Ex-secretário do Governo Cassol (RO), foi preso em Seabra, na Bahia e teve o pedido de relaxamento da prisão negado no último dia 14. Agora ele deve ser transferido para Capital de Rondônia.

O esquema apurado pelo Gaeco mostra que Gilvan Ferro, responsável pelo sistema penitenciário estadual até 2010, movimentou entre os anos de 2005 e 2010 mais de R$ 2 milhões (Foto: Arquivo Rondoniagora)
Rondoniagora.com

A Justiça de Rondônia foi informada no último dia 14 sobre a prisão do ex-secretário de Justiça do Governo Cassol, o policial militar Gilvan Cordeiro Ferro, condenado à pena de 4 anos e 8 meses de prisão, em regime inicial semiaberto, por corrupção quando era secretário de Estado da Justiça e desviou recursos para construção de uma academia de ginástica na Capital, a Adrenaline.

________________

Gilvan Ferro foi condenado em novembro de 2014 a 3 anos de prisão, mas o MP recorreu e conseguiu aumentar a pena para 4 anos e 8 meses.

________________

O ex-secretário do Governo Cassol foi preso em Seabra, na Bahia e teve o pedido de relaxamento da prisão negado pelo juiz da 1ª Vara Criminal, Francisco Borges Ferreira Neto no último dia 14. Agora ele deve ser transferido para Capital de Rondônia.

Segundo a denúncia do Ministério Público, a investigação se iniciou a partir de denúncias de esquema de recebimento de propinas pelo alto escalão da Sejus em troca da transferência de presos. O esquema apurado pelo Gaeco mostra que Gilvan Ferro, responsável pelo sistema penitenciário estadual até 2010, movimentou entre os anos de 2005 e 2010 mais de R$ 2 milhões, sendo que somente 27% referiam-se ao salário oficial (R$ 740 mil). O restante (cerca de R$ 1,97 milhões) foi proveniente, dentre outros, de depósitos sem identificação do depositante (cerca de R$ 750 mil), depósitos feitos por empresas com contratos com o governo estadual (incluindo a Sejus) e até mesmo por pessoa acusada de ser chefe de uma quadrilha de tráfico de drogas na região de Rolim de Moura.

Os valores recebidos por Gilvan Ferro não foram declarados à Receita Federal e parte dos depósitos foi fragmentada em valores menores a fim de dissimular as transações. Ele também é acusado de envolvimento em atos de improbidade administrativa e crimes contra a Administração Pública, respondendo a oito ações civis públicas propostas pelo Ministério Público de Rondônia.

O dinheiro proveniente destes crimes foi utilizado para a formação do considerável patrimônio dos denunciados, donos da uma academia de ginástica em Porto Velho. A empresa foi constituída em nome de Juliana e Helena Ribeiro de Barros e, segundo os indícios colhidos na investigação, foi montada com a finalidade de lavar o dinheiro recebido ilicitamente.

Comentários