Conecte-se conosco

Brasil

Varíola do macaco pode se tornar endêmica no Brasil por falta de plano e dimensão territorial

Publicado

em

Especialistas explicam obstáculos para frear disseminação do vírus; o Ministério da Saúde diz que ampliou capacidade de diagnóstico e aumentou as orientações para profissionais de saúde

Lesões na pele causadas pela varíola do macaco
ARQUIVO PESSOAL

O Brasil tem avançado rapidamente no ranking mundial de casos de varíola do macaco e já chega a quase 7.000 casos de infectados, sendo, ao lado de Estados Unidos e Espanha, os únicos países do mundo a superar as 6.000 pessoas doentes.

Dois meses e meio depois da primeira infecção pelo monkeypox registrada no país, as autoridades federais não apresentaram um plano efetivo para combater a disseminação do vírus monkeypox , e o Ministério da Saúde também não declarou estado de emergência, o que dificulta um atuação independente por parte dos estados e municípios.

A demora para agir, segundo especialistas ouvidas pelo R7, aumenta as chances de que a doença se torne endêmica no país, o que significa a não erradicação do vírus — diferentemente do que ocorreu com a varíola humana há 51 anos — e surtos frequentes, assim como ocorre com a dengue, por exemplo.

Para a epidemiologista e professora da Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) Ethel Maciel, o governo não agiu a tempo de evitar que o monkeypox se tornasse um problema para o Brasil, não só por não fazer o controle sanitário nas fronteiras do país, como também por não propor uma comunicação informativa com a população.

“O Brasil falhou, da mesma forma que falhamos com a Covid. Parece que aprendemos pouco. Há uma dificuldade de diagnóstico, os testes estão se acumulando, as pessoas têm uma demora para receber o resultado”, afirma Ethel. “É uma situação crítica, nós estamos, infelizmente, deixando a doença se espalhar”, argumenta.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou, em 23 de julho, emergência de saúde pública global.

No entanto, apenas no dia 5 de agosto o Ministério da Saúde divulgou o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox, um documento de 31 páginas com definições relativas à doença, como sintomas e tratamento, além de tópicos com medidas que a pasta pretende implementar para controlar a situação da varíola do macaco no país.

Entre os tópicos estão: levantar a disponibilidade nos hospitais de referência de leitos de internação com isolamento e leitos de unidade de terapia intensiva — UTI com isolamento para casos graves; e promover capacitações para atualização dos profissionais de saúde para a gestão clínica e laboratorial dos casos.

Para a virologista Camila Malta, pesquisadora do Laboratório de Investigação Médica do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e do Instituto de Medicina Tropical, o documento não pode ser considerado um plano de ação.

“Um plano de contingência não é dizer o que é necessário fazer, mas de que forma eles vão fazer isso, quando vai começar, como vai acontecer os treinamentos. Tem que ser bem direcionado […] não adianta estar em um papel há uma semana e não acontecer. A minha posição é de que nada de concreto foi feito até agora”, afirma.

Em nota enviada ao R7, o Ministério da Saúde afirmou que algumas ações propostas pelo plano já estão em prática, como a ampliação da capacidade de diagnóstico da doença.

Veja a nota na íntegra:

Ministério da Saúde mobiliza o Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública para Monkeypox (COE-Monkeypox), que compõe a definição de todas as ações estratégicas das áreas técnicas do MS, Anvisa, CONASS, CONASEMS, OPAS e Fiocruz para a doença. 
Criação de uma página especial no portal do Ministério da Saúde, atualizada diariamente, inclusive com as dúvidas mais frequentes (Faq) sobre varíola dos macacos, que também são recorrentemente atualizadas

Publicação de nota técnica com orientações para profissionais de saúde, gestantes, puérperas e lactantes;

Ampliação da capacidade diagnóstico da doença, passando de quatro para oito laboratórios de referência com capacidade de cobertura para todas as UF.

Lançamento do Plano de Contingência Nacional para Monkeypox com informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e orientações assistenciais para a gestão dos casos;

Realização de webinário com orientações para profissionais de saúde na identificação clínica, no manejo, na instituição de medidas de prevenção adequadas e controle da varíola dos macacos;

Veiculação de materiais com informações específicas para orientar o atendimento de pacientes;

Solicitação de excepcionalidade para uso dos kits da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);

Tratativas com a empresa para aquisição do antiviral Tecovirimat;

Publicação de uma resolução, pela Anvisa, para dispensa excepcional de importação de medicamentos e vacinas para varíola dos macacos;

Lançamento da Campanha Nacional e do oitavo Boletim Epidemiológico em coletiva de imprensa;
 
O Ministério da Saúde também segue em tratativas junto a entidades internacionais e a OPAS/OMS para aquisição de vacinas. Desde a mobilização do COE, ações de comunicação para orientações voltadas para a população geral e ações especificas para públicos específicos têm sido realizadas. Reuniões com representantes da sociedade civil estão sendo realizadas para orientações de populações-chave. A produção de materiais informativos está sendo realizada e disponibilizada por meio do site do MS, bem como sendo ampliada nas mídias sociais do MS.

As dificuldades para frear o avanço do monkeypox

 

Mesmo que o Ministério da Saúde desempenhe um papel decisivo neste cenário, um país da dimensão do Brasil pode apresentar uma série de obstáculos para conter o avanço de uma doença infecciosa, segundo a virologista Camila Malta.

O primeiro deles é a falta de imunidade da população contra os patógenos da família orthopoxvirus, da qual pertence o monkeypox.

“Quem nasceu antes de 1977, provavelmente tomou a vacina [contra a varíola], quem nasceu depois, não. No caso da gripe, que a pessoa pega em um ano e talvez esteja protegida no próximo, mesmo sendo uma linhagem um pouco diferente [do vírus], existe uma certa proteção e, ainda, a vacina. No caso da varíola do macaco, não tem nem a vacina nem um vírus parecido que possa ter gerado alguma imunidade parcial, então estamos completamente vulneráveis”, afirma a especialista.

A falta de imunidade natural soma-se, ainda, à dificuldade que o país enfrenta para fazer o diagnóstico da doença. Até o momento, conforme descreve o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox, apenas oito laboratórios estão aptos para realizar os testes de detecção do vírus.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que até o fim de agosto todos os laboratórios públicos do país terão testes para diagnóstico da doença.

“Estamos diagnosticando de forma lenta, isolando de forma lenta, com certeza, com muita subnotificação [de casos], porque as pessoas não sabem onde procurar o serviço, o que que tem que fazer, quais exatamente os sinais e sintomas. A própria apresentação da doença tem muita diversidade, nem sempre ela se apresenta dessa forma [com lesões numerosas na pele]”, destaca a epidemiologista Ethel Maciel.

Vale ressaltar que, no caso da varíola do macaco, as pessoas infectadas precisam ficar isoladas até o desaparecimento total das lesões na pele, o que pode se prolongar por mais de três semanas. Até que isso aconteça, a transmissão do vírus tende a ocorrer de forma mais eficaz.

Apesar de não haver uma recomendação da OMS para vacinação em massa, a falta de vacinas para evitar a infecção pelo monkeypox também pode se tornar um entrave caso o vírus se espalhe em grandes proporções.

Em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, a transmissão já é considerada comunitária, ou seja, qualquer pessoa está sujeita a pegar a doença, independentemente de viagem ou contato com alguém que viajou para um país com surto registrado.

O Ministério da Saúde comprou 50 mil doses do imunizante do laboratório dinamarquês Bavarian Nordic, que devem chegar ao país em dois lotes, sendo o primeiro em setembro e o segundo em novembro.

Essas vacinas serão destinadas a profissionais de saúde que tenham contato com amostras de lesões de pacientes, além de pessoas que tenham contato próximo com alguém infectado. Cada pessoa recebe duas doses em um intervalo de quatro semanas.

“O Brasil é tido pela OMS como o país com o maior crescimento de número de casos de varíola do macaco no mundo. Então, a importação de 50 mil doses de vacina não dá para nada, [mesmo que ainda não tenha] uma produção massiva dessa vacina no mundo, ela está racionada para todos os países. Assim como fazer testagem não quer dizer contenção, se não tiver uma medida sendo tomada em fronteiras ou em aeroportos”, afirma a virologista.

Além das questões técnicas e biológicas que envolvem a contenção do vírus, há ainda o fator comportamental.

Em um contexto geral, não só os brasileiros, como toda a população mundial, vive um cenário de relaxamento das medidas de proteção contra o coronavírus, então, pode ser difícil a missão de incentivar a volta de alguns hábitos, como o uso constante de máscara, para os que estão infectados ou com suspeita, e distanciamento físico.

“Com a vacinação, as pessoas estão com uma sensação de liberdade muito maior, então a verdade é que ninguém mais quer ouvir falar sobre máscara, em contenção e em distanciamento. Então isso é um risco que eu acho que já de imediato as pessoas estão se colocando por não estarem abertas a novas diretrizes e medidas de segurança”, destaca Camila.

Apesar do cenário, a epidemiologista Ethel Maciel explica que erradicar uma doença não é tarefa simples.

“Até hoje só conseguimos erradicar a varíola humana. Erradicação é a última etapa: primeiro controla, depois elimina […] Certamente a varíola do macaco, em algum momento, se tornará uma doença endêmica, quando teremos um número de casos e de óbitos estabilizado”, afirma.

Comentários

Brasil

Em meio à crise de confiança, governo Lula nomeia 122 militares para o GSI

Publicado

em

Palácio do Planalto, local que abriga o Gabinete de Segurança Institucional (GSI)
ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

Segundo portaria, integrantes das Forças Armadas vão ocupar cargos de secretário, assistente, especialista e supervisor

Em meio à desconfiança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com os militares, o governo federal nomeou, nesta segunda-feira (30), 122 membros das Forças Armadas para cargos no Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

As nomeações, publicadas no Diário Oficial da União (DOU), são assinadas por Leonardo Pinheiro Rua, diretor-adjunto do Departamento de Gestão do GSI, vinculado à Presidência da República. Pela portaria, os militares vão atuar nos cargos de supervisor, assistente, secretário e especialista.

Dos 122 militares nomeados, apenas um integrante foi alocado para o posto de assistente no Escritório de Representação do órgão no Rio de Janeiro — é o caso do sargento João Antônio de Farias Nascimento. Os demais foram lotados no GSI da Presidência da República, em Brasília.

A descrença do presidente fez com que, até o momento, 95 membros das Forças Armadas, lotados no GSI e em outros órgãos da Presidência da República, fossem dispensados.

As nomeações ocorrem após declarações que demonstram desconfiança de Lula em relação aos militares. Durante um café da manhã com jornalistas, o presidente disse que contratou pessoas em quem confia para os cargos de ajudantes de ordem, posto que era ocupado por militares no governo anterior.

Na sequência, o presidente afirmou estar convencido de que alguém facilitou a entrada de extremistas durante a invasão, em 8 de janeiro, das sedes dos Três Poderes, em Brasília. “Teve muita gente conivente, muita gente da PM conivente, muita gente das Forças Armadas conivente”, disse Lula.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Sem visitantes, Machu Picchu está em ‘queda livre’ após protestos no Peru

Publicado

em

Situação afeta comunidades que dependem do turismo neste destino, que atraía 4,5 milhões de pessoas antes da pandemia

Vazio, o portão de entrada de Machu Picchu, no Peru, é o retrato do país, onde violentos protestos espantam turistas desde dezembro de 2022, o que afeta comunidades inteiras que dependem do turismo neste popular destino
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

“Olha, não tem nada, está vazio”, diz Juan Pablo Huanacchini Mamani, o “Inca”, que atende turistas vestido com um traje tradicional de tecidos coloridos, sandálias e enfeites dourados que brilham ao sol
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

Desde o início de dezembro, os protestos que têm sacudido o país já deixaram 48 mortos. As manifestações pedem a renúncia da presidente Dina Boluarte, que assumiu o cargo após a destituição e a prisão do presidente Pedro Castillo, em 7 de dezembro, por ter tentado dissolver o Parlamento
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

Em meio aos protestos, a cidade que costumava receber milhares de visitantes hoje vê apenas cerca de cem pessoas chegarem nos fins de semana. Estes são os dois únicos dias permitidos pelos manifestantes, uma concessão para que os habitantes possam sobreviver
Cris Bouroncle/AFP – 29.1.2023

 

“Vivemos do turismo […] Agora estamos com falta de gente. Quando há turismo, todo o nosso povo trabalha nos hotéis, restaurantes, a agricultura se movimenta”, diz Juan Pablo. Hoje, acrescenta ele, estão vivendo em uma “crise profunda”
Cris Bouroncle/AFP – 29.1.2023

“Queda livre”
Segundo dados do Ministério do Turismo, a crise está custando US$ 6,5 milhões diários, com uma queda de 83% na ocupação hoteleira
Cris Bouroncle/AFP – 29.1.2023

 

O diretor regional de turismo, Abel Alberto Matto Leiva, explica que, em Cusco, “75% da população trabalha direta ou indiretamente com turismo”, em “uma cadeia” que inclui “2.500 agências de viagens”, alimentação, alojamento e transporte. No momento, 20 mil pessoas estão desempregadas, número este que, segundo ele, “continua aumentando”, com projeções de chegar a cerca de 120 mil até março
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

Em meio à crise, cerca de 14 mil artesãos locais devem ter as oportunidades drasticamente reduzidas, afirmam as autoridades, o que também representa milhares de comerciantes com pouca ou nenhuma renda. Sem nenhum tipo de ajuda, esses trabalhadores se sentem “totalmente esquecidos”, diz Filomena Quispe, de 67 anos, 35 deles vendendo artesanato em uma pequena loja perto da Plaza de Armas de Cusco
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

A situação também faz muitos donos de estabelecimentos optarem por não abrir as portas, para cortar custos. “Estamos em queda livre e não sabemos quando ela vai parar”, lamenta o vice-presidente da Câmara Hoteleira de Cusco, Henry Yabar, que também fechou o estabelecimento que tinha, um hotel de três estrelas com cerca de 15 quartos
Cris Bouroncle/AFP – 28.1.2023

 

Yabar afirma que a crise política foi um golpe “fatal” para o turismo e diz que houve “95% de cancelamentos” nas reservas hoteleiras. Segundo ele, dos 12 mil hotéis e pousadas de Cusco, “entre 25% e 30% (os menores) já faliram”
Cris Bouroncle/AFP – 29.1.2023

 

Ele disse esperar que o Estado ponha um plano de emergência em ação e faça concessões fiscais para os afetados pela situação. “Temos esperança de uma melhora em julho”, diz Yabar, que completa: “Para os que sobreviverem”
Cris Bouroncle/AFP – 29.1.2023

Comentários

Continue lendo

Brasil

Alto Comissário da ONU pede liberdade aos presos arbitrariamente na Venezuela

Publicado

em

Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, em entrevista na Venezuela
FEDERICO PARRA/AFP – 28.1.2023

Volker Türk afirmou que país prometeu que irá investigar as denúncias de tortura, além de acabar com a prática no país

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, incentivou, neste sábado (28), as autoridades da Venezuela a libertarem todos os presos arbitrariamente e a tomarem medidas para pôr fim às torturas, após uma visita de dois dias ao país.

“Pedi que ponham em liberdade todas as pessoas presas arbitrariamente”, disse Türk no aeroporto internacional de Maiquetía, que atende Caracas, minutos antes de deixar o país.

O Alto Comissário chegou à Venezuela na quinta-feira (26) para se reunir com as autoridades da administração do presidente Nicolás Maduro e grupos da sociedade civil, após um convite feito pelo governo.

“Prometeram-me que as denúncias de tortura seriam atendidas […], que serão investigadas e os responsáveis, julgados. Incentivei as autoridades a tomarem medidas decisivas para pôr fim à tortura de uma vez por todas”, assegurou, após mencionar ter ouvido relatos de algumas vítimas.

ONGs e grupos da sociedade civil denunciaram em várias oportunidades as “violações sistemáticas” dos direitos humanos na Venezuela, especialmente por parte de forças de segurança do Estado. Türk mencionou que execuções “extrajudiciais” continuam sendo realizadas e que “há trauma nas pessoas”.

No entanto, destacou que o governo se mostrou disposto a continuar trabalhando para “melhorar o sistema de justiça” e elogiou a disposição pública de Maduro de fazê-lo.

“Confio em que em breve teremos acesso irrestrito a todos os centros de detenção do país”, acrescentou.

O Alto Comissário da ONU trabalha na Venezuela desde 2019, sob a representação de uma comissão que foi instalada por Michelle Bachelet, antecessora de Türk, a fim de vigiar e prestar assistência à situação dos direitos humanos após uma onda de denúncias de vítimas.

Antes de deixar o cargo, Bachelet disse que via avanços na área dos direitos humanos, mas que ainda havia “mais por fazer”. Türk destacou que o gabinete continuará trabalhando e prestando assistência técnica no país por mais dois anos.

O Alto Comissário também incentivou as autoridades a levarem em conta a “importância de garantir o espaço cívico” após a proposta recente de uma lei que visa regulamentar o funcionamento das ONGs.

“Pedi que fosse estabelecido um amplo processo consultivo sobre a lei”, afirmou.

Comentários

Continue lendo

Em alta