Conecte-se conosco





Brasil

Painel da Vacina: Brasil está em 66º no ranking global e é 4º no total de doses

Publicado

em

Vacinação no interior de São Paulo – Foto: Giulio Paletta/Education Images

Julyanne Jucá e Vital Neto, da CNN

O Brasil voltou a ocupar o 66º lugar no ranking global de aplicação de doses da vacina contra Covid-19 nesta segunda-feira (2), na relação a cada 100 habitantes. O país, que iniciou a vacinação há mais de cinco meses, já esteve na 56ª posição desse ranking e chegou a descer para a 70º.

Entre os países que compõem o G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, o país está em 12º. Segundo os dados atualizados pela Agência CNN, o Brasil aparece com 67,28 doses aplicadas a cada 100 habitantes.

O Canadá ultrapassou o Reino Unido e está na liderança da lista, com 131,22 doses na relação a cada 100 pessoas. O Reino Unido tem 125,50. Em seguida, está a China (115,99), depois a Itália (113,70) e a Alemanha (109,87). A França aparece em sexto lugar, com 107,56.

Painel da Vacina mostra posição do Brasil no ranking mundial da vacinação contra a Covid-19
Foto: CNN Brasil

Os Estados Unidos (103,59) aparecem em 7º lugar, seguida pela Turquia (87,14). A Arábia Saudita aparece na sequência, com 78,48 doses aplicadas a cada 100 habitantes. No 10º lugar, antes ocupado pelo Brasil, aparece a Argentina, com 71,13 doses aplicadas na mesma proporção.

Considerando os números absolutos da vacinação, a China continua com a liderança do ranking, com 1.669.527.000 de doses já aplicadas.

No segundo lugar, aparece a Índia, com 472,2 milhões de doses aplicadas. Em seguida, os Estados Unidos, com 346,4 milhões. O Brasil permanece em quarto lugar, com 142,4 milhões de doses aplicadas — mesma posição se considerarmos os países do G20.

A Alemanha aparece em 5º, com 92 milhões doses aplicadas. O Japão, país-sede das Olimpíadas, está em 6º, com 87,3 milhões de doses na mesma proporção. O Reino Unido aparece em 7º, com 85,1 milhões de doses.

Os dados foram compilados pela Agência CNN com informações das secretarias estaduais de Saúde e do site Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Comentários

Em alta