sérgio Moro. Foi pedir liberação de recursos para aparelhar melhor as policias do Acre. Mas pelo quadro que estamos vendo a ajuda do Governo Federal deve ser urgente. A cada dia que passa mais jovens estão morrendo e a sociedade acuada em suas casas com medo de ir pra rua.

Desgaste político
Quem assumiu a liderança da segurança na atual gestão foi o vice Major Rocha (PSDB). Por isso, deve ser o maior interessado em reverter esse quadro caótico no setor. Mas apenas números não vão resolver a questão. É preciso que a paz e a tranquilidade seja realmente sentida pela população. A hora de discursos já passou e serão precisos ações consequentes para que a sociedade acreana possa se sentir segura novamente.

Intervenção Federal
Pelo menos dois membros da Bancada Federal do Acre levantaram a hipótese de uma intervenção na segurança do Acre. A deputada federal Perpétua Almeida (PC do B) e o senador Sérgio Petecão (PSD) ventilaram a presença de forças federais para auxiliar o Estado a combater a criminalidade descontrolada. Se não tiver outro caminho não vejo nada demais.

Afinal o Acre faz parte do Brasil e a responsabilidade é também do Governo Federal. Ainda mais que a droga que passa por aqui acaba provocando violência em outros estados brasileiros. Portanto, a realidade que se vive hoje das organizações criminosas não está localizada. Se apenas o Acre fosse o problema seria fácil de resolver. Mas trata-se de uma rede que coloca em risco a segurança nacional como um todo.

Consequências econômicas
A violência poderá interferir na economia do Acre. Qual empresa irá se instalar por aqui pra gerar os empregos necessários sem uma segurança funcionando a contento? Fica difícil. Portanto, se apresentou qual deve ser a prioridade do atual Governo. As ações policiais precisam ser acompanhadas de inciativas sociais que deem perspectivas ao jovens acreanos de uma vida melhor.

Sem oportunidades muitos são presas fáceis das facções que oferecem aquilo que o Estado não está dando. Os territórios dominados pela criminalidade precisam ser retomados pelo poder público. Não é possível que o comando de muitos bairros na Capital e no interior continuem nas mãos de facções. As forças de segurança sabem quais são os territórios dominados e se não tiverem capacidade de fogo realmente precisam pedir ajuda às forças nacionais.

Comentários