A pesquisa da USP avaliou a análise de nove estudos clínicos sobre o perfil dos pacientes infectados em cinco países.

Sílvia Sales-Peres, professora doutora da USP-Bauru e coordenadora do estudo, fala à CNN – Foto: CNN (4.set.2020)
Da CNN - 04 de setembro

Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) de Bauru, no interior de São Paulo, concluiu que pessoas obesas ou com sobrepeso estão mais propensas a desenvolver a forma grave da doença quando contaminadas pela Covid-19.

À CNN, a coordenadora do estudo, Sílvia Sales-Peres, professora da USP-Bauru, disse que a pesquisa comprova algo que já era citado por especialistas em relação aos efeitos da obesidade em quadros clínicos da doença.

“Essas pessoas [obesas] já vão apresentar alguns graus de inflamação crônica, além de ter redução na produção de citocinas antinflamatórias e aumento nas citocinas pró-inflamatórias”, descreveu a professora.

Esse quadro pode fazer com que as doenças pulmonares sejam agravadas. “Também apresentam algumas células prejudicadas, justamente as responsáveis pelos anticorpos”, acrescentou.

“São vários fatores que podem concorrer ao mesmo tempo para favorecer, inclusive, o agravamento da Covid-19. No caso desses indivíduos, o vírus pode ficar armazenado nessa rede do tecido adiposo, fazendo com que tenha um tempo maior de progressão”, completou a pesquisadora.

Por fim, a professora indicou que pessoas dentro desse grupo de risco – com sobrepeso ou obesidade – redobrem cuidados com as medidas de distanciamento e uso de máscara. “Elas devem ter um distanciamento social maior, se manter com máscara e, se possível, que fiquem em casa”, orientou.

A pesquisa da USP avaliou a análise de nove estudos clínicos sobre o perfil dos pacientes infectados em cinco países.

Em abril, um estudo realizado nos Estados Unidos já havia apontado a obesidade como um complicador para a doença causada pela infecção por Covid-19. Além disso, o Ministério da Saúde já havia apontado uma tendência para esse aspecto nas mortes registradas e citado que trata-se de fator de risco.

Comentários